sábado, 17 de dezembro de 2016

Obras da Carne X Frutos do Espírito


Obras da Carne X Frutos do Espírito

“Porque as obras da carne são manifestas, as quais são: prostituição, impureza, lascívia, idolatria, feitiçarias, inimizades, porfias, emulações, iras, pelejas, dissensões, heresias, invejas, homicídios, bebedices, glutonarias e coisas semelhantes a estas, acerca das quais vos declaro, como já antes vos disse, que os que cometem tais coisas não herdarão o Reino de Deus. Mas o fruto do Espírito é: caridade (amor), gozo, paz, longanimidade, benignidade, bondade, fé, mansidão, temperança. Contra essas coisas não há lei.” Gl 5.19-23

Nenhum trecho da Bíblia apresenta um mais nítido contraste entre o modo de vida do crente cheio do Espírito e aquele controlado pela natureza humana pecaminosa do que 5.16-26. Paulo não somente examina a diferença geral do modo de vida desses dois tipos de crentes, ao enfatizar que o Espírito e a carne estão em conflito entre si, mas também inclui uma lista específica tanto das obras da carne, como do fruto do Espírito.

OBRAS DA CARNE.

“Carne” (gr. sarx) é a natureza pecaminosa com seus desejos corruptos, a qual continua no cristão após a sua conversão, sendo seu inimigo mortal (Rm 8.6-8,13; Gl 5.17,21). Aqueles que praticam as obras da carne não poderão herdar o reino de Deus (5.21). Por isso, essa natureza carnal pecaminosa precisa ser resistida e mortificada numa guerra espiritual contínua, que o crente trava através do poder do Espírito Santo (Rm 8.4-14; ver Gl 5.17).

As obras da carne (5.19-21) incluem:

(1) “Prostituição” (gr. pornéia), i.e., imoralidade sexual de todas as formas. Isto inclui, também, gostar de quadros, filmes ou publicações pornográficos (cf. Mt 5.32; 19.9; At 15.20,29; 21.25; 1Co 5.1). Os termos moichéia e pornéia são traduzidos por um só em português: prostituição.

(2) “Impureza” (gr. akatharsia), i.e., pecados sexuais, atos pecaminosos e vícios, inclusive maus pensamentos e desejos do coração (Ef 5.3; Cl 3.5).

(3) “Lascívia” (gr. aselgeia), i.e., sensualidade. É a pessoa seguir suas próprias paixões e maus desejos a ponto de perder a vergonha e a decência (2Co 12.21).

(4) “Idolatria” (gr. eidololatria), i.e., a adoração de espíritos, pessoas ou ídolos, e também a confiança numa pessoa, instituição ou objeto como se tivesse autoridade igual ou maior que Deus e sua Palavra (Cl 3.5).

(5) “Feitiçarias” (gr. pharmakeia), i.e., espiritismo, magia negra, adoração de demônios e o uso de drogas e outros materiais, na prática da feitiçaria (Êx 7.11,22; 8.18; Ap 9.21; 18.23).

(6) “Inimizades” (gr. echthra), i.e., intenções e ações fortemente hostis; antipatia e inimizade extremas.

(7) “Porfias” (gr. eris), i.e., brigas, oposição, luta por superioridade (Rm 1.29; 1Co 1.11; 3.3).

(8) “Emulações” (gr. zelos), i.e., ressentimento, inveja amarga do sucesso dos outros (Rm 13.13; 1Co 3.3).

(9) “Iras” (gr. thumos), i.e., ira ou fúria explosiva que irrompe através de palavras e ações violentas (Cl 3.8).

(10) “Pelejas” (gr. eritheia), i.e., ambição egoísta e a cobiça do poder (2Co 12.20; Fp 1.16,17).

(11) “Dissensões” (gr. dichostasia), i.e., introduzir ensinos cismáticos na congregação sem qualquer respaldo na Palavra de Deus (Rm 16.17).

(12) “Heresias” (gr. hairesis), i.e., grupos divididos dentro da congregação, formando conluios egoístas que destroem a unidade da igreja (1Co 11.19).

(13) “Invejas” (gr. fthonos), i.e., antipatia ressentida contra outra pessoa que possui algo que não temos e queremos.

(14) “Homicídios” (gr. phonos), i.e., matar o próximo por perversidade. A tradução do termo phonos na Bíblia de Almeida está embutida na tradução de methe, a seguir, por tratar-se de práticas conexas.

(15) “Bebedices” (gr. methe), i.e., descontrole das faculdades físicas e mentais por meio de bebida embriagante.

(16) “Glutonarias” (gr. komos), i.e., diversões, festas com comida e bebida de modo extravagante e desenfreado, envolvendo drogas, sexo e coisas semelhantes.

As palavras finais de Paulo sobre as obras da carne são severas e enérgicas: quem se diz crente em Jesus e participa dessas atividades iníquas exclui-se do
reino de Deus, i.e., não terá salvação (5.21; ver 1Co 6.9).

O FRUTO DO ESPÍRITO.

Em contraste com as obras da carne, temos o modo de viver íntegro e honesto que a Bíblia chama “o fruto do Espírito”. Esta maneira de viver se realiza no crente à medida que ele permite que o Espírito dirija e influencie sua vida de tal maneira que ele (o crente) subjugue o poder do pecado, especialmente as obras da carne, e ande em comunhão com Deus (ver Rm 8.5-14 nota; 8.14 nota; cf. 2Co 6.6; Ef 4.2,3; 5.9; Cl 3.12-15; 2Pe 1.4-9).

O fruto do Espírito inclui:

(1) “Caridade” (amor) (gr. agape), i.e., o interesse e a busca do bem maior de outra pessoa sem nada querer em troca (Rm 5.5; 1Co 13; Ef 5.2; Cl 3.14).

(2) “Gozo” (gr. chara), i.e., a sensação de alegria baseada no amor, na graça, nas bênçãos, nas promessas e na presença de Deus, bênçãos estas que pertencem àqueles que crêem em Cristo (Sl 119.16; 2Co 6.10; 12.9; 1Pe 1.8; ver Fp 1.14).

(3) “Paz” (gr. eirene), i.e., a quietude de coração e mente, baseada na convicção de que tudo vai bem entre o crente e seu Pai celestial (Rm 15.33; Fp 4.7; 1Ts 5.23; Hb 13.20).

(4) “Longanimidade” (gr. makrothumia), i.e., perseverança, paciência, ser tardio para irar-se ou para o desespero (Ef 4.2; 2Tm 3.10; Hb 12.1).

(5) “Benignidade” (gr. chrestotes), i.e., não querer magoar ninguém, nem lhe provocar dor (Ef 4.32; Cl 3.12; 1Pe 2.3).

(6) “Bondade” (gr. agathosune), i.e., zelo pela verdade e pela retidão, e repulsa ao mal; pode ser expressa em atos de bondade (Lc 7.37-50) ou na repreensão e na correção do mal (Mt 21.12,13).

(7) “Fé” (gr. pistis), i.e., lealdade constante e inabalável a alguém com quem estamos unidos por promessa, compromisso, fidedignidade e honestidade (Mt 23.23; Rm 3.3; 1Tm 6.12; 2Tm 2.2; 4.7; Tt 2.10).

(8) “Mansidão” (gr. prautes), i.e., moderação, associada à força e à coragem; descreve alguém que pode irar-se com eqüidade quando for necessário, e também humildemente submeter-se quando for preciso (2Tm 2.25; 1Pe 3.15; para a mansidão de Jesus, cf. Mt 11.29 com 23; Mc 3.5; a de Paulo, cf. 2Co 10.1 com 10.4-6; Gl 1.9; a de Moisés, cf. Nm 12.3 com Êx 32.19,20).

(9) “Temperança” (gr. egkrateia), i.e., o controle ou domínio sobre nossos próprios desejos e paixões, inclusive a fidelidade aos votos conjugais; também a pureza (1Co 7.9; Tt 1.8; 2.5).

O ensino final de Paulo sobre o fruto do Espírito é que não há qualquer restrição quanto ao modo de viver aqui indicado. O crente pode — e realmente deve — praticar essas virtudes continuamente. Nunca haverá uma lei que lhes impeça de viver segundo os princípios aqui descritos.

sexta-feira, 16 de dezembro de 2016

Assista ao trailer do filme adventista "O Resgate: Salvação ao Extremo"

No dia 8 de abril de 2017 será lançado o filme produzido pela Igreja Adventista, O Resgate: Salvação ao Extremo. O média-metragem faz parte do programa de evangelismo anual conhecido como Semana Santa. Em 2017, a ideia é que membros adventistas convidem amigos, vizinhos e parentes para assistir a produção em suas casas. As gravações foram feitas no Chile durante cerca de 20 dias.

Segundo o produtor do filme, Jefferson Nali, os atores e figurantes trabalharam mais de dez horas diariamente para aproveitarem ao máximo a oportunidade da neve. No entanto, os dias não foram fáceis mediante esta condição climática. “Gravar na neve não é fácil, tanto para os atores quanto para os equipamentos. Precisávamos da neve, mas também sofremos por causa dela”, conta Nali.

Para entender o roteiro, os atores profissionais – que não são membros da denominação – estudaram o livro base para a concepção do filme, A História da Redenção. Outras curiosidades sobre a obra, é que em torno de 25 pessoas fizeram parte da equipe técnica. Além de brasileiros, argentinos e chilenos também trabalharam em parceira com a produtora responsável pelo projeto, a Seven Filmes. [Confira a reportagem completa em Notícias Adventistas]

Assista ao trailer:

terça-feira, 13 de dezembro de 2016

John Lennox analisa o livro de Stephen Hawking

John Lennox, matemático da Universidade de Oxford, demonstra em linguagem clara e objetiva as auto-contradições inerentes aos argumentos ateistas em favor de um universo sem Criador, sobretudo as idéias filosoficamente pueris apresentadas no livro "O Grande Projeto", de Stephen Hawking e Leonard Mlodinow.

terça-feira, 6 de dezembro de 2016

O mistério dos dinossauros - Episódio 1

Trump anuncia adventista Ben Carson como secretário de Habitação



O presidente eleito dos Estados Unidos, Donald Trump, anunciou nesta segunda-feira (5) a nomeação de Ben Carson, o neurocirurgião aposentado que disputou as primárias republicanas, como secretário de Habitação e Desenvolvimento Urbano, ao retomar as consultas para a formação de seu gabinete.

Carson, um negro conservador profundamente religioso e que teve um bom momento durante as primárias republicanas, não tem experiência em políticas de habitação, mas citou sua infância em um bairro pobre de Detroit como credencial para o posto. Primeiro afro-americano nomeado para integrar o governo de Trump, que toma posse em 20 de janeiro, Carson "tem uma mente brilhante e é apaixonado por fortalecer comunidades e famílias dentro destas comunidades", afirmou o presidente eleito em um comunicado.

