quinta-feira, 20 de julho de 2017

O que “Game of Thrones” tem a ver com pornografia?



A pornografia é um assunto tabu no mundo cristão. Poucas pessoas se arriscam a falar do tema. Porém, isso não significa que o assunto não seja importante. É muito importante!

Vou abrir meu coração para vocês: Eu fico muito preocupado com cristãos achando que o conteúdo de esta e outras series e filmes “não afetam” as pessoas. Não se iluda, afeta sim! Tudo o que colocamos na nossa mente, que é parte do Templo do Espírito Santo, afeta nossa vida. Não é à toa que Salomão diz: Acima de tudo, guarde o seu coração, pois dele depende toda a sua vida.” Outra versão: “Tenha cuidado com o que você pensa, pois a sua vida é dirigida pelos seus pensamentos.” O principal é guardar a nossa mente e cuidar as coisas que colocamos lá! Não há dúvidas sobre este assunto!

quarta-feira, 12 de julho de 2017

Geologia e Hidrodinâmica - Adauto Lourenço (Série: Criação x Evolução)


Cosmovisões sobre as origens - Adauto Lourenço (Série: Criação x Evolução)


A Origem do Universo, Cosmologia e Astronomia - Adauto Lourenço (Série: Criação x Evolução)


A Origem da Vida, Biologia e Genética - Adauto Lourenço (Série: Criação x Evolução)


Vida Fora do Planeta Terra - Adauto Lourenço (Série: Criação x Evolução)


sábado, 8 de julho de 2017

Os Dinossauros e o Homem - Adauto Lourenço (Série: Criação x Evolução)

A Origem da Vida, Paleontologia e Datação - Adauto Lourenço (Série: Criação x Evolução)

quinta-feira, 6 de julho de 2017

Conheça os 15 acontecimentos que marcarão o Fim dos Tempos



Algo que fascina e intriga qualquer estudante da Bíblia são as profecias, principalmente aquelas que ainda estão por se cumprir. Como adventistas, temos uma visão muito ampla dos acontecimentos finais da história. Tão ampla que, às vezes, nos perdemos em meio ao grande volume de informações. Para não se confundir, você encontra a seguir uma visão panorâmica dos eventos que antecederão a segunda vinda de Cristo. A sequência não é rígida, mas procura seguir a ordem mais lógica e natural dos acontecimentos mencionados na Bíblia e nos escritos de Ellen White. Momentos difíceis nos aguardam no futuro, mas a felicidade de estar com Jesus compensará tudo.

1. REAVIVAMENTO E REFORMA
Significa a completa mudança de mentalidade, hábitos e práticas entre o povo de Deus. Requisito para a chuva serôdia, só ocorrerá por meio de verdadeira conversão (Jl 2:12; 13, 23, 28, 29). 

domingo, 2 de julho de 2017

Afinal, o que é o perfeccionismo?


Créditos da imagem: Fotolia

Décadas se passaram desde o lançamento de O Ritual do Santuário, por M. L. Andreasen. Mesmo assim, a discussão sobre perfeição cristã não deixa de gerar debates e atrair a atenção dos membros da Igreja Adventista do Sétimo Dia. Enquanto muitos consideram as declarações de Andreasen sobre a perfeição da última geração como perfeccionistas, outros o aclamam como o destemido teólogo da verdade.

Embora o tema da perfeição cristã tenha sido tratado em uma quantidade significativa de publicações, proporcionado amadurecimento teológico sobre o assunto, sua contrapartida – o perfeccionismo – é geralmente tratado de maneira supérflua e passageira. Fato é que, para muitos, perfeccionismo é um assunto ainda confuso. Percebe-se isso quando, em certos casos, alguém na igreja é rotulado de perfeccionista porque se tornou vegetariano, evita alimentos contendo açúcar, deixa de assistir à televisão, ou prefere um estilo de adoração ou educação domiciliar mais ortodoxo. Aparentemente, muitas congregações não têm uma definição clara sobre o assunto, levando certos membros a tratar como algo estranho aquilo que é promovido e ensinado pela igreja.

