domingo, 25 de junho de 2017

Quem é o “poderoso caçador” Ninrode? (Gênesis 10:8-12)

Resultado de imagem para ninrode

A pessoa de Ninrode é intrigante, e encontramos nos escritos judaicos, cristãos e islâmicos quantidade significativa de especulação a seu respeito. O que o torna intrigante é o fato de que, no quadro das nações (Gênesis 10), ele é a única pessoa sobre a qual temos uma declaração de realizações, embora o que é dito sobre ele seja um pouco superficial. Diremos algo sobre possíveis paralelos históricos, examinaremos o texto bíblico e mencionaremos brevemente algumas especulações pós-bíblicas sobre ele.

1. Ninrode na História
O texto bíblico descreve Ninrode como uma pessoa que viveu na região da Mesopotâmia. Estudiosos tentaram encontrar, sem sucesso, um paralelo no antigo Oriente Próximo que corresponda ao que a Bíblia diz sobre ele. Ele foi identificado com Gilgamés, pessoa que, segundo a literatura babilônica, sobreviveu ao dilúvio. Mas, essa teoria foi rejeitada. O mais popular é encontrar nele traços do deus Ninurta, o deus mesopotâmio da fertilidade. Porém, mais uma vez, os paralelos não são fortes o suficiente para provar o caso. Além disso, o texto bíblico não sugere que ele seja uma divindade. O que sabemos sobre ele é o que as Escrituras dizem.

2. Ninrode na Bíblia
A primeira coisa mencionada pelo texto bíblico é que Ninrode foi “o primeiro a ser poderoso na terra” (Gênesis 10:8, ARA), provavelmente significando que ele foi o primeiro em tal categoria (conforme Gênesis 9:20). A palavra “poderoso” significa, como indica a passagem, que ele era política e militarmente poderoso. Segundo, ele é descrito como “poderoso caçador” (Gênesis 10:9), que significa não apenas que era um bom caçador, mas que também era um conquistador militar poderoso. A frase “diante do Senhor” tem sido difícil de interpretar. A maior dificuldade é decidir quando significa que o Senhor cuidava de Ninrode, ou que Ninrode agia desafiando o Senhor, “contra Ele” (Salmos 66:7). O fato de que Ninrode esteja diretamente associado com Babilônia e com a terra de Sinar infere uma conexão negativa com o Senhor. Além disso, se tomarmos o significado hebraico do nome Ninrode (“nos rebelaremos”), a implicação é que ele se rebelou contra Deus. Se esta interpretação for correta, o provérbio citado no texto: “Pelo que se diz: ‘Ninrode poderoso caçador diante do Senhor’”, estaria se referindo a uma pessoa poderosa agindo contra a vontade de Deus. Terceiro, ele é descrito como a primeira pessoa a estabelecer um reino “o princípio do seu reino” (Gênesis 10:10, ARA). Localizava-se nas antigas cidades de Babel (Babilônia), Ereque, Acade e Calné, na região de Sinar, Baixa Mesopotâmia. De lá Ninrode foi para o norte conquistar terras na Assíria (Gênesis 10:11), Alta Mesopotâmia (veja Miqueias 5:6).

3. Ninrode e as Especulações Pós-Bíblicas
A tradição judaica argumenta que Ninrode foi o primeiro caçador, portanto, a pessoa que introduziu a carne na dieta humana. A tradição diz que ele se envolveu na construção da Torre de Babel (Gênesis 11:1-4), e após o povo ser disperso ele permaneceu em Sinar para construir seu reino. Tanto a tradição judaica como a islâmica indica que havia um relacionamento hostil entre Ninrode e Abraão. A principal razão era que Ninrode era idólatra e Abrão foi chamado pelo Senhor por adorar somente a Ele. Algumas versões das tradições dizem que ele colocou Abraão em uma fornalha tão quente que suas chamas mataram milhares, mas Abraão saiu ileso. Em algumas tradições ele é identificado com Anrafel, um dos reis que atacou Sodoma e Gomorra (Gênesis 14:1) e que foi vencido por Abraão. As tradições e especulações, com raras exceções, descreve Ninrode como um símbolo do mal.