Serenidade
Carson liderou por um breve momento a primária republicana, com uma imagem serena e de fala pausada, um contraste com a disputa vociferante que acontecia ao seu redor. Sua candidatura, que inicialmente recebeu apoio entre os cristãos conservadores, perdeu fôlego pela falta de propostas e respostas claras sobre temas importantes.

O neurocirurgião aposentado, integrante da Igreja Adventista do Sétimo Dia, se apresentara como uma alternativa ao furioso Trump, pregando tolerância e compromisso. Trump o criticou sem trégua durante as primárias, ao acusar o adversário de ter um caráter "patológico". Mas Carson aderiu à campanha do magnata depois de abandonar a disputa em março, descrevendo o ex-rival como "um homem muito inteligente e profundamente interessado pelo país". Ben Carson levou Trump a um visita aos bairros marginalizados de Detroit em setembro, quando o agora presidente eleito tentava melhorar sua imagem entre os eleitores da comunidade negra. E saiu em defesa de Trump após a divulgação de um áudio de 2005 em que o republicano celebrava o fato de apalpar as mulheres.

Sonho americano

A história de Carson, 65 anos, é o padrão do sonho americano: nasceu pobre, foi criado por uma mãe analfabeta que se casou aos 13 anos e que foi abandonada pelo marido. Estudante exemplar, ganhou bolsa da Universidade de Yale e estudou na Faculdade de Medicina da Universidade de Michigan. Aos 33 anos se tornou diretor de Neurocirurgia Pediátrica da Universidade Johns Hopkins. Recebeu aclamação mundial em 1987 ao realizar a primeira operação que teve sucesso para separar siameses unidos pela cabeça. Se aposentou em 2013 e passou ser conhecido nos círculos conservadores, com o discurso de como a fé e os valores familiares o ajudaram a superar as dificuldades e a realizar seu sonho. Sempre fala sobre a responsabilidade individual, o que o levou a criticar o estado de bem-estar, que segundo ele cria uma dependência entre os mais pobres.

Em 2008, chegou a receber do então presidente George W. Bush a Medalha da Liberdade, a maior honra civil do país. Carson também é autor de vários livros. Entre suas obras mais conhecidas publicadas em português estão Risco Calculado, Sonhe Alto e a autobiografia Ben Carson.


[Com informações de G1 e Agence France-Presse]

quinta-feira, 1 de dezembro de 2016

Satanás pode ler nossos pensamentos?



De acordo com a Bíblia, o único que sabe os pensamentos de todas as criaturas do universo é Deus.

“Ouve tu nos céus, lugar da tua habitação, perdoa, age e dá a cada um segundo todos os seus caminhos, já que lhe conheces o coração, porque tu, só tu, és conhecedor do coração de todos os filhos dos homens.” (1 Reis 8:39)

“O SENHOR conhece os pensamentos do homem..." (Salmos 94:11)

De acordo com estes textos, Satanás não pode ler os pensamentos dos seres humanos; a Bíblia não apresenta a Satanás como possuidor da onisciência (que sabe tudo); este atributo é uma qualidade apresentada nas Escrituras apenas para o Eterno:

“SENHOR, tu me sondas e me conheces. Sabes quando me assento e quando me levanto; de longe penetras os meus pensamentos. Esquadrinhas o meu andar e o meu deitar e conheces todos os meus caminhos. Ainda a palavra me não chegou à língua, e tu, SENHOR, já a conheces toda." (Salmos 139:1-4)

Vejamos o que diz Ellen G. White acerca deste assunto::

“Satanás não pode ler os nossos pensamentos, mas pode ver os nossos atos, ouvir-nos as palavras; e por meio do seu longo conhecimento da família humana, pode moldar suas tentações para tirar vantagem de nossos pontos fracos de caráter. E quão frequentemente lhe revelamos o segredo de como poderá obter vitória sobre nós! Oh! como deveríamos dominar nossas palavras e ações! Quão fortes poderíamos tornar-nos se nossas palavras fossem tais que nos não envergonhássemos de enfrentar o seu registro no dia do juízo! Quão diferentes aparecerão elas no dia de Deus do que agora aparentam ao serem pronunciadas!” (Mensagens aos Jovens, p. 328)
A única coisa que o diabo pode fazer é “chutar” o que uma pessoa está pensando, pois ele aprendeu a conhecer algumas coisas olhando a fisionomia do rosto de alguém. Só em ver o semblante da pessoa, Satanás pode perceber se está nervosa, angustiada, etc.

O inimigo também poder saber o que está em nossos pensamentos através de nossas palavras e ações. Devemos ter muito cuidado no tipo de palavras que proferimos e como agimos. Não devemos dar chance a ele para que descubra todos os nossos defeitos de caráter. Quando ele descobre nossas fraquezas, passa a trabalhar em cima delas a fim que nos induza a pecar. Ele monta uma grande estratégia a fim de tentar nos pegar nos pontos fracos; e no momento em que ‘mostramos a ele’ nossos pontos fracos, mais chances damos às trevas para serem usadas contra nós.

"O adversário das pessoas não tem permissão de ler os pensamentos dos homens; é, porém, perspicaz observador, e nota as palavras; registra-as e adapta habilmente suas tentações de modo a se ajustarem ao caso dos que se colocam em seu poder. Caso trabalhássemos para reprimir os pensamentos e sentimentos pecaminosos, não lhes dando expressão em palavras ou ações, Satanás seria derrotado pois ele não poderia preparar suas especiais tentações para adaptar ao caso. Mas quantas vezes, por sua falta de domínio próprio, professos cristãos abrem a porta ao adversário das pessoas!" ((Mente, Caráter e Personalidade, vol. 2, p. 658)

Satanás não pode entrar na mente sem nosso consentimento:
"Se vivemos inteiramente para Deus, não permitiremos que a mente se demore em imaginações egoístas. Se houver um meio qualquer pelo qual Satanás possa alcançar acesso à mente, ele semeará o seu joio e o fará crescer até que redunde em farta colheita. Em caso algum pode Satanás obter domínio sobre os pensamentos, palavras e ações, a menos que voluntariamente lhe abramos a porta e o convidemos a entrar. Ele entrará então, lançando fora a boa semente semeada no coração e tornando de nenhum efeito a verdade." (O Lar Adventista, p. 402)

Apesar de Deus nos ajudar a vencer, incluindo os maus pensamentos, isto não quer dizer que não tenhamos de fazer nossa parte. Devemos purificar nossos pensamentos, a fim de que não façamos ou falemos coisas erradas para que Satanás não tenha ainda mais armas para usar contra nós:

“Precisamos de um constante senso do enobrecedor poder dos pensamentos puros, e da danosa influência dos pensamentos maus. Ponhamos nossos pensamentos em coisas santas. Sejam eles puros e verdadeiros, pois a única segurança para qualquer pessoa é o pensar correto. Devemos usar todos os meios que Deus pôs ao nosso alcance, para o governo e o cultivo de nossos pensamentos. Devemos pôr a mente em harmonia com a mente divina." (Mente, Caráter e Personalidade, vol. 2, p. 659)


A purificação dos pensamentos - uma comunhão com Deus tão profunda a ponto de nossa vida ser plenamente dEle – é o que mais necessitamos. Ore a Deus. Tenha certeza de que, mesmo orando em pensamento, Ele irá atender-lhe. Creia no Eterno Senhor. Aceite a Jesus como seu Salvador. Fazendo isto, sua vida será outra e sua vitória será certa.

quinta-feira, 24 de novembro de 2016

O sábado não possui tarde e manhã

Resultado de imagem para O sábado não possui tarde e manhã

Segundo algumas pessoas, o fato de a Bíblia não mencionar tarde e manhã em relação ao dia de sábado, em Gênesis 2:1-3 (como ocorre com os demais dias da semana em Gênesis 1), “significa que o repouso no sétimo dia não é literal”. Porém, por mais lógica que possa parecer o argumento, ele é insustentável à luz de uns poucos textos bíblicos:

Gênesis 2:3: “E abençoou Deus o dia sétimo e o santificou; porque nele descansou de toda a obra que, como Criador, fizera.”


O sétimo dia é chamado de “dia” e aparece sequencialmente após o sexto dia da semana da criação (Gênesis 1:31). Indiscutivelmente, isso significa que o sétimo dia seria de 24 horas, assim como o dia anterior, o sexto dia.

Um dos motivos para não ser necessária a utilização da sentença tarde e manhã em relação ao sétimo dia, é o fato deste ter sido o último dia da semana, não havendo um oitavo dia sequencialmente, por exemplo. Os demais dias da semana foram seguidos de tarde e manhã porque viria um dia “diferente” na sequência (primeiro dia, segundo dia, terceiro dia, quarto dia, quinto dia, sexto dia). Como, após o sábado, não existiria outro dia “diferente” (o novo ciclo semanal apenas iniciaria novamente no “primeiro dia”), nenhuma necessidade existiria em dizer: “houve tarde e manhã, o sétimo dia”.

Êxodo 20:11: “porque, em seis dias, fez o SENHOR os céus e a terra, o mar e tudo o que neles há e, ao sétimo dia, descansou; por isso, o SENHOR abençoou o dia de sábado e o santificou.”
O claro mandamento de Êxodo 20:8-11 leva a mente do leitor para a criação. Neste verso há a sentença: “porque, em seis dias fez o Senhor os céus…”. Só quem não quer não enxerga que Moisés está associando Êxodo 20:8-11 a Gênesis 2:1-3, de modo que a alegação de alguns “apologistas”, de que não se deve guardar o sábado “porque não encontramos a palavra sábado em Gênesis” é absurda, para não dizer, no mínimo, ridícula.

Isso indica que, se Deus tinha em mente um dia de 24 horas para Israel adorá-Lo, é óbvio que Ele está indicando que o sábado prescrito no Éden também tinha 24 horas. O argumento divino para os Israelitas observarem o sábado, desviando-se assim da idolatria praticada pelas nações vizinhas, só teria peso se Ele estivesse pedindo que eles observassem um dia de 24 horas conforme havia sido dado na criação.

Além disso, se o sábado fosse somente um “símbolo do descanso eterno”, seria totalmente desnecessário Deus exigir do povo de Israel: “Lembra-te” (do dia de sábado).

É óbvio que a lembrança foi exigida porque o dia estava sendo esquecido, e porque o Senhor esperava uma observância literal do sábado, dentro de um período de tempo de 24 horas.

Êxodo 16: o milagre do maná – Quando eles trabalharam no sábado (Êxodo 16:27), indo à procura do maná ou pão do céu que Deus já havia enviado em dobro no sexto dia da semana (Êxodo 16:22-26), o Senhor em Seu amor os repreendeu: ” Até quando vocês se recusarão a obedecer aos meus mandamentos e às minhas instruções?” (Êxodo 16:28).
Essa repreensão só teria razão de existir se o sábado tivesse sido compreendido não como um descanso simbólico, mas como um momento de adoração dentro de um intervalo de tempo literal.