3 questões que os evolucionistas têm que saber responder

Há mitos evolutivos que se tornaram tão enraizados na cultura ocidental (pelo menos entre a "elite pensadora") que muito de nós nem pára para pensar na mecânica de certas alegações. Uma coisa é dizer que um dinossauro "evoluiu" para um colibri, mas outra é mostrar como é que isso pode acontecer gradualmente e de forma a que o animal sobreviva.

Outra "transformação" que desafia tudo o que se sabe de Biologia é a mitológica evolução dos mamíferos marinhos. Reza a lenda que os mamíferos que se encontram nos mares são "parentes distantes" dos mamíferos que estão em terra, separados apenas pelos mitológicos "milhões de anos" e por algumas mutações:

Conhecemos muito pouco sobre os fósseis de antigas espécies de Golfinhos, e o que se conhece é extremamente incerto. Supõe-se que há cerca de 50 milhões de anos atrás, uma espécie de gato pré-histérico (Mesonychidea), começou a passar mais tempo na água à procura de alimento, e que eventualmente se transformou para melhor se adaptar a esse novo meio ambiente. O regresso à água, trouxe benefícios significantes para os carnívoros terrestres. Os animais marinhos eram uma nova fonte de alimento inexplorada.

As evidências em favor deste mito fazem-se notar pela total ausência, mas deixando isso de parte, há algumas coisas que seria interessante saber:

1) Os mamíferos terrestres são respiradores involuntários, enquanto que os golfinhos não.

Embora possamos, obviamente, conscientemente suspender a respiração, para nós, mamíferos terrestres, respirar é um reflexo que está em larga parte fora do nosso controle cônscio. (Por isso é que ao dormirmos, nós continuamos a respirar). No entanto, os golfinhos e a baleias não são respiradores involuntários. Eles têm que estar conscientes para respirar:

Os golfinhos são conhecidos como respiradores conscientes (ou cônscios), o que significa que eles nunca chegam a adormecer totalmente visto que se o fizerem, eles podem afogar. Devido a isto, quando eles descansam, parte do seu cérebro mantém-se alerta de forma a permitir que eles obtenham facilmente o oxigénio que precisam.

Quando foi que a metamorfose de respirador involuntário para respirador consciente ocorreu? Há alguma evidência fóssil disto?

2) Os golfinhos têm as suas narinas no topo da sua cabeça:

Na maior parte dos mamíferos. a abertura nasal encontra-se localizada perto do topo do focinho. Nos golfinhos modernos, por outro lado, ela encontra-se localizada no topo da cabeça. acima dos olhos.
Como foi que este traço físico evoluiu gradualmente e de forma que permitisse que o animal continuasse a respirar e a sobreviver? Existe algum fóssil que revela um animal "a meio caminho" no que toca a relocalização das narinas para a parte superior da cabeça?

3) Os mamíferos terrestres normalmente dão à luz  em terra enquanto que os mamíferos 100% aquáticos dão à luz debaixo de água (obviamente).

Os mamíferos terrestres, especialmente os maiores, normalmente nascem incapazes de se locomover (pelo menos durante alguns minutos):


Por outro lado, os mamíferos marinhos nascem a saber nadar:



Em que fase da "evolução" é que os recém-nascidos dos mamíferos marinhos começaram a nascer a saber nadar, habilidade sem a qual morreriam à nascença?

Darwinismo

sábado, 1 de julho de 2017

A teologia de Deus e o genocídio cananeu | Walter C. Kaiser Jr.

