sábado, 10 de março de 2012

Cristo é a Pedra e não Pedro como afirma a Igreja Católica – (O Primado de Pedro – Refutado)!)

São Mateus 16:18 tem sido considerado como o texto mais controvertido do Novo Testamento. Nenhum outro tem suscitado tantos problemas e levantado tantos debates.
A Igreja Católica Romana tem pregado através dos séculos, que Cristo nomeou São Pedro chefe dos Apóstolos, primaz de seus colegas, superior hierárquico da ordem clerical, papa da Cristandade.
Se perguntarmos: Mas, onde estão no Novo Testamento os títulos dessa nomeação e dessa transmissão hereditária, três passagens serão citadas:
1) São Mateus 16:18-19.
2) São Lucas 12:31, 32.
3) São João 21:15-17.
Dos três passos citados o único importante para a defesa católica é o de Mateus 16:18, 19. Apelando ainda para a tradição, a igreja de Roma pretende provar estas quatro coisas:
1) Pedro é a pedra fundamental do texto de Mateus.
2) Pedro foi o superior hierárquico dos Apóstolos.
3) Pedro estabeleceu em Roma a sede de seu episcopado.
4) Ele instituiu os bispos de Roma seus herdeiros.
Os líderes católicos romanos chamam de “Primado de Pedro” esta distinção e primazia sobre os demais apóstolos.
A dificuldade exegética de Mat. 16:18, 19 encontra-se na interpretação correta de duas metáforas – pedra e chaves.
Quem é a pedra? O que são as chaves?

Identificação da Pedra

A leitura atenta do contexto é útil para uma melhor compreensão do assunto.
Jesus caminhando para Cesaréia de Filipe pergunta aos discípulos: “Quem diz o povo ser o Filho do homem?” Mat. 16:13.
Após várias respostas interroga diretamente os discípulos: “Mas vós quem dizeis que eu sou?”. A resposta de Pedro é imediata e firme: “Tu és o Cristo, e Filho do Deus vivo”. Mat. 16:15-16.
A Igreja Católica Romana ensina que como recompensa a esta confissão. . .
1) Cristo lhe mudou o nome, indicando a posição que ocuparia daí por diante.
2) Edificou a Sua Igreja sobre Pedro.
Cristo não mudou o nome neste momento, mas apenas confirmou o sobrenome que lhe atribuíra no dia do seu chamado. S. João 1:41, 42; S. Lucas 6:14.
Três principais e diferentes interpretações têm sido dadas para identificar a pedra sobre quem Cristo edificou a Sua Igreja:
1ª) A pedra é Cristo.
2ª) A pedra sobre a qual a igreja está edificada é Pedro.
3ª) A pedra é a confissão que Pedro fizera sobre Cristo.
Pais da Igreja, Teólogos e Comentaristas têm lutado com mais ou menos ardor em defesa de cada uma destas alternativas. Antes de discutirmos sobre quem a Igreja foi construída seria bom lembrar estes princípios hermenêuticos:
Deixe a Bíblia interpretar a própria Bíblia, pois como disse Irineu: “Se há passagens obscuras, estas se explicam pelas que são mais claras, de tal sorte que a Escritura se explica pela própria Escritura”.
Orígenes apresenta mais ou menos a mesma idéia através das seguintes palavras: o texto deve ser interpretado através do conjunto das Escrituras e nunca através de textos isolados.