Gerhard F. Hasel, em seu artigo Dias Literais ou Períodos de Tempos Figurados?, foi convincente na quantidade de dados que apresentou para comprovar a literalidade de todos os dias da criação, inclusive do sábado, como possuindo 24 horas. Ele diz que “os seis “dias” da criação associam-se em todas as instâncias com um numeral, na sequência de 1 a 6 (Gênesis 1:5, 8, 13, 19, 23, 31). O dia seguinte ao “sexto dia”, o “dia” em que Deus repousou, é designado como o sétimo dia [Gênesis 2:2 (duas vezes), e verso 3]. O que parece ser significativo é a ênfase dada à sequência dos numerais de 1 a 7, sem qualquer hiato ou interrupção temporal. Este esquema de sete dias, o esquema da semana de seis dias de trabalho seguidos por um sétimo dia como dia de repouso, interliga os dias da criação como dias normais em uma sequência consecutiva e ininterrupta. Quando a palavra yôm, “dia”, é empregada juntamente com um numeral, o que acontece 150 vezes no Velho Testamento, refere-se invariavelmente a um dia literal[1] de 24 horas.[2]”.

Que você, amigo leitor, deixe de lado argumentos aparentemente lógicos que, na realidade, são insustentáveis. Que sua decisão seja a mesma do povo de Israel após uma conscientização de que Deus deseja nossa adoração e obediência, apesar de imperfeitas:

“Então o povo descansou no sétimo dia.” (Êxodo 16:30).



[1] Segundo Hasel, “A única exceção, em números de 1 a 1000, encontra-se em um texto escatológico em Zacarias 14:7. A expressão hebraica yôm ‘echad empregada em Zacarias 14:7 tem sido traduzida de várias maneiras: “Mas será um dia singular” (Almeida revista e atualizada); “e haverá dia contínuo” (New Revised Standard Version); “será dia contínuo” (Revised English Bible); ou “o dia será um” (108). O “dia contínuo” ou o “um dia” do futuro escatológico será um dia no qual o ritmo normal de tarde e manhã, dia e noite, como conhecido hoje, será alterado de tal forma que naquele dia escatológico haverá “luz à tarde” (versículo 7). É geralmente aceito que este é um texto difícil da língua hebraica, mas que dificilmente pode ser usado para alterar o uso direto do vocábulo em Gênesis 1”.

sexta-feira, 18 de novembro de 2016

Como compreender melhor as declarações de Isaías 66:22 a 24?

Resultado de imagem para verme que nunca morre

Vamos então ao texto de Isaías: “Porque, como os novos céus, e a nova terra, que hei de fazer, estarão diante da minha face, diz o SENHOR, assim também há de estar a vossa posteridade e o vosso nome. E será que desde uma lua nova até à outra, e desde um sábado até ao outro, virá toda a carne a adorar perante mim, diz o SENHOR. E sairão, e verão os cadáveres dos homens que prevaricaram contra mim; porque o seu verme nunca morrerá, nem o seu fogo se apagará; e serão um horror a toda a carne.” (Isaías 66:22 a 24)

Esta descrição da destruição final dos ímpios nos assegura que finalmente eles se tornarão ?cadáveres? (corpos mortos) sem vida. Seus corpos serão queimados no lago de fogo.

O que é ensinado nestes versos é que o fogo da destruição final não poderá ser apagado ou extinguido por ninguém. Isaías escreve: “Eis que serão como a pragana, o fogo os queimará; não poderão salvar a sua vida do poder das chamas; não haverá brasas, para se aquentar, nem fogo para se assentar junto dele”. (Isaías 47:14). Veja que no verso Isaías deixa claro que não haverá brasas para se aquentar, nem fogo para se aquecer. Portanto o fogo “que não se apaga” ao qual a Bíblia se refere deixará de existir após haver consumido os ímpios como a pragana. De acordo com Jeremias 17:27 a cidade de Jerusalém queimou com fogo que não se apaga, entretanto nós sabemos que esta cidade foi inteiramente destruída e não continua queimando até os nossos dias (2 Crônicas 36:19-21).


A utilização das expressões fogo e vermes representam a total aniquilação e obliteração do pecado e dos pecadores.

Aqueles que utilizam este verso (e outros similares) para apoiar a suposta doutrina da natural imortalidade da alma são lançados numa grande dificuldade. Qual? O texto diz que o fogo e os vermes estão operando não sobre almas desencarnadas mas sobre corpos! É utilizada a expressão “cadáveres”, revelando que o fogo consome corpos mortos não almas desencarnadas. Falando sobre os inimigos do Senhor Isaías 51:8 fala ainda que “a traça os roerá como a roupa, e o bicho os comerá como a lã”, uma descrição de serem completamente aniquilados.

Sendo que os muros da cidade santa serão “claros como o cristal” (Apocalipse 21:11, 18), os remidos poderiam facilmente sair de suas moradas celestiais, olhar através dos muros transparentes como cristal e “ver a recompensa dos ímpios” (Salmo 91:8). Este será um espetáculo nada agradável. Zacarias 14:12 diz: ?a sua carne será consumida?. Os ímpios serão queimados completamente (Malaquias 4:1, 3), e serão como se nunca tivessem existido (Obadias 16). Então a terra será recriada como o lar eterno dos justos, todas as lágrimas serão enxugadas, e não haverá mais pranto nem dor (Apocalipse 21:1,4). É importante observar que a atividade principal dos remidos na nova terra será a adoração a Deus. Mês a mês (de uma lua nova a outra), semana após semana, cada Sábado, virão todos adorar ao Criador e Redentor da raça humana. Vale a pena seguir a Cristo. Aqueles que o adoram no tempo presente (Apocalipse 14:7) terão o privilégio de continuar a servi-lo por toda a eternidade. Que você e eu possamos ter este privilégio!


Fonte: Rádio Novo Tempo

Sete pecados das igrejas que estão morrendo


A Adventist Review publicou um artigo do especialista em Crescimento da Igreja, Thom Rainer, que aponta os sete "pecados" das igrejas que estão morrendo. A nossa intenção é provocar você a fazer o "checklist" na sua igreja!

1. Diluição da Doutrina
Pesquisas mostram que as pessoas que estão buscando uma religião, preferem igrejas com crenças doutrinais definidas.

2. Perda da Paixão Evangelística
Não é surpresa que nas igrejas em decadência exista uma apatia evangelística.

3. Falha em Ser Relevante
Muitas igrejas tem perdido contato com os valores culturais atuais e tendências sociais, de forma que não são capazes de apresentar o evangelho de forma relevante.

4. Inexistência de Ministérios Focados na Comunidade
Outra pesquisa recente aponta que 95% dos programas das igrejas são exclusivamente para os membros, o que demonstra uma incompreensão a respeito da missão da igreja.

5. Existência de Conflitos sobre Preferências Pessoais
Por incrível que pareça, não são os conflitos doutrinários que acabam fazendo os maiores estragos, mas os que envolvem preferências pessoais.

6. Priorização do Conforto
Proclamar o evangelho envolve sair da zona de conforto e explorar as realidades deste mundo, mas nem todos estão dispostos a isso.

7. Desconhecimento da Bíblia
Apesar da ênfase nos estudos bíblicos, a alimentação espiritual regular tem sido colocada em segundo plano. O momento, a estrutura e o material para o estudo da Bíblia existem, mas precisam fazer parte da prioridade da igreja.

Clique aqui para ler o artigo completo em inglês.
"A tarefa de levar pessoas a Cristo exige cuidadoso preparo. Não se deve começar o serviço do Senhor sem a necessária instrução e, ainda assim, esperar o maior êxito. […] Perguntem ao arquiteto, e eles lhes dirá quanto tempo levou para compreender a maneira de planejar uma construção elegante e cômoda. E a mesma coisa é feita em todas as profissões. Deveriam os servos de Cristo ser menos dedicados em se preparar para uma tarefa infinitamente mais importante? Deveriam ser ignorantes a respeito dos meios e maneiras a ser usados para alcançar as pessoas? Saber como se aproximar de homens e mulheres para tratar dos grandes temas que dizem respeito ao bem-estar eterno delas requer conhecimento da natureza humana, profundo estudo, meditação e fervorosa oração." (Ellen G. White - Evangelismo, p. 128)


Dinossauros: os mitos sobre a sua evolução

No dia 01 de novembro de 2016 foi realizada a palestra intitulada "Dinossauros: os mitos sobre a sua evolução", ministrada pelo pesquisador Everton Fernando Alves. Ele é Mestre em Ciências (Imunogenética) pela Universidade Estadual de Maringá (UEM). É Autor de dezenas de publicações científicas na área Biomédica. É escritor colunista da Revista Vida e Saúde da Casa Publicadora Brasileira (CPB). Também é autor do e-book: "Teoria do Design Inteligente: evidências científicas no campo das ciências biológicas e da saúde". Everton publicou sobre a TDI também no periódico científico Clinical and Biomedical Research. Ele tem diversos artigos escritos sobre criacionismo publicados no Blog Criacionismo.com.br e no site do numar.scb.org.br. É membro fundador e atual Diretor de Ensino do Núcleo Maringaense da SCB (NUMAR-SCB).

quinta-feira, 17 de novembro de 2016

15 pecados que mais entristecem o Espírito Santo segundo Ellen White

"E não façam com que o Espírito Santo de Deus fique triste..." Ef 4:30

Entristecer o Espírito Santo não significa lutar contra Ele. Você e eu precisamos diferenciar a luta com a Terceira Pessoa da Trindade para vencermos nossas fraquezas, da batalha contra o Espírito Santo, que consiste numa constante rejeição aos Seus apelos para que reconheçamos a Jesus como Messias. Desse modo, essa listagem não tem o objetivo de insinuar que você esteja “pecando contra o Espírito Santo”, mas apenas lhe advertir sobre alguns dos pecados que mais O entristecem. Assim como um pai e uma mãe que, apesar de se entristecerem ou se decepcionarem com um filho, não o abandonam, Deus também não abandona Seus filhos por que estes Lhe causaram tristeza em certos momentos. O Senhor insiste em trazer-nos de volta para perto de Si (leia em Oseias 11 e 12).

A seguir, os 15 pecados que mais entristecem o Espírito Santo segundo os escritos de Ellen G. White:

1. Divertimentos que são impróprios
“Mais que qualquer outra coisa, estão os divertimentos contribuindo para anular a operação do Espírito Santo, e o Senhor é ofendido” (Conselhos aos Professores, Pais e Estudantes, p. 281).

2. Cristãos que não são sinceros de coração e não vivem as verdades
“O Espírito de Deus é ofendido porque muitos não têm a vida e o coração retos; sua professa fé não harmoniza com suas obras” (Testemunhos Para a Igreja, vol. 4, p. 247).

3. Cobiça
“Depois, Ananias e Safira ofenderam o Espírito Santo cedendo a sentimentos de cobiça […] O mesmo pecado foi muitas vezes repetido na história posterior da igreja, e é cometido por muitos em nosso tempo. Mas, embora, possa não manifestar-se visivelmente o desagrado de Deus, não é menos desprezível a Sua vista agora do que o foi no tempo dos apóstolos” (Atos dos Apóstolos, pp. 72, 76).