Resultado de imagem para A teologia de Deus e o genocídio cananeu

Uma das objeções mais frequentes ao ensino veterotestamentário de um Deus justo e amoroso é sua ordem, quando Josué entrava em Canaã com os israelitas, de exterminar da face da terra todos os homens, mulheres e crianças pertencentes às sete ou oito nações cananeias presentes na terra. Para muitos, o ensinamento bíblico acerca da justiça e misericórdia de Deus é posto à prova a partir do momento em que Deus exige tamanha condenação maciça e universal de todos os habitantes de Canaã, quando da chegada de Israel.

Isso não quer dizer que Israel era tão superior moralmente que podiam atirar as primeiras pedras. Ronald Goetz afirmou com certa razão que “Israel recebe ajuda apesar de seus pecados”[1]. Porém, conforme o próprio Goetz observou, a resposta não está na retidão imensamente maior de Israel em relação aos cananeus, mas nos níveis crescentes de culpa acumulados por Canaã ao longo de anos e milênios, antes da época da conquista de Josué. Portanto, sem tentar mitigar ou atenuar a ordem divina de extirpar a população de Canaã, o texto que coloca em perspectiva toda essa questão é Deuteronômio 9.5:

“Não é por causa da tua justiça nem da retidão do teu pecado que entras na terra delas para possuí-la, mas é pela culpa destas nações que o Senhor, teu Deus, as expulsa da tua frente, para confirmar a palavra que o Senhor, teu Deus, jurou a teus pais, Abraão, Isaque e Jacó.”

Durante todo o período dos patriarcas, da escravidão egípcia, e muitos anos adiante, Deus aguardou que os cananeus se arrependessem e abandonassem os pecados gradativamente acumulados contra si mesmos. Gênesis 15.16 deixa claro que, mesmo no período de 2100 a 1800 a.C., seria prematuro Abraão, Isaque e Jacó tomar alguma atitude, com base na promessa de Deus, invadindo Canaã e capturando-a para si próprios, “porque a medida da maldade dos amorreus ainda não [estava] completa”. Nosso Senhor aguardava que o “cálice de iniquidade” enchesse até a borda e transbordasse.

A misericórdia, graça e amor de Deus fizeram com que ele agisse extremamente devagar ao executar sua ameaça de julgamento contra Canaã. Deve-se lembrar que todas as profecias (exceto as de caráter incondicional, dentro dos esquemas da aliança abraâmica, davídica e da nova aliança) têm explícita ou implicitamente um “a menos que” ou “se” e, por isso, são condicionais nas ameaças que levantam contra as nações. “Se” Canaã se arrependesse em qualquer momento ao longo daquele período que teve início na constatação de Noé das perversões sexuais de seu neto Canaã, à semelhança do que demonstrava seu filho Cam (Gn 9.25), Deus teria mudado sua acusação contra aquela nação (Jr 18.7-10). Não temos como datar o dilúvio de Noé, mas, ainda que fosse por volta de 3500 a.C. – e Deus vigiou Canaã desde aquela data até aproximadamente 1400 ou 1300 a.C. –, Deus teria esperado mais dois milênios antes de ordenar a Josué que destruísse os habitantes daquela terra.

Deus não corrompe a justiça (Jó 8.3), mas, sendo o Juiz de toda a terra, faz o que é justo (Gn 18.25). O problema gira em torno da legitimidade e significado da ira divina (ira Dei). É costumeiro os seres humanos, mortais, definirem ira ao estilo ao estilo de Aristóteles, como “o desejo por retaliação”[2], ou como a ardente necessidade de retribuir ao mínimo ou real dano causado contra nós. Há quem tenha definido ira como “loucura momentânea”[3], mas foi o pai da igreja Lactâncio (segunda metade do século III d.C.) quem a definiu como “comoção da alma se insurgindo para refrear o pecado”[4].