A Pedra é Cristo

Teólogos protestantes sempre foram ardorosos defensores da Igreja construída sabre Cristo.
Jerônimo, Agostinho e Ambrósio aplicam a pedra tanto a Pedro como a Cristo. Eis as palavras que aparecem no fim do Evangelho de S. Mateus, tradução da Bíblia do Padre Antônio Pereira de Figueiredo, edição de 1857, de Lisboa, pág. 95:
“Santo Agostinho no tratado CXXIV sobre S. João entende por esta pedra não a Pedro, mas a Cristo, em quanto confessado Deus por Pedro, como se Cristo dissera: Tu és Pedro, denominado assim da pedra, que confessaste, que sou eu, sobre a qual edificarei a minha igreja”.
Estas palavras do maior teólogo católico romano por serem muito claras dispensam comentários.
É do nosso conhecimento que o termo “pedra ou rocha” foi usado no Velho Testamento para Deus. Salmo 18:2 – “O Senhor é a minha rocha”; Deut. 32: 4 – “Eis a Rocha! Suas obras são perfeitas.”
O Messias é descrito em Isaías 28:16 como “uma pedra, pedra já provada, pedra preciosa, angular, solidamente assentada”.
O Novo Testamento apresenta a Cristo como o fundamento da igreja: 1 Cor. 10:4; Atos 4:12; Rom. 9:33; 1 Cor. 3:11; Efés. 2:20; I Pedro 2:4, 5; Mat. 21:42-44.
A estrutura da fé cristã tem resistido, e irá resistir até o fim, porque é construída sobre um alicerce firme – o próprio Jesus Cristo.

Argumento Baseado na Diferença Entre Pétros e Pétra

O Folheto Nº 44, da Série V.A. pontifica: “O Evangelho de S. Mateus foi escrito originalmente em aramaico”.
Há uma forte corrente baseada em algumas citações de Pais da Igreja, como uma de Irineu, apresentada por Eusébio (História da Igreja, vol. 8) que diz:
“Mateus escreveu seu Evangelho entre hebreus, em sua própria linguagem, enquanto Pedro e Paulo estavam pregando e fundando a igreja em Roma, sendo depois traduzido para o grego”.
Na base desta citação e de outras congêneres alguns concluem que o Evangelho de Mateus foi primitivamente escrito em aramaico. Se escreveu em aramaico a distinção entre Pétros e Pétra não podia existir.
Outros ainda acrescentam: Cristo falava o aramaico, não o grego, não fazendo também esta distinção. Se Cristo não a fez por falar em aramaico, por que Mateus ao relatá-las em grego não poderia fazer inspirado pelo Espirito Santo?
Suposições de alguns Pais da Igreja, reforçadas por um ou outro teólogo moderno, não nos devem levar à conclusão definitiva de Mateus ter sido escrito em aramaico.
É preferível ficar com as declarações do Comentário Adventista, vol. V, pág. 272:
1) O texto grego de Mateus não revela as características de uma obra traduzida.
2) A uniformidade de linguagem e estilo nos conduzem à distinta impressão de que o livro foi escrito em grego.
Dicionários e Comentários nos comprovam que Pedro, em grego “Pétros” significa um fragmento de pedra, pedra movediça, lasca da rocha; enquanto pedra, no grego “Pétra” significa rocha, massa sólida de pedra.
Alguns comentaristas asseveram que o Espírito Santo orientou o apóstolo, ao redigir esta passagem para empregar duas palavras, em grego, para evitar a idéia de que Pedro fosse a pedra.
Desta sucinta explicação se conclui que Pétros não é um símbolo apropriado para um fundamento, um edifício, mas que Pétros – rocha – é um símbolo muito próprio para o fundamento estável e permanente da Igreja.
Na Ilíada, VI1, 270, Ajax está atirando uma Pedra (Pétros) em Heitor, mas na Odisséia, IX, 243, há o relato de uma Pedra (Pétra) colocada na Porta de uma caverna, inamovível pelo seu tamanho descomunal.
Afirmam alguns que esta distinção do Grego Clássico não mais existira na (Koinê) do Novo Testamento, porque o povo comum destrói sutis distinções gramaticais.
Moulton afirma que em Mateus 16:18 Cristo usou a forma Pétros, masculina, para Pedro, porque não era próprio aplicar a um homem um nome feminino.