4. Duvidar do amor de Deus e desconfiar de Suas promessas
“Quando nos inclinamos a duvidar do amor de Deus, a desconfiar de Suas promessas, nós O desonramos e ofendemos ao Seu Santo Espírito” (Caminho a Cristo, p. 118).

5. Não controlar a imaginação
“Você [chamada na obra de “irmã F”, que por seus acessos de raiva maltratava os membros da família] é capaz de controlar a imaginação e vencer esses acessos nervosos. Você tem força de vontade, e deve trazê-la em seu auxílio. Não tem feito isso, mas tem deixado a imaginação altamente agitada a controlar a razão. Nisso você tem ofendido o Espírito de Deus”. (Testemunhos para a Igreja, vol. 5, p. 310).

6. Temor injustificado e queixas
“Fazem eles bem em ser assim incrédulos? Jesus é seu amigo. Todo o céu se acha empenhado em seu bem-estar, e seu temor e queixas ofendem o Espírito Santo.” (Obreiros Evangélicos, p. 261).

7. Indolência e preguiça
“Quando a ignomínia da indolência e preguiça tiver sido afastada da igreja, o Espírito do Senhor se manifestará graciosamente. Revelar-se-á o poder divino. A igreja verá a providencial operação do Senhor dos Exércitos. A luz da verdade brilhará em raios claros, fortes, e, como no tempo dos apóstolos, muitas almas volverão do erro para a verdade. A terra será iluminada com a glória do Senhor”. (Testemunhos Seletos, vol. 3, p. 219).

8. Condescendência com o egoísmo e a desunião entre irmãos na fé
“O Espírito de Deus não habitará onde há desunião e contenda entre os que creem na verdade. Mesmo que esses sentimentos não sejam expressos, eles tomam posse do coração e expulsam a paz e o amor que deveriam caracterizar a igreja cristã. Eles são resultados do egoísmo no sentido mais pleno […] A condescendência com o egoísmo certamente expulsará o Espírito de Deus do local.” (Testemunhos Para a Igreja, vol. 4, p. 221).

9. Falta de cooperação entre obreiros de instituições
“Essas coisas ofendem o Espírito Santo. Deus deseja que aprendamos uns dos outros. A não santificada independência nos coloca no lugar em que Ele não pode trabalhar conosco. Satanás é que muito se agrada com tal estado de coisas”. (Testemunhos Para a Igreja, vol. 7, p. 197).

10. Relaxamento na observância do Sábado
“Quando julga que suas circunstâncias temporais requerem atenção, você transgride sem preocupação o quarto mandamento. Você torna a guarda da lei de Deus uma questão de conveniência, obedecendo ou desobedecendo, segundo o indicam suas ocupações ou inclinações. Isto não é honrar o sábado como uma instituição sagrada. Você ofende o Espírito de Deus e desonra seu Redentor, seguindo esse procedimento descuidado.” (Testemunhos Para a Igreja, vol. 4, p. 248).

11. Dureza de coração
“Enquanto estava ao lado do leito de morte de meu marido, eu sabia que se houvera outros com quem repartir as cargas dele, teria ele sobrevivido. Então supliquei com agonia que os que estavam ali presentes não mais ofendessem o Espírito do Senhor por sua dureza de coração.” (Testemunhos Para a Igreja, vol. 5, p. 67).

12. Unir-se com uma pessoa descrente (jugo desigual)
“Unir-se a um descrente é colocar-se no terreno de Satanás. Você entristece o Espírito de Deus e perde Sua proteção. Será capaz de suportar tão terríveis desvantagens ao travar a luta pela vida eterna?” (Testemunhos Para a Igreja, vol. 5, p.p. 364, 365).

13. Manifestar represália
“Se surgem provações que parecem inexplicáveis, não devemos permitir que nossa paz nos seja roubada. Conquanto sejamos tratados injustamente, não demonstremos paixão. Alimentando o espírito de represália, prejudicamo-nos a nós mesmos. Destruímos nossa confiança em Deus e entristecemos o Espírito Santo”. (Parábolas de Jesus, p.p. 171, 172).

14. Rivalidade entre instituições da Igreja
“Não deve haver concorrência entre nossas casas publicadoras [editoras de livros adventistas]. Se esse espírito existir, irá crescer e se fortalecer, impedindo o espírito missionário. Entristecerá o Espírito de Deus, e banirá da instituição o ministério dos anjos enviados para cooperar com aqueles que participam da graça de Deus”. (Testemunhos Para a Igreja, vol. 7, p.p. 173, 174).

15. Observações severas e sarcásticas
“Quando o Salvador em nós habita, as palavras O revelam. Mas o Espírito Santo não habita no coração daquele que se impacienta quando os outros não concordam com suas ideias e planos. Dos lábios de tal homem saem palavras fulminantes, que afugentam o Espírito e desenvolvem atributos satânicos, em vez de divinos. O Senhor deseja que os que estão ligados a Sua obra falem, a todo tempo, com a mansidão de Cristo. Manifestai a brandura de que Cristo nos deu o exemplo em Sua vida.” (Conselhos Sobre Mordomia, p. 115).

Não se esqueça de que o seu olhar não deve estar voltado para dentro de si. Do contrário, nunca se sentirá salvo. Fixe seus olhos em Cristo e não verá possibilidade de perder a vida eterna! (Hb 12:2).


Que a paz do Espírito Santo esteja com você.

A besta e o microchip - Leandro Quadros

Tem medo do microchip? Eu tenho mais medo das pessoas que usam ele para fazer terrorismo emocional com os irmãos do que dele em si... Neste vídeo dou algumas razões bíblicas para você não ter medo e ainda ter um conhecimento mais aprofundado do assunto. Assista e compartilhe!

quarta-feira, 16 de novembro de 2016

A Era do Gelo: uma perspectiva bíblico-científica

No dia 01 de novembro de 2016 foi realizada a palestra intitulada "A Era do Gelo: uma perspectiva bíblico-científica", ministrada pelo pesquisador Everton Fernando Alves. Ele é Mestre em Ciências (Imunogenética) pela Universidade Estadual de Maringá (UEM). É Autor de dezenas de publicações científicas na área Biomédica. É escritor colunista da Revista Vida e Saúde da Casa Publicadora Brasileira (CPB). Também é autor do e-book: "Teoria do Design Inteligente: evidências científicas no campo das ciências biológicas e da saúde". Everton publicou sobre a TDI também no periódico científico Clinical and Biomedical Research. Ele tem diversos artigos escritos sobre criacionismo publicados no Blog Criacionismo.com.br e no site do numar.scb.org.br. É membro fundador e atual Diretor de Ensino do Núcleo Maringaense da SCB (NUMAR-SCB).

Evidências científicas a favor do Criacionismo (Me. Adauto Lourenço)

O cientista criacionista Prof. Adauto Lourenço, bacharel em Física pela Bob Jones University (EUA) e mestre em Física pela Clemson University (EUA) deu entrevista para o canal do NUMAR-SCB e apresentou evidências e argumentos a favor do criacionismo.



sexta-feira, 11 de novembro de 2016

A Criação das Substâncias da Terra


“No princípio criou Deus os céus e a terra. Ora, no que respeita à terra, estava sem forma e vazia; e havia trevas sobre a face do abismo; e o Espírito de Deus Se movia sobre a face das águas”. Gênesis 1:1 e 2. (As sentenças em negrito são citadas do livro Exposition of Genesis, de H. C. LEUPOLD. São suas traduções do texto original hebraico).

Esta declaração responde à pergunta: “Qual foi o princípio da terra?” As coisas começaram pela palavra de Deus na Sua criação do céu e da terra. Quanto à terra, não tinha existência antes desse tempo. O Criador é chamado Elohim, palavra hebraica no plural, usada para indicar alguém que pela Sua natureza e Seu trabalho desperta no homem um santo temor e reverência. Estes versos demonstram claramente a falsidade da pretensão do panteísmo, acentuando a personalidade de Deus. Ele existiu antes da matéria e forma da terra e as trouxe à existência. Portanto, não podem constituir parte de Sua pessoa.

A palavra bara traduzida aqui por “criou”, nunca é usada na Bíblia no Kal, ou forma simples do verbo para outra atividade que não a divina. Esta palavra nem sempre significa formar alguma coisa do nada. Para ilustrar, em Isaias 65:18 lemos: “Eis que crio (bara) para Jerusalém alegria, e para o seu povo gozo”. E mais uma vez em Gênesis 1:1, onde não se encontra nenhum material que possa ser trabalhado, bara significa “criação do nada”. Esta doutrina também é ensinada em Romanos 4:17; Hebreus 11:3; Salmo 33:6 e 9 e Amós 4:13 (3).

As declarações dos versos 7-10 de Gênesis 1 fazem com que se presuma de maneira lógica que “céus” e “terra” do verso 1 são nosso firmamento e nosso mundo respectivamente. Em verdade, o mesmo Deus criou o resto do universo; mas, possivelmente exceto a alusão às estrelas (verso 16), a história do Gênesis se relaciona especialmente com o nosso sistema solar e especificamente com a nossa terra.

Tendo estabelecido que as duas partes do mundo, terra e firmamento, ou céu, se originaram pela palavra do Criador, o autor do Gênesis logo depois descreve a aparência da matéria-prima da terra, imediatamente depois de sua criação. A frase hebraica aqui traduzida “sem forma e vazia” é tohu wavohu. Tohu é uma palavra que significa “sem forma”. Bohu vem da raiz “estar vazio”, significando portanto que “não tinha nada”.

Comentando esta expressão, o Dr. Leupold diz: “Tohu” é realmente usado como um adjetivo enfático, como é também, naturalmente, bohu. Sobre o verbo hayethah, “era”, não pode recair ênfase, numa sentença em que seguem dois predicados significativos. Deve servir simplesmente como união. Consequentemente, todo o intento para pôr neste verbo algum pensamento como 'a terra já existia', ou 'assim esteve por muito tempo', é inteiramente inadmissível em gramática” (4).
Esta mesma expressão, tohu wavohu, é usada em Jeremias 4:23 para descrever a terra durante o milênio, quando as formas vivas estão ausentes, ou quase ausentes. Contudo deve-se observar que a condição “sem forma e vazia”, descrita em Jeremias, refere-se unicamente à superfície da terra. À luz deste texto parece razoável, portanto, presumir que a descrição de Gênesis 1:2 pinta a terra inteiramente formada como um corpo astronômico e estabilizada na sua geologia, com exceção do aspecto de sua superfície, inteiramente sobre o controle das “forças naturais”, e caracterizada pela falta de qualquer ser vivo.

Absoluta escuridão havia na superfície da terra. Aparentemente, nem mesmo a luz das estrelas alcançava a superfície. Que as estrelas existiam naquele tempo é certo, porque agora sabemos que tem incidido sobre nossa terra o brilho estelar que deixou as estrelas milhões de anos luz no passado - e nossa terra, de acordo com a cronologia bíblica, não pode ter mais do que sete mil anos de existência. É provável que a camada de nevoeiro que envolvia a terra, como os versos seguintes o indicam, impedisse que o brillho das estrelas a alcançasse.