No século II da era cristã, argumentos de Marcião contra o Deus do Antigo Testamento, considerando-o como um “demiurgo” (divindade subordinada responsável pela criação do mal), obrigaram a igreja a excomungar Marcião em 144 d.C. Tertualiano escreveu seu Contra Marcião com o objetivo de responder a diversas das objeções marcionistas ao Deus do Antigo Testamento. Contudo, foi a partir de De Ira Dei (“Sobre a ira de Deus”), de Lactâncio, que se começou a responder e entender corretamente as passagens concernentes à ira de Deus. Lactâncio escreveu:

“Quem ama o bem, por isso mesmo odeia o mal; e quem não odeia o mal não ama o bem; pois o amor da benignidade advém diretamente do ódio do mal, e o ódio de coisas más advém diretamente do amor da benignidade. Ninguém pode amar a vida sem abominar a morte; e ninguém pode ter apetite pela luz sem antipatia às trevas.[5]”

A ira e a cólera de Deus são expressões legítimas de sua abominação a tudo o que é pecaminoso, errado, injusto, e contrário a sua natureza e ser. Deus não irrompeu em ira por mera impetuosidade contra os cananeus, mas deu-lhes séculos e milênios para que acertassem e corrigissem seus erros. No fim das contas, ele teve de agir; caso contrário, não seria santo, justo correto e equânime[6].

__________________________________

[1] Ronald Goetz, “Joshua, Calvin and Genocide”, Theology Today 32 (1975): 266.

[2] Aristóteles, De Anima 1.1. Ver a excelente discussão sobre o assunto em Abraham Heschel, The Prophets. Nova Iorque: Harper and Row, 1962, 2:1-86, esp. 60.

[3] Horácio, Epistolae 1:2:62. Ver também J. C. Hardwick, “The Wrath of God and the Wrath of Man”, The Hibbert Journal 39 (1940-1941): 251-261.

[4] Citado por Heschel, The Prophets, 2:82.

[5] Lactâncio, De Ira Dei, 51.

[6] Ver quatro pontos de vista sobre o assunto em Show Them No Mercy: Four Views on God and Canaanite Genocide, ed. Stanley Gundry. Grand Rapids: Zondervan, 2003 [publicado em português com o título Deus mandou matar? 4 pontos de vista sobre o genocídio cananeu. São Paulo: Vida, 2006]. Os defensores de cada perspectiva são C. S. Cowles, Eugene H. Merrill, Daniel L. Gard e Tremper Longman III.

Trecho extraído da obra “O plano da promessa de Deus: Teologia Bíblica do Antigo e Novo Testamentos”, de Walter Kaiser Jr., publicado por Vida Nova: São Paulo, 2011, p. 113-115. Traduzido por Gordon Chown e A. G. Mendes. Publicado com permissão.

sexta-feira, 30 de junho de 2017

Princípios Bíblicos que Devem nos Guiar na Escolha da Música Para o Culto de Adoração