A Igreja Construída Sobre Pedro

Esta tese é sustentada pela maioria dos comentadores católicos.
Vincent, comentando Mateus 16:18 defende a idéia de que a Igreja foi construída sabre Pedro, desde que Cristo nesta passagem aparece não como a fundação, mas como o arquiteto.
Outros apresentam o seguinte argumento: a conjunção coordenativa “e”, em grego “kai” liga orações que têm o mesmo valor, por isso se Cristo visasse estabelecer um contraste entre ele e Pedro teria empregado a conjunção “allá” = mas. Este argumento não é seguro porque “kai” tem em grego também o significado de “mas”. Ver Arndt and Gingrich, página 393 e Robertson, página 1181.
A igreja católica se baseia num texto isolado sem levar em consideração o consenso de todo o ensino bíblico a respeito, isto é, sem considerar os dois princípios hermenêuticos (de 1rineu e Orígenes) já citados anteriormente.
Cotejando vários textos das Escrituras chega-se à conclusão iniludível de que a Bíblia ensina que Cristo é a Pedra e não Pedro.
O próprio Pedro, através de suas enfáticas declarações, se encarregou de dirimir todas as dúvidas neste sentido. I S. Pedro 2:4-8.
Paulo, outro grande baluarte do cristianismo, apresenta em seus escritos declarações insofismáveis de que Cristo é a Pedra. I Cor. 3:10-11; 10:4; Efés. 2:19-22.

Provas Bíblicas de que Pedro não foi Escolhido como Líder da Igreja, ou Superior Hierárquico dos Apóstolos

a) Mateus 23:8 e 10 nos ensina que Cristo não queria que nenhum deles fosse mestre ou guia, porque esta é uma prerrogativa divina.
b) Lucas nos relata (9:46; 22:24-30), que por duas vezes se levantou entre os discípulos, o problema de quem entre eles tinha a primazia. Tal problema jamais se levantaria se Cristo tivesse estabelecido a Pedro como superior a eles.
c) Se Cristo tivesse indicado a Pedro como o líder da Igreja, como o Papa, ele seria infalível em suas decisões, portanto jamais lhe aconteceria o que Lucas nos relata no seu evangelho capítulo 22:54-60.
d) Sendo Pedro o dirigente seria a pessoa que enviaria outros, mas Lucas nos informa em Atos 8:14 que Pedro e João foram enviados pelos apóstolos.
e) Se fosse o superior hierárquico dos apóstolos a argüição que eles fizeram e a defesa de Pedro seriam inoportunas e desarrazoadas, conforme o relato de Atos 11:1-18.
f) O primeiro concílio da igreja não foi convocado e dirigido por Pedro mas por Tiago. O contexto apresentado pelo Dr. Lucas (Atos 15:13, 19) sugere que Tiago era o presidente.
g) Em Atos 15:22-29 há o relato de que a epístola enviada a Antioquia foi dirigida em nome dos apóstolos, dos presbíteros, e da igreja e não por Pedro.
h) Se Pedro fosse o líder, Paulo não poderia escrever o que se encontra em Gálatas 2:11-14, pois seria faltar à ética hierárquica. A afirmação de Paulo no verso 11 é bastante taxativa para desmoronar todo o falso edifício que o papado tem construído na base de Mateus 16:18 sobre o primado de Pedro.
i) 1 Coríntios 12:28. Se Pedro fosse o Papa, na enumeração dos ofícios da Igreja, Paulo não se esqueceria deste tão preeminente – o Vigário de Cristo.
j) Paulo afirma em Gálatas 2:9 que Tiago, Cefas (Pedro) e João eram considerados como colunas. Note-se que Tiago está em primeiro lugar.
No SDABC, Vol. V pág. 431 se encontram estas oportunas palavras:
“Talvez a melhor evidência. de que Cristo não apontou a Pedro como a ‘pedra’ sobre a qual edificaria Sua igreja seja o fato de que nenhum dos que ouviram esta afirmação de Cristo, nem o próprio Pedro assim entendeu Suas palavras, nem durante o tempo em que Cristo esteve na Terra nem posteriormente. Houvesse Cristo feito a Pedro chefe entre os discípulos, depois disto eles não se veriam envolvidos em discussões sobre qual deles seria considerado o maior.”