Fiz um resumo de algumas das teorias pós-bíblicas sobre Ninrode para alertá-lo do perigo de ir além do que está escrito. Essas tradições não devem ser usadas para definir convicções pessoais ou para especular sobre o papel profético de Babilônia. Só podemos afirmar o que o texto bíblico diz sobre Ninrode.

Angel Manuel Rodríguez (via Revista Adventist World)

sábado, 24 de junho de 2017

Anjos: O que a Bíblia e o Espírito de Profecia dizem sobre eles

Ajudantes de Deus

Os anjos são chamados de diversas formas na Bíblia. Além da palavra anjo em si, esses seres são chamados de “querubins” e “serafins” (Gênesis 3:24, Ezequiel 10:1, Isaías 6:2, NVI), e a palavra arcanjo é muitas vezes aplicada ao próprio Cristo (1 Tessalonicenses 4:16; apesar de Cristo ser um Ser Divino e, portanto, não um anjo criado). A Bíblia ainda dá nomes pessoais a pelo menos dois anjos: Gabriel e Apoliom (Daniel 9:21, Lucas 1:26; Apocalipse 9:11).

A palavra anjo vem da palavra grega aggelos, que significa “mensageiro”. Muito sobre os anjos é misterioso, mas não o seu trabalho. Eles são ajudantes de Deus.

quarta-feira, 21 de junho de 2017

Entrevista de Rodrigo Silva no programa Todo Seu

Ronnie Von recebe o arqueólogo Rodrigo Silva para falar sobre a polêmica que questiona a existência de Jesus. Doutor em Teologia Bíblica pela Pontifícia Faculdade de Teologia N. S. Assunção (SP), com pós-doutorado em arqueologia bíblica pela Andrews University (EUA), Rodrigo traz alguns objetos, como moedas, botija de vinho e pregos de crucificação, entre outros, como evidências que comprovariam a existência do Cristo.

quarta-feira, 14 de junho de 2017

Armagedom, Terceira Guerra Mundial e a Contenção Divina


Podemos considerar o Armagedom como a terceira guerra mundial?
Muitas teorias especulativas têm sido propostas na tentativa de interpretar o Armagedom mencionado em Apocalipse 16:12-16. Hoje, uma das mais populares é a de que ele será uma guerra nuclear de grandes proporções. Como já ocorreram duas guerras mundiais, e o texto bíblico fala que nesse confronto estarão envolvidos os “reis do mundo inteiro” (verso 14), muitos imaginam que o Armagedom só poderá ser uma terceira guerra mundial. Por mais fascinante e lógica que essa ideia possa parecer, ela não passa de uma teoria especulativa, sem base bíblica.

Conflitos bélicos certamente continuarão existindo, e mesmo se intensificando, até o fim dos tempos (ver Mt 24:6-8). Mas o Armagedom é descrito no livro do Apocalipse como “a peleja do grande Dia do Deus todo-poderoso” (16:14), travada entre os poderes demoníacos da “besta” e dos “reis da terra, com os seus exércitos”, de um lado, e o “Rei dos reis e Senhor dos senhores” e “o seu exército”, do outro (19:16 e 19).

sábado, 10 de junho de 2017

O preconceito do centro apologético cristão de pesquisas em relação ao Adventismo do Sétimo Dia

LEANDRO QUADROS
MARTINEZ, J. F. O caso do articulista Fernando Galli e o adventismo.


O pedido de desculpas do apologista Fernando Galli, responsável pelo Instituto
Apologético Cristo Salva (IACS) e membro de uma Igreja Batista no interior de São Paulo, repercutiu negativamente entre os representantes pelo Centro Apologético Cristão de Pesquisas (CACP). Por exemplo, o pastor e apologista Joaquim de Andrade não se constrangeu em escrever sobre a nova postura de Galli: “Mais um sinal da vinda de cristo: ministério ‘apologético’ pede perdão aos adventistas afirmando que não podem ser considerados uma seita” (ANDRADE, 2016).