O que pode de fato nos orientar com segurança nessa tarefa, não é o nosso favoritismo pessoal, o nosso gosto particular, nem o nosso costume ou a nossa cultura, mas sim, observar os importantes princípios bíblicos. Eles irão determinar o estilo do nosso louvor, porque são permanentes e não se alteram com a cultura nem com o passar dos anos.
a) Princípio da Reverência
Aparece em toda a Escritura. Deus exige de nós completo respeito e reverência:
Deus disse a Moisés:
  • Não te chegues para cá; tira as sandálias dos pés, porque o lugar em que estás é terra santa. (Êxodo 3:5)
  • Guardareis os meus sábados e reverenciareis o meu santuário. Eu sou o Senhor. (Levítico 19:30 e Levítico 26:2)
  • Deus é sobremodo tremendo na assembléia dos santos. (Salmos 89:7)
  • Pois nosso Deus é um fogo consumidor. (No contexto de reverência) (Hebreus 12:28)
  • Nem martelo... nem machado se ouviu na construção do templo - (respeito absoluto) (I Reis 6:7).
A única narrativa bíblica que nos mostra uma grande indignação de Cristo foi quando a irreverência na casa de Deus foi quebrada e Ele expulsou os vendilhões do templo. Suas palavras foram claras:
  • Tirai daqui estas coisas. Esta é uma casa de oração. (João 2:16)
Outros textos relacionados a este princípio:
  • Aquietai-vos e sabei que eu sou Deus. (Salmos 46:10)
  • Glória e majestade estão diante dele, força e formosura no seu santuário. (Salmos 96:6)
  • O Senhor está no seu santo templo. Cale-se diante dele toda a terra. (Habacuque 2:20)
b) Princípio da Dignidade ao Senhor
  • Tu és digno, Senhor e Deus nosso, de receber a glória, a honra e o poder, porque todas as cousas tu criaste, sim, por causa da tua vontade vieram a existir e foram criadas. (Apocalipse 4:11)
  • ...Milhares de milhares proclamando em grande voz: Digno é o Cordeiro que foi morto de receber o poder, e riqueza, e sabedoria, e força, e honra, e glória, e louvor. (Apocalipse 5:12)
c) Princípio de Santidade ao Senhor (separação)
Paulo diz que as Escrituras, particularmente o Velho Testamento foi escrito para exemplo nosso (Romanos 15:4). Embora estejamos no pacto da graça, os exemplos do VT nos orientam, particularmente sobre o caracter imutável de Deus.
Os sacerdotes do VT, por exemplo, tinham de ter a inscrição "Santidade ao Senhor" em suas mitras, ao ministrarem no tabernáculo. (Êxodo 28:36; 39:30).
Inúmeras outras passagem o reafirmam:
  • Ó Senhor, quem é como tu entre os deuses? Quem é como tu, glorificado em santidade, terrível em feitos gloriosos, que operas maravilhas? (Êxodo 15:11)
  • No ano em que morreu o rei Uzias eu vi o Senhor assentado sobre um alto e sublimo trono...serafins...clamavam uns para os outros, dizendo: Santo, Santo, Santo é o Senhor dos Exércitos; toda a terra está cheia da Sua glória. (Isaías 6.1-3).
  • ...e os quatro seres viventes, tendo cada um deles, respectivamente, seis asas, estão cheios de olhos, ao redor e por dentro; não têm descanso, nem de dia nem de noite, proclamando: Santo, Santo, Santo é o Senhor Deus, o Todo-Poderoso, aquele que era, que é e que há de vir. (Apocalipse 4:8)
  • O Senhor está no seu santo templo. Cale-se diante dele toda a terra. (Habacuque 2:20)
  • A santidade convém à tua casa, para sempre. (Salmos 93:5)
d) Princípio da Identidade Cristã e da Associação
  • Vós sois a luz do mundo. Não se pode esconder a cidade edificada sobre um monte; nem se acende uma candeia para colocá-la debaixo do alqueire, mas no velador, e alumia a todos os que se encontram na casa. Assim brilhe também a vossa luz diante dos homens, para que vejam as vossas boas obras e glorifiquem a vosso Pai que está nos céus. (Mateus 5:14)
Paulo instruindo a Tito disse:
  • Torna-te, pessoalmente, padrão de boas obras. No ensino, mostra integridade, reverência, linguagem sadia e irrepreensível, para que o adversário seja envergonhado, não tendo indignidade nenhuma que dizer a nosso respeito. (Tito 2:7)