Pedro Estabeleceu em Roma a Sede de Seu Episcopado. Esteve Pedro em Roma?

Eduardo Carlos Pereira no livro O Problema Religioso na América Latina, págs. 276 a 278, procura provar, que afirmações da igreja católica, quanto à estada de Pedro em Roma são destituídas de valor por lhe faltarem base comprovatória.
A Igreja Católica declara que Pedro estabeleceu em Roma a sede do seu governo no ano 42 e que após ter governado a Igreja por 25 anos, ai faleceu mártir com Paulo, no ano 67, durante o reinado de Nero.
As principais ponderações de Eduardo Carlos Pereira são estas:
1ª) Se Pedro estivesse em Roma a Epístola aos Romanos, escrita em 58, seria desnecessária, porque haveria quem os exortasse e doutrinasse.
2ª) A Igreja Católica cita vagas afirmações de Clemente, Papias e Hierápolis para concluir que Pedro esteve em Roma, como líder da igreja todos aqueles anos. Mas como harmonizar estas declarações com o fato do Novo Testamento que se iniciou depois de 42 AD e foi concluído no final do século silenciar totalmente sobre a notável investidura de Pedro como a cabeça da Igreja?
3ª) Cita do renomado historiador eclesiástico P. Schaff, do livro History of the Church, Vol. 1, página 250 esta afirmação:
“A tradição romana de 20 ou 25 anos de episcopado de S. Pedro em Roma é sem contestação um erro cronológico colossal”.
4ª) Eusébio, História Eclesiástica, livro III, C. 2, provavelmente baseado em Irineu, declara que Lino foi considerado o primeiro bispo de Roma. Irineu afirma que Pedro e Paulo ordenaram primeiro bispo a Lino, cujo nome aparece em II Tim. 4:21.
Historiadores Católicos defendem ardorosamente a estada de Pedro em Roma, enquanto os protestantes negam a afirmação anterior.
Não há nenhuma prova bíblica para afirmar ou negar estas opiniões divergentes.
O Espírito de Profecia declara sobre esta pendência:
“Na providência de Deus foi permitido a Pedro encerrar seu ministério em Roma, onde sua prisão foi ordenada pelo imperador Nero, aproximadamente ao tempo da última prisão de Paulo”. – Atos dos Apóstolos, pág, 537.

A Igreja Construída Sobre a Confissão de Pedro

Crisóstomo (350-407 AD) afirmou que a igreja foi construída sabre a confissão de Pedro. Outros Pais da Igreja e reformadores como Lutero, Huss, Zwínglio e Melanchton defendem a mesma idéia.
Os fatos parecem indicar que esta não é a melhor interpretação, desde que a Igreja é construída não sobre confissões, mas sobre os que fazem a confissão, isto é, sobre seres vivos: Cristo, os Apóstolos e os que aceitam a Cristo como Seu Salvador. As passagens de Efésios 2:20 e 1 Pedro 2: 4-8 confirmam as declarações anteriores.

Que Significam as Chaves?