A palavra traduzida aqui por “abismo” é a palavra tehom, que vem da raiz hum, significando “retumbante”. Que “abismo” se refere à água como a conhecemos, é indicado pela cláusula seguinte, onde a palavra “águas” a substitui. Pode parecer que pelo menos uma grande porção de superfície disforme da terra, se não sua inteira superfície (ver Salmo 104:7-9), estivesse coberta com água, e aparentemente, por alguma razão, esta água estava em agitação suficiente para que houvesse barulho. Ao contrário da opinião comum, o ar não foi criado no segundo dia mas deve ter sido trazido à existência antes, com as outras matérias inorgânicas. Se o ar não tivesse estado presente, tehom, o “abismo” ou “águas”, teria evaporado prontamente para o vácuo acima da terra. Assim, teria sido possível ao vento atmosférico produzir ruido.

Ruach Elohim, o Espírito de Deus, ou Epírito Santo, é apresentado como Se movendo protetoramente sobre a superfície da massa informe da terra. Este particípio, mera (ch) chepheth, nunca é usado na Bíblia para sugerir “incubar”; pelo contrário, sugere adejar, mover-se. A diferença pode ter significação. Uma galinha, por exemplo, choca os ovos mas move-se sobre os pintos. A interpretação fabulosa de que o Espírito estava incubando o mundo em embrião é indefensável.

A pluralidade de Elohim no primeiro verso é parcialmente explanada no segundo verso, pela presença do Espírito Santo. Este verso em conexão com S. João 1:1-3; Colossenses 1:16 e I Coríntios 8:6, torna claro que “os Deuses” que criaram a nossa terra foram o Pai, o Filho e o Espírito Santo (5). O plano foi desenvolvido pelos primeiros dois membros da Trindade; Cristo, o Verbo, deu a ordem para o aparecimento dos materiais e formas, e o Espírito Santo foi o agente ativo, executando o trabalho de modo sobrenatural. Assim Elohim, “os Deuses”, foi triúno na natureza, formando a Trindade.

segunda-feira, 7 de novembro de 2016

Fóssil de cérebro de dinossauro revela complexidade


Um grupo de paleontólogos de várias universidades britânicas, entre elas as de Oxford e Cambridge, analisou o primeiro fóssil de cérebro dos répteis pré-históricos [sic] já encontrado. E embora depois de alguns [supostos] milhões de anos a aparência do órgão esteja mais próxima da de um pedra, não há nada que indique que os dinossauros eram mesmo cabeças-duras. O fragmento provavelmente pertenceu a um parente próximo do Iguanodon, um dinossauro herbívoro de grandes dimensões que viveu há cerca de 125 milhões de anos [segundo a cronologia evolucionista]. “O mais impressionante é que algo tão delicado quanto o tecido cerebral, que ninguém jamais esperou encontrar, foi preservado”, afirmou Alex Liu, da Universidade de Cambridge, ao jornal britânico The Guardian. “Isso diz muito sobre a qualidade de preservação que pode ser obtida com o registro fóssil, mesmo 133 milhões de anos após a morte do ser vivo.” [Um baita sic.]

Até hoje, todas as hipóteses disponíveis sobre o cérebro dos dinossauros se baseavam no formato dos fósseis de crânios e mandíbulas encontrados e no sistema nervoso de seus parentes modernos, os répteis e as aves [sic]. As informações disponíveis levavam a crer[sim, crer] que pelo menos metade da caixa craniana fosse ocupada por uma grossa membrana protetora, mas análises preliminares no fóssil incomum indicam que essa espécie de película, chamada “meninge”, media na verdade apenas alguns milímetros.

O resultado é que sobra mais espaço para o cérebro em si, e, nesse caso, mais massa cinzenta pode significar mais inteligência. Outra possibilidade é que o herbívoro tenha morrido de ponta-cabeça. Nesse caso, o cérebro poderia ter comprimido a meninge, o que explicaria a menor espessura. [Quanta imaginação!]

Outro grande mistério é qual conjunto específico de condições físicas e químicas teria permitido a preservação de um dos órgãos mais delicados dos animais vertebrados por milhões de anos. É provável que ele tenha morrido com a cabeça mergulhada em um lago com pouco oxigênio e muita acidez, o que permitiu que o tecido se mineralizasse antes de apodrecer [quanta imaginação2]. O fóssil foi encontrado por um caçador de dinossauros amador em 2004.


Nota: A fim se escapar da conclusão óbvia de que complexidade é percebida ao longo de toda a coluna geológica, ou seja, desde que a vida foi criada, e de que somente em condições específicas de soterramento rápido sob lama fósseis podem ser produzidos, os evolucionistas apelam para histórias mirabolantes, como a do dinossauro que morreu com a cabeça dentro da água ou do cérebro que esmagou a meninge. Fez-me lembrar da certidão de óbito da Lucy. [MB]

quarta-feira, 2 de novembro de 2016

Discrepância entre Marcos e João Quanto ao Momento da Crucificação?

 Afinal, em que hora Jesus foi crucificado: na hora terceira (Marcos 15:25) ou na hora sexta (João 19:14)?
Os exegetas bíblicos ainda não chegaram a um acordo quanto à cronologia dos momentos finais de Jesus desde que foi entregue a Pilatos até Sua morte, algumas horas depois, numa cruz no monte do Calvário.
O que é claro é o fato de que Jesus foi entregue a Pilatos bem cedo naquela sexta-feira, 15 de Nisã, mas sem uma hora precisa. Mateus diz que foi “ao romper o dia” (27:1, 2); para Marcos, foi “logo pela manhã” (15:1); Lucas fala que foi “logo que amanheceu” (22:66; 23:1), e João menciona que foi “cedo de manhã” (18:28, 29).
Dos quatro evangelhos, somente os sinóticos (Mateus, Marcos e Lucas) mencionam que houve trevas sobre a Terra desde a “hora sexta até a hora nona” (Mt 27:45; Mc 15:33 e Lc 23:44) – pelo nosso horário, das 12 às 15 horas, e que Jesus morreu na “hora nona”, ou seja 15 horas (Mt 27:45-50; Mc 15:33-37; Lc 23:44-46). Contudo, nem Mateus nem Lucas mencionam a hora da crucificação.
O mais complicado é harmonizar Marcos e João quanto ao momento ou hora da crucificação de Jesus. Enquanto Marcos diz que ela ocorreu na “terceira hora” (15:25) – 9 horas da manhã, pelo nosso modo de calcular as horas, João diz que foi “cerca da hora sexta” que Pilatos entregou Jesus para ser crucificado (19:14-16) – ou seja, por volta de 12 horas. Como, pois, entender essa aparente discrepância? O fato é que a maioria dos intérpretes bíblicos crê que a razão está com Marcos.
O Comentário Adventista (SDABC, v. 5, p. 549, em inglês), diz que, em João 19:14, esse apóstolo empregou o método romano (e o nosso) de calcular as horas. Assim, a expressão “cerca da hora sexta”, nessa passagem, indicaria 6 horas da manhã, momento em que Pilatos se dirigiu aos judeus e exclamou: “Eis aqui o vosso rei” (19:14) e, a seguir, entregou Jesus para ser crucificado (19:16). No entanto, esse mesmo comentário afirma que as outras horas mencionadas por João, em seu evangelho, são horas segundo o modo judaIco de contá-las. (Para saber as horas em nosso modo de contá-las, acrescente 6). Assim, nesse comentário é dito que a “hora sétima” (em 4:25) seria “perto de 13 horas” (v. 5, p. 944) , a “hora décima” (em 1:39) seria “cerca de 16 horas” (v. 5, p. 910). No entanto, deve-se perguntar por que João empregaria a maneira judaica quanto às demais horas mencionadas em seu evangelho e abriria exceção para a “hora sexta” (em 19:14), empregando a maneira romana de contá-las?
Cremos, porém, ser mais coerente entender que João, com a expressão “cerca da hora sexta” (19:14) para a crucificação de Jesus esteja empregando a contagem judaica, indicando perto do meio dia, talvez por volta das 11 horas. Deve-se mencionar também que não se pode dizer que Marcos, com a expressão “terceira hora” (15:25), pretendesse indicar a hora exata, sem faltar nem passar um minuto sequer. Seria mais prudente entender tanto a “terceira hora” de Marcos quanto a “hora sexta” de João como horas aproximadas. Assim, a crucificação de Jesus teria ocorrido em algum momento entre as 9 e 12 horas daquela manhã de sexta-feira. Nesse sentido, deve-se observar que os horários quanto aos eventos da prisão, julgamento e morte de Cristo têm importância relativa. O mais importante é o fato de que, por meio daquela morte, a salvação se tornou possível e disponível a todo aquele que a desejar. Está você entre aqueles que têm se valido do sacrifício feito no Calvário e aceitado Jesus como seu Senhor e Salvador? Se sim, a vida eterna lhe está assegurada. Se não, por que não fazê-lo agora?
Por Ozeas C. Moura, doutor em Teologia Bíblica e professor no Salt Unasp – Campus 2, Engenheiro Coelho, SP. E-mail: ozeas.moura@unasp.edu.br

quinta-feira, 27 de outubro de 2016

Os 14 grupos que deixarão a igreja antes da segunda vinda de Cristo


“Sacudidura” é uma palavra figurativa usada em nossa igreja que designa uma experiência especial de seleção entre o povo de Deus. A palavra vem do ambiente agrícola. Após a colheita, os grãos são peneirados e sacudidos, método que descarta os grãos quebrados e a palha é soprada para fora.
"Vou dar ordem e vou separar os bons dos maus em Israel, como quem separa o trigo da casca, sem perder um só grão." (Amós 9:9)

A sacudidura escatológica, conforme ensinam os adventistas, é um período que acontecerá antes da segunda vinda de Cristo, finalizando com o término do juízo investigativo no santuário celestial (fechamento da porta da graça), abrangendo tanto indivíduos como grupos.
“A sacudidura deve em breve acontecer para purificar a igreja.” (Carta 46, 1887, p. 6)

Quem são os que deixarão a Igreja, sob a ação da sacudidura, identificados de forma geral sob as figuras do “joio”, “palha” e “mornos”? Em diferentes fontes, nos escritos de Ellen White, encontramos pelo menos 14 grupos que, eventualmente, deixarão a igreja:

1. Os autoenganados (Testemunhos para a Igreja, v. 4, p. 89, 90; v. 5, p. 211, 212).

2. Os descuidados e indiferentes (Testemunhos para a Igreja, v. 1, p. 182).

3. Os ambiciosos e egoístas (Primeiros Escritos, p. 269).

4. Os que recusam sacrificar-se (Primeiros Escritos, p. 50).

5. Os orientados pelo mundanismo (Testemunhos para a Igreja, v. 1, p. 288).

6. Os que comprometem a verdade (Testemunhos para a Igreja, v. 5, p. 81).

7. Os desobedientes (Testemunhos para a Igreja, v. 1, p. 187).

8. Os invejosos e críticos (Testemunhos para a Igreja, v. 1, p. 251).

9. Os fuxiqueiros, que acusam e condenam (Olhando Para o Alto, p. 122).

10. A classe conservadora superficial (Testemunhos para a Igreja, v. 5, p. 463).

11. Os que não controlam o apetite (Testemunhos para a Igreja, v. 4, p. 31).

12. Os que promovem desunião (Review and Herald, 18 de junho de 1901).

13. Os estudantes superficiais das Escrituras (Testemunhos para Ministros, p. 112).

14. Os que perderam a fé no dom profético (Mensagens Escolhidas, v. 3, p. 84).

Dois fatos aqui são convergentes. Primeiramente, a ampla variedade desse catálogo. Em segundo lugar, todas essas categorias estão hoje representadas na igreja.