  • Vós, porém, sois raça eleita, sacerdócio real, nação santa, povo de propriedade exclusiva de Deus, a fim de proclamardes as virtudes daquele que vos chamou das trevas para a sua maravilhosa luz. (I Pedro 2:9).
  • Não vos ponhais em jugo desigual com os incrédulos; porquanto que sociedade pode haver entre a justiça e a iniquidade? Ou que comunhão, da luz com as trevas? Que harmonia, entre Cristo e o maligno? Ou que união, do crente com o incrédulo? Que ligação há entre o santuário de Deus e os ídolos? Pois nós somos santuário do Deus vivente... (II Coríntios 6:14-16).
e) Princípio da aparência e do coração
  • não atentes para a sua (de Eliasabe) aparência...porque o Senhor não vê como vê o homem. O homem vê o exterior, porém o Senhor, o coração. (I Samuel 16:7)
f) Princípio do equilíbrio artístico
A estética e a arte sempre foram claros princípios de Deus. Basta olhar para a maravilhosa criação, revelada nas obras das suas mãos.
Igualmente, as medidas estéticas na construção do tabernáculo revelam que Deus de fato se agrada de coisas artísticas e caprichosas e bem feitas. (Êxodo 26)
Encontramos outro exemplo em Êxodo 31:1-5, quando Deus disse, a respeito dos artífices da obra do tabernáculo:
  • Disse mais o Senhor a Moisés: Eis que chamei pelo nome a Bezalel, filho de Uri, da tribo de Judá, e o enchi do Espírito de Deus, de habilidade, de inteligência e de conhecimento, em todo artifício, para elaborar desenhos e trabalhar em ouro, em prata, em bronze, para lapidação de pedras de engaste, para entalho de madeira, para toda sorte de lavores.
g) Princípio da sobriedade
  • Seja a vossa moderação conhecida de todos os homens. Perto está o Senhor. (Filipenses 4:5)
  • Nós porem, que somos do dia, sejamos sóbrios, revestindo-nos da couraça da fé e do amor e tomando como capacete a esperança da salvação. (I Tessalonicenses 5:8)
  • Quanto aos moços, de igual modo, exorta-os para que, em todas as cousas (inclusive música) sejam criteriosos. (Tito 2:6);
  • Por isso, cingindo o vosso entendimento, sede sóbrios e esperai inteiramente na graça que vos está sendo trazida na revelação de Jesus Cristo. (I Pedro 1:13)
  • Ora, o fim de todas as coisas está próximo; sede, portanto, criteriosos e sóbrios a bem de vossas orações. (I Pe 4:7)
  • Sede sóbrios e vigilantes. O diabo, vosso adversário, anda em derredor, como leão que ruge procurando alguém para devorar. (I Pedro 5:8).
h) O princípio do melhor e do mais custoso para Deus
  • As primícias dos frutos da tua terra trarás à casa do Senhor, teu Deus. (Êxodo 23:19 e 34:26).
Em I Reis 6:38 vemos que o Templo de Salomão levou 7 anos para ser construído, dos melhores materiais existentes, com o melhor cuidado artístico.
  • Davi disse: Não oferecerei ao Senhor, meu Deus, holocaustos que não me custem nada. (II Samuel 24:24)
As pessoas que se dedicavam ao ministério do louvor tinham treinamento especial adequado, que constava de longos anos de preparo e instrução ("todos eles mestres"):
  • Todos estes estavam sob a direção respectivamente de seus pais, para o canto da Casa do Senhor, com címbalos, alaúdes e harpas, para o ministério da Casa de Deus, estando Asafe, Jedutum e Hemã debaixo das ordens do rei. O número deles, juntamente com seus irmãos, instruídos no canto do Senhor, todos eles mestres, era de duzentos e oitenta e oito. (I Crônicas 25:6 e 7)
Conclusão:
  1. Deus exige toda a nossa reverência e respeito
  2. Deus ensinou a arte e a estética associados à adoração
  3. Ele é digno de todo o louvor e gloria
  4. Deus é santo e santidade convém à sua casa para sempre.
  5. Nossa identidade como cristãos deve ser absolutamente clara e devemos ser criteriosos e sóbrios.
  6. Devemos procurar agradar a Deus, e não aos homens. (Gálatas 1:10)
  7. Deus merece o nosso melhor e um coração puro.
Se nos mantivermos dentro destes princípios, teremos diretrizes seguras, e Deus se alegrará do nosso louvor.