Se as chaves são usadas para abrir e fechar, a figura indica que as chaves do Reino dos Céus, servem para abrir e fechar o Reino dos Céus.
O abrir e fechar é expresso no texto por ligar e desligar ou desatar.
As chaves, que abrem e fecham a Casa de Deus, ligam os homens à Igreja, ou dela os desligam, são os princípios dos Evangelhos, as condições da Salvação, aceitas ou rejeitadas pelos homens. Pedro abriu, com a chave da Palavra de Deus, as portas do Reino dos Céus a três mil pessoas que se converteram, Atos 2:14-41. Este privilégio não foi apenas concedido a Pedro, mas a todos os discípulos. São Mateus 18:18.
Autoridades acatadíssimas na literatura bíblica nos ensinam que entre os rabinos “ligar e desligar” eram sinônimos de “proibir e permitir’. Esses doutores da lei se arrogavam o direito de possuir a “chave da ciência” para declarar o que era ilícito, segundo a lei de Moisés. As passagens de Mateus 23:14 e Lucas 11:52 nos esclarecem a este respeito.
Quando uma pessoa completava satisfatoriamente um curso de estudos com um rabi judeu, era costume receber ela uma chave, significando que se havia tornado bem versada na doutrina e que estava agora habilitada para abrir os segredos das coisas de Deus. As palavras de Cristo se referem a este costume.
“As chaves simbolizam a autoridade que Jesus confiou a Sua igreja para agir em Seu nome. Especificamente elas indicam as Escrituras onde Deus expõe o plano da salvação. A autoridade não é baseada numa escritura de igreja como tal, mas nas Escrituras”. – Lição da Escola Sabatina, 10-1-81.
Algumas declarações bíblicas nos levam a concluir que a igreja de Deus na Terra se acha investida de grande autoridade, mas esta autoridade tem sido mal interpretada pela Igreja Católica em alguns aspectos, como no problema de perdoar pecados.
Comentando S. João 20: 23, diz o douto exegeta Dr. Adão Clarke o seguinte:
“É certo que Deus unicamente pode perdoar pecados; e seria não somente blasfêmia, mas também crasso absurdo, dizer que qualquer criatura pudesse perdoar a culpa de uma transgressão cometida contra o Criador. Os apóstolos receberam do Senhor a doutrina da reconciliação e a doutrina da condenação. Os que em conseqüência de Sua pregação cressem no Filho de Deus, tinham perdoados os seus pecados; e os que não cressem, permaneciam na condenação.”
Russell Norman Champlin em O Novo Testamento Interpretado enfatiza a mesma idéia comentada acima ao analisar Mat.16:19:
“O perdão de pecados não pertence ao indivíduo, em si mesmo, mas Cristo outorga essa autoridade àqueles que pregam a Palavra de Deus, porquanto a aceitação ou rejeição dessa mensagem é que determina o ‘perdão’ ou ausência de perdão dos pecados, O homem não perdoa nem se recusa a perdoar, mas a sua ação, uma vez dirigida por Deus, está revestida dessa autoridade”.
As declarações de Ellen G, White no livro O Desejado de Todas as Nações, págs. 413 e 414, são bem claras neste sentido:
” ‘As chaves do reino dos céus’ são as palavras de Cristo. Todas as palavras da Santa Escritura são dEle e se acham aqui incluídas. Estas palavras têm poder para abrir e fechar os céus. Declaram as condições sob que os homens do recebidos ou rejeitados”.
Este pensamento do livro Mensagens Escolhidas, vol. II, pág. 396 jamais deve ser esquecido:
“Devemos lembrar que a igreja, enfraquecida e defeituosa como seja, é o único objeto na Terra a que Cristo concede Sua suprema consideração. Ele vela constantemente com solicitude por ela, e fortalece-a por Seu Espírito Santo.”
Teodoro Beza, a notável figura da Crítica Textual e propugnador da difusão do texto bíblico declarou:
“A igreja é uma bigorna que já desgastou muitos martelos.”

“As Portas do Inferno Não Prevalecerão Contra Ela.” Que Significa Esta Afirmação?