Por que um pedido de desculpas causaria tanta polêmica? Por que Fernando
Galli, após se familiarizar devidamente com as fontes primárias que apresentam o real posicionamento teológico adventista, concluiu que seu procedimento em rotular o adventismo do sétimo dia como uma “seita herética” não era apropriado. 

5 formas de arruinar um namoro saudável



De repente, namorar ficou muito difícil. Deve ter havido um tempo em que era fácil – as pessoas sabiam o que se esperava delas e como deveriam se comportar (mesmo que, com muita frequência, elas iam lá e não se comportavam). Mas hoje eu converso com uma fila sem fim de jovens que estão presos entre o namoro, a corte e alguma mistura esquisita das duas coisas. Namorar se tornou a coisa mais difícil do mundo, provavelmente porque existem um milhão de livros e blogs dizendo como fazer. Não se pode mais apenas namorar – tem que namorar do jeito desse ou daquele livro. E, em algum ponto do caminho, o namoro acaba sendo arruinado.

Aqui estão algumas maneiras pelas quais eu já vi pessoas arruinarem o que poderia ter sido algo muito bonito.

Eles começam a fazer sexo. A primeira e principal forma de arruinar um namoro perfeitamente saudável é adicionar sexo à receita. Sexo é para o casamento – vocês sabem disso. Deus criou o sexo para o casamento, não para o namoro. Deus criou o sexo para selar e celebrar a união do casamento, não para experimentar antes dele para saber se é bom ou não. O namoro simplesmente não tem a seriedade, o nível de comprometimento ou a sanção divina para suportar o sexo. Assim, não arruíne seu relacionamento adicionando a menor porção que seja de sexualidade. Haverá bastante tempo para bastante disso mais tarde. Você não vai se arrepender por ter esperado.

Eles deixam de se divertir. Namoro não é hora de sexo, mas é hora de se divertir. É hora de simplesmente aproveitar o tempo gasto junto com a outra pessoa, para aprender quem a outra pessoa é, para aprender o que mexe com a outra pessoa. Isso pode até ser feito de forma deliberada: sentem juntos e façam perguntas um ao outro, leiam livros sobre casamento juntos. Mas talvez a melhor abordagem seja no contexto do serviço (encontrem algo para servirem juntos na igreja!), da diversão (encontrem algo que os dois gostem e façam juntos!) e da informalidade (vocês não precisam planejar absolutamente tudo!). Uma vez que você tirou o sexo dos planos, você é livre para se divertir com a outra pessoa. No contexto da diversão, você vai aprender sobre quem ele ou ela é, o que ele ou ela valoriza e se vocês são compatíveis ou não. Não deixem de se divertir!

Eles sucumbem à introspecção mórbida. Obviamente, o namoro é um período propício a introspecção. É um tempo bom para olhar para dentro e se perguntar se você está pronto para ser um marido ou uma esposa, e pronto para se comprometer completamente com a outra pessoa. Isso é bom. Mas o que eu vejo frequentemente é um nível paralisante de introspecção que leva as pessoas ao desespero. A realidade é que nenhum de nós é completamente qualificado para ser um marido ou uma esposa. Você nunca será digno da honra de ter outra pessoa comprometendo sua vida a você. Nenhum de nós é a melhor escolha dentre as 7 bilhões possíveis no planeta. A maravilha do casamento é que um homem pecador e quebrado pode se casar com uma mulher pecadora e quebrada e, de alguma forma, construírem juntos um relacionamento belo e duradouro que reflete o brilho da glória de Deus e de seu evangelho. Se você esperar até ser digno do casamento, você nunca vai se casar. Se você esperar até estar perfeitamente aceitável, vai esperar para sempre. Você não pode esperar até estar completamente maduro para se casar; às vezes, você precisa se casar para continuar amadurecendo.