quinta-feira, 29 de junho de 2017

Sete anos de Site Bíblia e a Ciência!



No mês de junho o site Bíblia e a Ciência está completando sete anos de existência.Quero agradecer aos amigos (a) que têm fielmente feito do Site Bíblia e a Ciência o seu blog de estudos diários, meu muito obrigado pelo carinho e companheirismo que vocês tem demonstrado.

Segue abaixo o Relatório da Página 

Estatísticas desde a fundação:

914932 leitores nos visitaram nesses sete anos!
157 países diferentes marcaram presença, até o Vaticano!
+ de 3,998,219  páginas de conteúdo foram visualizadas nesses sete anos
417 é o número de amigos assinantes da Newslleter atualmente.
4947 artigos publicados até o presente momento
2270 seguidores no Twitter @BiliaeaCiencia
4.801 seguidores da página no facebook (https://www.facebook.com/BibliaeaCiencia)
Possuímos dois grupos de estudos no Whatsapp que atualmente conta com cerca de 434 pessoas.
Estamos presentes no Instagram com cerca de 150 seguidores
Lançamos um novo site com o intuito de aumentar o alcançe da mensagem do evangelho, clique e conheça www.bibliaeaciencia.wordpress.com , que já conta com 15230 visitantes e 60485 páginas visualizadas!É isso meus queridos. Que o próximo ano seja de muitas bençãos para esse site e para vocês! Um grande abraço, atenciosamente adm.

quarta-feira, 28 de junho de 2017

O Veneno Está na Mesa 2 (dir: Silvio Tendler, 2014)

Após impactar o Brasil mostrando as perversas consequências do uso de agrotóxicos em O Veneno está na Mesa, o diretor Sílvio Tendler apresenta no segundo filme uma nova perspectiva. O Veneno Está Na Mesa 2 atualiza e avança na abordagem do modelo agrícola nacional atual e de suas consequências para a saúde pública. O filme apresenta experiências agroecológicas empreendidas em todo o Brasil, mostrando a existência de alternativas viáveis de produção de alimentos saudáveis, que respeitam a natureza, os trabalhadores rurais e os consumidores. 

Com este documentário, vem a certeza de que o país precisa tomar um posicionamento diante do dilema que se apresenta: Em qual mundo queremos viver? O mundo envenenado do agronegócio ou da liberdade e da diversidade agroecológica?

terça-feira, 27 de junho de 2017

TV Novo Tempo deixa grade da SKY em agosto


Jacareí, SP … [ASN] A TV Novo Tempo deixará de ser vista na operadora de TV por assinatura SKY a partir do dia 27 de agosto deste ano. O contrato foi finalizado entre as partes e a programação do canal da Igreja Adventista do Sétimo Dia poderá ser vista, até essa data, pelo número 165, e não mais pelo 14. Hoje, portanto, a Novo Tempo não ocupa mais o canal de número 14 da SKY, que está com outra emissora.

O diretor da Rede Novo Tempo de Comunicação, Antônio Tostes, lembra que a TV Novo Tempo está em mais de 500 cidades em canal aberto no Brasil, incluindo 19 capitais do País. Para saber de cada uma destas cidades e seus respectivos canais, basta acessar o site.

A emissora continuará transmitindo sua programação normalmente por meio das antenas parabólicas, pela NET – nos canais 184 ou 684, pela operadora Claro – nos canais 184 ou 684, e pela operadora OI, no canal 214. Ela informa, ainda, que continua a trabalhar para ampliar o alcance do seu sinal e oferecer cada vez mais qualidade. E que segue com investimentos, também, na produção de novos conteúdos cristãos.
Via [Equipe ASN, da redação]

domingo, 25 de junho de 2017

Quem é o “poderoso caçador” Ninrode? (Gênesis 10:8-12)

Resultado de imagem para ninrode

A pessoa de Ninrode é intrigante, e encontramos nos escritos judaicos, cristãos e islâmicos quantidade significativa de especulação a seu respeito. O que o torna intrigante é o fato de que, no quadro das nações (Gênesis 10), ele é a única pessoa sobre a qual temos uma declaração de realizações, embora o que é dito sobre ele seja um pouco superficial. Diremos algo sobre possíveis paralelos históricos, examinaremos o texto bíblico e mencionaremos brevemente algumas especulações pós-bíblicas sobre ele.