A interpretação mais comum é que os poderes do mal nunca poderão prevalecer contra a Igreja de Cristo. Outros comentaristas defendem que uma melhor interpretação, de acordo com o significado da palavra original – Hades – impropriamente traduzida por inferno, pois significa a habitação dos mortos, a sepultura; será que a morte que não pôde vencer a Cristo, também não poderá vencer os que O aceitarem como seu Salvador pessoal.
O SDABC analisando Mat. 16:18 afirma: “O triunfo de Cristo sobre a morte e a sepultura é a verdade central do cristianismo”.
“O último inimigo que será vencido é a morte”.
Será útil ainda o conhecimento do que afirmou Rui Barbosa em sua destacada obra – O Papa e o Concílio. (Obra traduzida de Janus, mas a introdução de Rui, exatamente a metade do livro, 330 páginas, por sua profundidade faz com que ela seja sempre atribuída ao ínclito brasileiro), pág. 412:
“Tudo isso explica-se, porém, logo que examinarmos de perto, mediante os Padres, a significação das bem conhecidas palavras de Cristo a S. Pedro. Não as aplica aos bispos de Roma como sucessores de S. Pedro nenhum dos Padres que trataram exegeticamente, nessa época, os tópicos do Evangelho relativos ao poder transmitido a Pedro (Mat. 16: 18; João 21:18). Que de Padres não se ocuparam com esses tópicas! Entretanto, nenhum daqueles cujos comentários possuímos ainda, Orígenes, Crisóstomo, Hilário, Agostinho, Cirilo, Teodoreto, nem dos outros cujas explicações se acham agrupadas nas Catenas, nenhum desses exprimiu, por uma sílaba sequer, a idéia de que se refira ao primaz de Roma a conseqüência da missão incumbida e das promessas dirigidas a Pedro. – Nenhum deles interpretou a pedra, ou a base onde o Cristo quer edificar a sua igreja, como atributo especialmente cometido a Pedro, e, por morte deste, hereditário. Aquilo para eles significava o próprio Cristo, ou a fé notória de Pedro em Cristo; porque nos seus escritos é freqüente confundirem-se essas duas idéias. – Por outro lado, entendiam-se que Pedro era tão fundamento da igreja quanto os demais apóstolos, isto é, pensavam que os apóstolos todos juntos formavam as doze pedras fundamentais da igreja.”
Após tecer considerações sobre a impossibilidade de Pedro ter sido o primeiro papa em Roma, Russel Norman Champlin conclui, ao comentar Mat. 16:18:
“Finalmente, podemos afirmar que essas doutrinas, como a do papado, a da extrema primazia de Pedro, só aparecem no dogma posterior da história eclesiástica, e não se alicerçam nas próprias Escrituras nem em qualquer precedente da igreja primitiva. Não havia primazia do bispo de Roma sobre o bispo de Jerusalém, de Cesaréia ou de qualquer outra localidade, A primazia do bispo de Roma foi desenvolvimento muito posterior”.
É certamente confortador crer que a igreja não esteja fundada sobre um homem frágil e vacilante como Pedro, que no momento em que o Mestre mais dele carecia o negou. Embora admiremos a Pedro e nos alegremos por sua nobre confissão, agradeçamos a Deus por Sua Igreja estar fundada sobre o “Príncipe da Paz”, a “Rocha Poderosa”, o “Fundamento Indestrutível” o “Nome Maravilhoso” o “Deus Forte” isto é, Cristo Jesus.

Nota

Este trabalho pesquisado em várias fontes, recebeu a melhor orientação das seguintes obras:
1. O Problema Religioso na América Latina de Eduardo Carlos Pereira e
2. O Comentário Adventista.
Extraído da Apostila Explicação de Textos Difíceis da Bíblia, de Pedro Apolinário
Via Sétimo Dia

1 comentários:

Michael Dias disse...

sou cristão protestante, e acho incrivel como tem crentes protestantes que perdem tempo criticando outras religioes (principalmente os irmãos católicos), pra mim tudo uma cambada de religiosos doutores da lei infiltrados dentro da igreja de Jesus, seria bom que a terra abrisse e engolisse um por um!

Postar um comentário

▲ TOPO DA PÁGINA