Eles mantém expectativas irreais. Se as pessoas são levadas à paralisia quando olham para dentro, elas podem igualmente serem levadas à paralisia quando olham para o cônjuge em potencial. Eu já vi muitas pessoas que tem expectativa irreais a respeito da pessoa com quem gostariam de se casar. Sabe qual é a verdade? Ela não é perfeita. Ela não é a melhor, mais piedosa ou mais bonita pessoa do planeta. Mas quem você pensa que é para pensar que merece tudo isso, o que é isso que você precisa? Quem você pensa que é para pensar “eu mereço mais do que isso?”. E aquele rapaz não é completamente gentil, doce e carinhoso o tempo todo. Mas, novamente, quem é você para merecer o homem perfeito? Todos nós nos casamos sendo pecadores. Todos nós casamos com pecadores. Embora você deva esperar muito do seu futuro cônjuge, é injusto esperar perfeição.

Eles vivem com medo. Se olharmos em busca de algo em comum nas outras formas de arruinar um namoro perfeitamente saudável, penso que encontraremos o medo. Muitas pessoas vivem com medo. Elas tomam as grandes decisões da vida por medo. Mas o namoro é uma época muito boa para se lembrar que servimos a um Deus que é soberano e comprometido com o nosso bem. As instruções dEle a respeito do casamento são básicas: case com um cristão, viva e morra pelo outro e permaneça assim até o fim da vida. Ele não apresenta longas listas de critérios, como você encontra em todos aqueles livros. Ele não descreve uma técnica ou uma metodologia. Ele apenas nos fala sobre o bem e a glória do casamento e espera que aqueles que desejam se casar busquem isso. E assim, de uma forma ou de outra, em meio a alegrias e dificuldades, ele derrama suas bênçãos.

sábado, 3 de junho de 2017

18 perguntas que uma moça deve fazer antes de casar-se

Imagem relacionada
Estas perguntas têm influência vital sobre o bem-estar de toda mulher que entra em matrimônio.

1. Aquele com quem está para unir seu destino, é digno? 
2. Qual é seu passado? 
3. É pura a sua vida? 
4. O amor que ele exprime é de caráter nobre, elevado, ou é simples inclinação emotiva? 
5. Ele tem os traços de caráter que a tornarão feliz? 
6. Poderá ela encontrar verdadeira paz e alegria na afeição dele? 
7. Ser-lhe-á permitido conservar sua individualidade? 
8. Ela terá de submeter seu juízo e consciência ao domínio do marido? 
9. Ela pode honrar as reivindicações do Salvador como supremas? 
10. Serão conservados puros e santos o corpo e a alma, os pensamentos e propósitos? 
11. Ajudar-me-á esta união na escalada para o Céu? 
12. Aumentará meu amor a Deus? 
13. Aumentará minha esfera de utilidade nesta vida? 
14. Passada a novidade do casamento, continuará a amar-me? 
15. Será paciente com os meus erros, ou crítico, despótico e ditatorial?
16. Meu pretendente reconhece suas obrigações para com sua mãe? 
17. Tem consideração para com os seus desejos e sua felicidade? 
18. Se ele não respeita nem honra a mãe, porventura manifestará respeito e amor, bondade e atenção para com a esposa?

O verdadeiro amor é uma planta que precisa ser cultivada. Se estas reflexões não apresentarem nada em contrário, então prossegue, no temor de Deus. Que a mulher que deseja uma união pacífica e feliz, que quer escapar a futuras misérias e tristezas, indague, antes de entregar suas afeições. Receba a jovem como companheiro vitalício tão-somente ao que possua traços de caráter puros e varonis, que seja diligente, honesto e tenha aspirações, que ame e tema a Deus.

(Ellen G. White - Cartas a Jovens Namorados, pp. 24-25)

▲ TOPO DA PÁGINA