"Ao aproximar-se a tempestade, uma classe numerosa que tem professado fé na mensagem do terceiro anjo, mas não tem sido santificada pela obediência à verdade, abandona sua posição, passando para as fileiras do adversário." (O Grande Conflito, 608)

Novamente, a ênfase é colocada no fato de que são os infiéis que abandonarão a igreja.
"Ele, porém, respondeu: Toda planta que meu Pai celestial não plantou será arrancada." (Mateus 15:13)

No texto acima, Jesus nos adverte contra as heresias teológicas do rigorismo farisaico como plantas que Deus não plantou. As heresias, contudo, não se limitam às doutrinas. Há também as heresias do comportamento, que serão também eliminadas.

"Introduzir-se-ão divisões na igreja. Desenvolver-se-ão dois partidos. O trigo e o joio crescerão juntos para a ceifa." (Mensagens Escolhidas, vol. 2, p. 114)
"É uma solene declaração que faço à igreja, de que nem um entre vinte dos nomes que se acham registrados nos livros da igreja, está preparado para finalizar sua história terrestre, e achar-se-ia tão verdadeiramente sem Deus e sem esperança no mundo, como o pecador comum." (Eventos Finais, p. 172)
O extraordinário a respeito desse processo é que ele ocorrerá naturalmente, como resultado da incompatibilidade fundamental entre a verdade e tudo aquilo que é contrário a ela. Nosso desafio é

"Quando a religião de Cristo for mais desprezada, quando Sua lei mais desprezada for, então deve nosso zelo ser mais ardoroso e nosso ânimo e firmeza mais inabaláveis. Permanecer em defesa da verdade e justiça quando a maioria nos abandona, ferir as batalhas do Senhor quando são poucos os campeões - essa será nossa prova. Naquele tempo devemos tirar calor da frieza dos outros, coragem de sua covardia, e lealdade de sua traição." (Testemunhos Seletos, vol. 2, p. 31)

A purificação da igreja virá, mas administrada pelo Senhor da igreja.

"Mas quem suportará o dia da Sua vinda? E quem subsistirá, quando Ele aparecer? Porque Ele será como o fogo do ourives e como o sabão dos lavandeiros. E assentar-Se-á, refinando e purificando a prata; e purificará os filhos de Levi, e os refinará como ouro e como prata." (Malaquias 3:2 e 3)

quarta-feira, 19 de outubro de 2016

Homossexualismo: O pecado e a missão da igreja

Resultado de imagem para Homossexualismo: O pecado e a missão da igreja

Conceitos Prévios

A Homossexualidade, definindo com simplicidade, é uma conduta que se manifesta na prática do relacionamento sexual entre pessoas do mesmo sexo. A palavra “Homossexual” foi utilizada pela primeira vez em 1869 pelo escritor vienense Benkert, tratando de demonstrar que as pessoas que seguiam essa conduta constituíam um terceiro sexo1. Em 1870, o termo “homossexual” foi introduzido na literatura médica pelo psiquiatra Westphal, ao descreve-lo como um tipo de doença da personalidade2.  S. Freud, considerou como aberração, todo desvio da relação sexual que não alcance seu fim normal, ou seja a “conjunção dos genitais”3.

O uso do termo “homossexual”, gerou outros, que se tornaram necessários para definir atitudes pessoais diante dessa conduta.  Assim, o termo “homofilia” define a atitude de quem aceita a conduta homossexual, e o termo “homofobia”, define o comportamento de quem é contrário a essa conduta.  Até alguns anos atrás, do ponto de vista da Psicologia, a homossexualidade era considerada como desvio sexual, comparado ao incesto, fetichismo, exibicionismo, sadismo, etc.,  por causar sensação de culpa, ansiedade ou desconforto.  Mas, recentemente a Associação Americana de Psiquiatria, retirou a Homossexualidade masculina e o Lesvianismo feminino, da lista  de desvios sexuais, por considerar que essas práticas não provocam nenhum distúrbio do tipo psicológico4.

O Homossexualismo na Sociedade e na Igreja

Entre os anos de 1948 a 1953, o Dr. Alfred Kinsey entrevistou ao redor de 18.000 pessoas do sexo masculino de diferentes lugares dos Estados Unidos para descobrir a intensidade da tendência homossexual.  Encontrou que 4% dos entrevistados eram exclusivamente homossexuais e que nunca se uniram a uma mulher, e um total de 37% tiveram ao menos uma experiência homossexual entre a adolescência e a idade adulta5. Outras pesquisas recentes mostram que a porcentagem dos envolvidos é relativamente a mesma, em muitas partes do mundo;  no entanto, o aparente aumento de casos de homossexualismo deve-se à liberdade de discussão do problema e ao auto reconhecimento dos implicados.

A liberdade de discussão sobre o tema do homossexualismo tem gerado em alguns países, mudanças no comportamento social do seus habitantes. Os integrantes de grupos de homossexuais participam de manifestações públicas reivindicando direitos e igualdades sociais. Nos parlamentos promovem modificações das normas constitucionais, como na Inglaterra onde a homossexualidade é um ato legal se praticado a partir dos 16 anos de idade; na Dinamarca e nos países baixos, o casamento entre homossexuais já é oficialmente reconhecido.

Adeptos e defensores da prática da homossexualidade dos diferentes segmentos da sociedade e principalmente de líderes das diversas tendências religiosas, levantam a sua voz em favor dessa conduta. Caberia afirmar que essa atitude se torna evidente entre as personalidades eclesiásticas devido ao aumento de homossexuais entre os membros das suas respectivas comunidades.  Uma pesquisa realizada por prestigioso jornal do Brasil, revelou que 60% de espíritas kardecistas são a favor da legalização da união civil entre homossexuais; seguindo essa tendência estão: 38% de católicos; 22% de evangélicos pentecostais; 21% de evangélicos não pentecostais[vi].  Robert Goss, teólogo evangélico norte-americano, propõe no livro da sua autoria: Jesus Acted Up:  A Gay and Lesbian Manifesto, a fundação de “comunidades eclesiais de base”, por pessoas homossexuais[vii].

Ao que todo parece, a bandeira em defesa do homossexualismo é desfraldada por teólogos da Igreja Luterana, através de diferentes estudos e discussões sobre o assunto. Em 1986 a Lutheran Church in America enviou a suas respectivas comunidades um estudo relativo à homossexualidade; em 1989 seguiu-se um estudo com o título: Podemos falar a respeito?; que foi seguido por um manifesto favorável a essa conduta, sob o título: A sexualidade humana e a fé cristã6.  Devido ao número crescente de pessoas homossexuais que assistem  a reuniões religiosas nas diferentes igrejas dos EE.UU., a discussão sobre o tema provoca acalorados debates que envolvem defensores e críticos ferozes, todos usando textos bíblicos para explicar suas convicções.  O reverendo Edward Kemp da Igreja Unida de Cristo, conseguiu que essa denominação eclesiástica aceitasse a união de casais homossexuais.  Uma facção da Igreja dos Santos dos Últimos Dias, organizou um grupo que abriga homossexuais mormons. O reverendo Greg Deil da igreja Metodista de Chicago, afirma que 30% da sua paróquia é homossexual.  Derek Rawcliffe, que ocupou na Igreja Anglicana, o cargo de Bispo de Glasgow, na Escócia e que na atualidade exerce a posição de bispo-assistente de Ripon, declarou numa entrevista ao vivo na TV sua condição de ser homossexual e acrescentou que “há centenas de padres gays  na igreja, tanto na anglicana como na católica”7.

Apesar de que o Papado através de declarações do cardeal Joseph Ratzinger condene as relações entre homossexuais, padres que assumem essa posição se organizam para buscar reconhecimento da hierarquia da Igreja Católica. Assim por exemplo, na Alemanha onde existem entre 3.800 a 4.500 padres homossexuais, de um total de 19.000 religiosos no país, já foram criados 14 Grupos de Padres Católicos Homossexuais da Alemanha. Hanspeter Heinz, professor de Teologia Pastoral da Universidade de Ausburg, lançou um livro defendendo a ordenação de padres homossexuais sob o argumento de que 20% dos religiosos católicos tem predisposição homossexual8. O arcebispo Desmond Tutu, da África do Sul é favorável à aceitação de homossexuais nas comunidades e até na hierarquia católica. Por outra parte a Conferência Central de Rabinos Americanos, que não esconde o fato de ter entre seus membros rabinos homossexuais, decidiu apoiar a legalização de casamentos civis entre pessoas do mesmo sexo9.

Argumentos para Derrubar o “Tabu”

Os defensores da liberalidade do homossexualismo na sociedade contemporânea, principalmente dentro dos grupos religiosos, fundamentam sua argumentação na consideração de que a prática da homossexualidade no passado era um “tabu” que o mundo atual não mais reconhece10. Afirmam que a perseguição feroz dos homossexuais por parte da Igreja na Idade Média, foi um “erro trágico e um pecado diante de Deus”11.

Os mesmos defensores do homossexualismo, mediante uma interpretação histórico-crítica do texto bíblico, ponderam que o propósito da sexualidade,  orientada originalmente para a procriação, não pode mais permanecer vigente num mundo com superpopulação12. Os homófilos afirmam que a  sexualidade deve ser um meio de comunicação para expressar o amor romântico entre pessoas de qualquer sexo13 e até sugerem praticar uma forma de koinonia onde as pessoas poderiam conviver em comunidades de 10 a 20 integrantes, compartilhando seus bens, conhecimentos, experiências, tempo de lazer e sem dúvida, o prazer sexual14.

Consideram também, numa tentativa de fazer exegese de alguns textos bíblicos, que Jesus não via nenhum mal na prática do homossexualismo, pois não existe nenhuma condenação por parte do Redentor15, pelo contrario, Seu propósito era desmantelar o sistema legalista que imperava naquele tempo.  De igual modo, os homófilos sustentam que Paulo ao proferir condenação sobre os homens que deixaram o contato “natural” da mulher (Rom. 1:27), o fazia em relação ao costume da época, diferente da atual, onde o homossexualismo já faz parte da tradição do mundo contemporâneo16.   Com igual ponderação, sustentam que “se a homossexualidade é uma característica intrínseca do ser, … ela deve ser aceita como parte da criação de Deus”17.  Nessas condições acrescentam que as “pessoas homossexuais são imagem de Deus. Pela fé …  todas as pessoas cristãs que crêem são santas e justas …”18.

Causas Aparentes do Homossexualismo

Existe quase uma inibição por parte das ciências, cujo objeto de estudo é o Homem, para elucidar as causas da Homossexualidade.  Mesmo assim, dentro do campo da Biologia e da Psicologia surgem alguns estudos que poderiam explicar a causa do comportamento homossexual.

As ciências biológicas apresentam casos de anomalias anatômicas de estruturas sexuais de origem genética e hormonal que poderiam levar uma pessoa à prática da homossexualidade. Essas anormalidades se evidenciam principalmente, pela presença de caracteres sexuais, feminino e masculino, num mesmo indivíduo. A literatura médica é cuidadosa em relacionar essas anomalias com a homossexualidade; mesmo assim, já são numerosos os casos em que a cirurgia interveio para definir finalmente o sexo de uma pessoa afetada.  Os casos de origem genético mais destacados são: o Síndrome de Klinefelter e os distúrbios do desenvolvimento sexual.  No primeiro caso a incidência é de aproximadamente 1 em cada 800 nascimentos masculinos19. Os afetados com essa anormalidade pertencem ao sexo masculino e são geralmente “altos e magros, com membros inferiores relativamente longos.  Parecem fisicamente normais até a puberdade, quando os sinais dehipogonadismo20 se tornam obvios”21. Pode ocorrer ginecomastia22, o que produz no paciente uma relativa forma física feminina.

Os casos de distúrbios de desenvolvimento sexual recebem também o nome de Intersexos por que se caracterizam pela presença de órgãos sexuais,  masculino e feminino, num mesmo indivíduo. Um caso, embora não muito freqüente, desse tipo de distúrbio é o Hermafroditismo verdadeiro,  caracterizado pela presença de tecidos ovarianos e testiculares no mesmo paciente23.

Os distúrbios de desenvolvimento sexual de origem hormonal, segundo o registro clínico, se manifestam de forma e intensidade variadas, dependendo da maior ou menor atividade dos hormônios gonadotrópicos, ou seja, dos que atuam sobre as estruturas do aparelho reprodutor. Os mais caracterizados são o Pseudo-hermafroditismo e o Hipogonadismo.  O Pseudo-hermafroditismorecebe esse nome por apresentar um único tipo de tecido gonadal, podendo ser masculino ou feminino. O tipo masculino mas representativo é o Síndrome da Insensibilidade aos androgênios ou hormônios masculinizantes.  Na literatura médica é conhecido também com o nome de Feminização Testicular. Nesse caso o paciente é do sexo masculino, com testículos de aspecto normal até a puberdade, fase quando o afetado apresenta feminização total dos caracteres secundários24.

O Hipogonadismo se manifesta com a falta de crescimento do aparelho reprodutor masculino causando baixa produção ou carência de hormônios sexuais masculinos. Essa deficiência, na fase da puberdade, anula o aparecimento dos caracteres sexuais secundários masculinos.  A voz adquire um timbre agudo, persiste a morfologia infantil e, pode ocorrer ginecomastia e obesidade na cintura25.

Pesquisas recentes, realizadas especificamente para detectar estruturas celulares ou de tecidos como sendo as possíveis causas da homossexualidade, apontam alguns indícios, embora sem provas conclusivas.  O Dr. Roger Gorski, da escola de medicina da Universidade da Califórnia e o Dr. Simon Le Vay, definem que a estrutura cerebral conhecida como INAH-3 é maior nos cérebros dos homossexuais.  Por sua vez Dean Hamer e sua numerosa equipe no Instituto Nacional do Câncer nos EUA, mostrou que a região do cromossomo X, identificada como Xq28, e´ mais destacada entre homossexuais.  Mesmo assim, a demonstração dessas evidências e seus efeitos, está distante de obter plena aceitação pela sociedade científica mundial.

Dentro do campo da Psicologia, duas correntes pretendem identificar a causa da prática da homossexualidade.  Uma, considera que a homossexualidade é uma atitude enquadrada dentro dos parâmetros da normalidade, já que se considera que não é compulsiva, não provoca sentimento de culpa nem traumatismo qualquer.  O indivíduo homossexual basicamente sente-se confortável com sua atração pelos membros do mesmo sexo.  Se ocorre um desajuste psíquico será “devido às pressões de rejeição da família, dos empregadores e da sociedade em geral”26. A outra, é a explicação que Sigmund Freud dá em relação ao assunto, baseado no complexo de Édipo.N.Wright destaca a posição de Freud sobre a sexualidade, a qual se reduz à “função de obter prazer de zonas do corpo”27.  Por essa razão, o recém nascido, em contato com o corpo da mãe desenvolve em forma constante sua sexualidade.Essa atitude persiste na infância, transformando-se em traumatismo quando na adolescência; mais adiante o jovem incapaz de renunciar à mãe como objeto sexual, se identifica com ela ao ponto de ocupar seu lugar, buscando objetos para amar e cuidar como ele o foi anteriormente.

A Qualificação Bíblica dada ao Homossexualismo

Apesar de que a tendência atual, baseada em conceitos sociais e psicológicos, seja do reconhecimento da homossexualidade como uma simples preferência e não um distúrbio;  a definição Bíblica ainda é a qualificação mais adequada para tratar esse assunto. No livro de Levíticos encontra-se definido o caráter pecaminoso do ato:  “Não te deitarás com varão como se fosse mulher;  é abominação” (Lev. 18:22);  mais adiante o mesmo livro refere a sentença imposta aos que se tornam transgressores por não ouvir esse preceito:  “Se um homem se deitar com outro homem, como se fosse com mulher, ambos terão praticado abominação; certamente serão mortos;  o seu sangue será sobre eles” (Lev. 20:13).

O texto de Lev. 18:22, não é simplesmente o estabelecimento legal, em forma de proibição, de uma norma de comportamento;  nem sequer institui um procedimento cultual de maneira que a proibição possa atingir unicamente aos santos, sendo liberada à grande massa de pessoas que forma o povo de Deus.  Mais do que implantar uma norma, esse texto estabelece um princípio. É o ponto de partida do qual deriva o adequado comportamento baseado no respeito entre pessoas de sexos diferentes.  Como princípio, estabelece a relação íntima que deve existir entre seres criados diferentes através do sexo;  estabelece também a fonte da qual deriva ou se perpetua o ser.  Esse princípio determina que a relação sexual deve ser para unir intimamente homem e mulher, tendo como finalidade a procriação.

O termo hebraico (zakar) que aparece no texto de Lev. 18:22, o qual é traduzido como homem, tem um significado relacionado estreitamente com a atividade sexual.  Devemos notar a diferença de sentido desse termo com as outras palavras que aparecem na Bíblia hebraica e que são traduzidas por “homem”. O termo ’adam, significa o ser humano, alguém, coroa da criação, espécie humana; ’ish, tem a conotação genérica, diferente de mulher, marido, identificador de atividade como “homem do campo”;  ’enosh, significa ser vulnerável, inferior, mortal;  geber,  transmite a idéia de ser poderoso, vencedor, homem forte;  mat, é usado para descrever homens de má reputação, falsos, iníquos.

O termo zakar, que aparece no texto mencionado acima,  indica a masculinidade em relação ao sexo, em geral identifica o macho de humanos e animais28.  É usado em Gen. 1:27 e 5:2 para definir a parceria sexual com a mulher;  também aparece em  Gen. 17:10; 34:15; Ex. 12:48 e outros para identificar quem deve participar do rito da circuncisão;  em Num. 31:18, 35; Jz. 21:12 o uso do termo é para referir-se ao parceiro masculino nas relações sexuais normais. Dessa maneira o texto de Levíticos ao que fazemos referência, é uma alusão à sexualidade masculina que deve ser usada segundo o princípio divinamente estabelecido, sendo proibida a prática incorreta.  Da mesma forma, na sentença que aparece em Lev. 20:13 o transgressor do preceito é identificado com o termo zakar, com o qual não permanecem mais dúvidas em relação ao ato que está sujeito a condenação, ou seja a união sexual de parceiros do mesmo sexo.

No Novo Testamento, o apostolo Paulo faz referência ao passado pecaminoso da humanidade, assinalando que os “homens também, deixando o contato natural da mulher, se inflamaram mutuamente em sua sensualidade, cometendo torpeza, homens com homens…” (Rom. 1:27).  O próprio apóstolo sentencia em outra epístola, que “os injustos não herdarão o reino de Deus … nem impuros,  nem idólatras, nem adúlteros, nem efeminados, nem sodomitas, nem ladrões, nem avarentos …” (1 Cor. 6:9).  Esses textos claramente indicam que a vigência do princípio pelo qual existe a diferença sexual, permanece durante o cristianismo e se projeta como qualificativo da salvação, para a eternidade.

O termo usado pelo apóstolo Paulo em Rom 1:27 e que é traduzido por homem é arsenes, que tem o sentido de varonilidade, masculinidade, relativo ao sexo.  A comparação com outros termos gregos que aparecem na Bíblia e são traduzidos por “homem”, permitem destacar mais o sentido da palavra usada por Paulo no texto indicado.  Assim, o termo anthropos, faz referência ao ser humano, amigo;  o termo aner, serve para identificar o homem adulto, o noivo, o marido.  A ênfase imposta pelo apóstolo para qualificar o ato pecaminoso está no uso do termo arsenes, pois faz referência ao homem com seus atributos de sexualidade, usados indevidamente.  Igualmente ao elaborar a lista de práticas pecaminosas que excluirão seus adeptos, do reino celestial, o  apóstolo usa a palavra gregaarsenokoitai, traduzido por “sodomitas”.  Essa palavra está composta do termo arsenes, “homem macho”  e do termo koito, o “ato sexual”.  Dessa maneira podemos inferir que Paulo se referia aos homens que ostentam  característica  sexual masculina, usando esse atributo em forma indevida.

A Missão da Igreja

Jesus deixou claramente estabelecida a missão que devem cumprir seus fieis seguidores, organizados em Igreja. Usando o tempo imperativo, disse:  “Ide, portanto, fazei discípulos de todas as nações, batizando-os em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo;  ensinando-os a guardar todas as cousas que vos tenho ordenado …” (Mt. 28:19,20).  Nessas palavras estão sintetizadas todas as atividades a serem desenvolvidas pela igreja com a única finalidade de preparar um povo santo para o Céu.  No cumprimento dessa missão a Igreja enfrenta toda gama de obstáculos que tentam impedir de alcançar a sua finalidade.  Um desses obstáculos é a crescente tendência libertina da imoralidade, principalmente de expressões irrestritas do homossexualismo.

Vimos neste estudo, apesar do silêncio manifestado pela medicina, que existem algumas anormalidades relacionadas com a sexualidade, razão pela qual pessoas do sexo masculino afetadas, poderiam apresentar comportamento efeminado, .  Essas pessoas devido a essas características, em geral sofrem discriminação e facilmente são levadas a constituir grupos com outras semelhantes e dessa maneira praticar o homossexualismo.  Devemos esclarecer que a Bíblia não condena ninguém por suas deficiências físicas ou anormalidades de qualquer índole.  A condenação Bíblica é para os que praticam atitudes contrárias aos preceitos estabelecidos.  Dessa maneira podemos inferir que a sentença não exclui a quem, devido a suas anomalias fisiológicas e estruturais, sendo do sexo masculino, manifesta atitudes tipicamente femininas.A exclusão é para quem pratica o homossexualismo.

Da manifestação de atitudes tipicamente femininas por parte de um jovem, à prática da homossexualidade, por parte do mesmo; há uma distância considerável.  Um jovem que padece de tal tipo de distúrbio, pode nunca ter tido uma experiência de relacionamento homossexual.  Essa prática está relacionada com a tendência sexual que na linguagem freudiana é conhecida como libido, condicionada à maturidade geral do indivíduo.Segundo Kretschmer, “a tendência sexual é um produto … de um ciclo causal bastante complicado onde participam o cérebro, a medula e as glândulas em geral”29.  Essa tendência, ou seja a libido, quando manifestada com intensidade, pode levar a deturpações do comportamento sexual. Cabe enfatizar que atitudes femininas manifestadas principalmente por adolescentes do sexo masculino e que freqüentam uma igreja, não significam que o tal seja necessariamente um indivíduo homossexual.  Esse comportamento, se observado pelos líderes da igreja, pode ter uma razão fisiológica ou anatômica.  O reconhecimento desse problema no entanto, pode ser traumático para os familiares, mas o líder da igreja, consciente das suas funções, fazendo uso de muita cautela e sabedoria  pode convencer os parentes para requerer o auxilio médico correspondente.  Verificada a raiz que gera essa tendência, será necessário compartilhar com outros membros da comunidade eclesiástica, a explicação clínica do caso.  De qualquer forma o vital do problema é evitar o preconceito velado, que produz discriminação e que pode levar o paciente a procurar seus semelhantes e dessa forma, ser conduzido à prática do homossexualismo prematuro.  Para alívio do problema, a incidência de casos de anormalidade fisiológica e estrutural em pessoas do sexo masculino e que poderiam levar à prática da homossexualidade é pequena.

O cerne do problema, no entanto, está na elevada porcentagem de pessoas do sexo masculino que praticam a homossexualidade sem serem portadores de nenhuma anormalidade física que os induza a manifestar tal conduta.  Norman L. Geisler, no seu tratado sobre ética afirma que a homossexualidade é um mal “porque coloca a única relação marido e mulher entre dois que não podem ser marido e mulher”30.  Fazendo referência novamente aos resultados obtidos por Alfred Kinsey, onde 37% dos entrevistados por esse pesquisador admitiram que tiveram ao menos uma experiência de homossexualismo, se deduz que a maioria são pessoas que foram levadas a tal prática, por forças semelhantes às que induzem um indivíduo à bebida, ao tabaco, ao uso de drogas, as jogatinas, ou a quaisquer vício humano.  Em outras palavras, pelas forças que operam a tentação e o pecado.  Esta asseveração está baseada na consideração Bíblica sobre o caráter pecaminoso de tais práticas e que resultam em condenação (1 Cor. 6:9,10).

Não existindo uma causa física ou psíquica aparente que estimule a conduta homossexual entre pessoas do sexo masculino, deve-se considerar que essa prática é devida ao cultivo de um hábito pernicioso.  Muitos jovens se tornam homossexuais inveterados, da mesma forma do que um bêbado ou um dependente de drogas;  levados unicamente pela atração inconsciente a novas aventuras que no final resulta na formação de um mal hábito.  A homossexualidade, vista com a lente bíblica,  é uma prática pecaminosa e deve ser evitada e tratada como qualquer ato dessa natureza.  Em certos casos a recuperação pode ser imediata mas, noutros pode criar-se uma esfera de pessimismo. A expressão Bíblica sugere manter confiança no poder sobrenatural por que outros que sofriam desses males, foram lavados, santificados, justificados, “em nome do Senhor Jesus Cristo” (1 Cor. 6:11).

O papel do líder da igreja, neste como em todos os demais casos em que lhe cabe enfrentar esse tipo de hábitos deve ser o de prevenir o mal.  O pastor da igreja sabe que sua função fundamental é a redenção dos que a ele lhe são confiados.  Será de bom empenho fazer referência aos males da sociedade moderna protegendo sua comunidade, da contaminação do mundo.  Não deve contar nesse serviço unicamente com suas habilidades e recursos individuais;  deve sim requerer de Deus a sabedoria e toda inspiração para vencer a contenda.

 Referências

1 Theodore ZELDIN,  Uma História Intima da Humanidade, 3. Ed.,  Rio de Janeiro: Record, 1997,. P. 116. ↑

2 Christoph  SCHNEIDER-HARPPRECHT,  “Homossexualidade na Perspectiva da Teologia Prática”, Estudos Teológicos, v. 39, n. 1,  Escola Superior de Teologia da IECLB,  São Leopoldo, RS.  Brasil.  1999, p. 63.  O autor esclarece que a posição de Westphal era a  de considerar o “homossexualismo” como uma doença causada por motivos sociais e biológicos. ↑

3 Freud considera aberrações da relação sexual, o  emprego das mucosas bucais,  o uso do esfinter anal, o fetichismo, e todo ato que substitui o coito normal.  Carmen S. de OLIVEIRA,  “Homossexualidade no Divã”,  Estudos Teológicos, v. 39, n.1.,  Escola Superior de Teologia da IECLB, São Leopoldo, RS.  Brasil.  1999,    p. 54

4 Dennis COON,  Introduction to Psychology.  Explanation and Aplication.  West Publishing Company, California, 1977, p. 494. ↑

5 Nicholas Wright, ed.  Understanding Human Behavior, v. 1,  Columbia House,  New York, 1977. P. 494. O trabalho pioneiro do Dr. Kinsey deu lugar a outras pesquisas relativas ao caso, envolvendo outros especialistas o que resultou na formação do Instituto Kinsey. ↑

6 Folha de São Paulo,  Caderno Mais!, C 4, 18 Janeiro,  1998. ↑

7 Citado por C. SCHNEIDER-HARPPRECHT, op. cit. p. 74. ↑

8 Gottfried BRAKEMEIER, “Igreja e Homossexualidade”. ↑

9 Rogério SIMÕES, corresponsal em Londres da Folha de São Paulo,  Caderno C, p. 8,  9 Abril, 1995.↑

10 Salvador Pane BARUJA,  “Batinas cor-de-rosa”, em Isto é,  n. 1459,  São Paulo, Brasil. 17 Setembro 1997,  p. 110. ↑

11 Patricia DECIA,  “Rabinos reformistas aprovam união civil entre homossexuais”,  em Folha de São Paulo, caderno Mundo,  30 Março 1996,  p. 15. ↑

12 Erhard S. GERSTENBERGER,  “Sexualidade, homossexualismo e convivência”.  Estudos Teológicos, v. 39, n. 1.  Escola Superior de Teologia da IECLB, São Leopoldo, RS,  Brasil,  1999, p. 24. ↑

13 John BOSWELL,  Christianity, Social Tolerance, and Homosexuality, Chicago, 1980.  Citado por  E. S. GERSTENBERGER,  op. cit. p. 25. ↑

14 Nélio  SCHNEIDER,  “ ‘Homossexualidade’ no Novo Testamento”,  Estudos Teológicos, v. 39,  n. 1.  Escola Superior de Teologia da IECLB,  São Leopoldo, RS.  Brasil.  1999,  p. 33. ↑

15 C.  SCHENEIDER-HARPPRECHT,  op. cit.  p.  71. ↑

16 E. GERSTENBERGER,  op. cit.  p. 26. ↑

17 Wanda DEIFELT,  “Os tortuosos caminhos de Deus:  Igreja e homossexualidade”.  Estudos Teológicos, v. 39, n. 1.  Escola Superior de Teologia da IECLB,  São Leopoldo,  RS.  Brasil,  1999,  p. 43. ↑

18 Para os defensores do homossexualismo, “aquilo que é considerado ‘natural’  pela tradição é o que está de acordo com a vontade de Deus” .  N. SCHNEIDER,  op. cit.  p. 30. ↑

19 Wanda DEIFELT,  op. cit.  p. 45. ↑

20 Anete ROESE, “Deus escolheu as cousas loucas… para envergonhar as fortes”,  Trabalho de conclusão de curso da EST,  São Leopoldo, RS.  Brasil, 1997, p. 46.  Citado por W. DEIFELT,  op. cit. p. 45. ↑

21 James THOMPSON &  M. V. THOMPSON,  Genética Médica.  Tradução Paulo ª Motta, UFRJ,  Livraria Atheneu,  Rio de Janeiro, 1976,  p. 170. ↑

22 O hipoganadismo é uma anormalidade testicular que pode existir desde o nascimento, já seja por anomalia genética ou embriológica. ↑

23 THOMPSON & THOMPSON.  Genética Médica.  Editorial Guanabara,  Koogan,  5ª edição.  Rio de Janeiro, 1993,  p.  163. ↑

24 A ginecomastia é caracterizada pelo desenvolvimento excessivo da glândula mamária em pessoas do sexo masculino. ↑

25 O Hermafroditismo verdadeiro pode ser: lateral, onde se verifica a presença do ovário num lado do corpo e  testículo do outro.  Na maioria porém, os dois órgãos coexistem numa única estrutura chamada Ovotestis.  Bernardo BEIGUELMAN.  Genética Médica,  v. 1,  Citogenética Humana,  2da. ed.  Editora EDART,  São Paulo,  1977,  p. 91. ↑

26 M. MAXWELL &  outros.  Medicina Interna,  Tomo I,  4a   Edición Española.  La Prensa Médica Mexicana,  Ciudad de México,  1973,  p. 614. ↑

27 Ibid.  p. 616. ↑

28 D. COON,  op. cit.  p. 495. ↑

29 N.  WRIGHT.  Op. cit.  p. 33. ↑

30 R.  LAIRD HARRIS & outros.  Dicionário Internacional de Teologia do Antigo Testamento,  Sociedade Religiosa Edições Vida Nova,  São Paulo,  1998,  verbete zakar , p.  393. ↑

31 Anotado por Anibal PONCE.  Psicologia de la Adolescendia.  Editora Universitaria,  UTHEA, México, 1960,  pp. 27,28. ↑

32 Norman L. GEISLER.  Ethics, Alternatives and Issues,  Zondervan Publishing House,  Grand Rapid, Michigan.  1971,  p. 204. ↑

▲ TOPO DA PÁGINA