1. Ninrode na História
O texto bíblico descreve Ninrode como uma pessoa que viveu na região da Mesopotâmia. Estudiosos tentaram encontrar, sem sucesso, um paralelo no antigo Oriente Próximo que corresponda ao que a Bíblia diz sobre ele. Ele foi identificado com Gilgamés, pessoa que, segundo a literatura babilônica, sobreviveu ao dilúvio. Mas, essa teoria foi rejeitada. O mais popular é encontrar nele traços do deus Ninurta, o deus mesopotâmio da fertilidade. Porém, mais uma vez, os paralelos não são fortes o suficiente para provar o caso. Além disso, o texto bíblico não sugere que ele seja uma divindade. O que sabemos sobre ele é o que as Escrituras dizem.

2. Ninrode na Bíblia
A primeira coisa mencionada pelo texto bíblico é que Ninrode foi “o primeiro a ser poderoso na terra” (Gênesis 10:8, ARA), provavelmente significando que ele foi o primeiro em tal categoria (conforme Gênesis 9:20). A palavra “poderoso” significa, como indica a passagem, que ele era política e militarmente poderoso. Segundo, ele é descrito como “poderoso caçador” (Gênesis 10:9), que significa não apenas que era um bom caçador, mas que também era um conquistador militar poderoso. A frase “diante do Senhor” tem sido difícil de interpretar. A maior dificuldade é decidir quando significa que o Senhor cuidava de Ninrode, ou que Ninrode agia desafiando o Senhor, “contra Ele” (Salmos 66:7). O fato de que Ninrode esteja diretamente associado com Babilônia e com a terra de Sinar infere uma conexão negativa com o Senhor. Além disso, se tomarmos o significado hebraico do nome Ninrode (“nos rebelaremos”), a implicação é que ele se rebelou contra Deus. Se esta interpretação for correta, o provérbio citado no texto: “Pelo que se diz: ‘Ninrode poderoso caçador diante do Senhor’”, estaria se referindo a uma pessoa poderosa agindo contra a vontade de Deus. Terceiro, ele é descrito como a primeira pessoa a estabelecer um reino “o princípio do seu reino” (Gênesis 10:10, ARA). Localizava-se nas antigas cidades de Babel (Babilônia), Ereque, Acade e Calné, na região de Sinar, Baixa Mesopotâmia. De lá Ninrode foi para o norte conquistar terras na Assíria (Gênesis 10:11), Alta Mesopotâmia (veja Miqueias 5:6).

3. Ninrode e as Especulações Pós-Bíblicas
A tradição judaica argumenta que Ninrode foi o primeiro caçador, portanto, a pessoa que introduziu a carne na dieta humana. A tradição diz que ele se envolveu na construção da Torre de Babel (Gênesis 11:1-4), e após o povo ser disperso ele permaneceu em Sinar para construir seu reino. Tanto a tradição judaica como a islâmica indica que havia um relacionamento hostil entre Ninrode e Abraão. A principal razão era que Ninrode era idólatra e Abrão foi chamado pelo Senhor por adorar somente a Ele. Algumas versões das tradições dizem que ele colocou Abraão em uma fornalha tão quente que suas chamas mataram milhares, mas Abraão saiu ileso. Em algumas tradições ele é identificado com Anrafel, um dos reis que atacou Sodoma e Gomorra (Gênesis 14:1) e que foi vencido por Abraão. As tradições e especulações, com raras exceções, descreve Ninrode como um símbolo do mal.

Fiz um resumo de algumas das teorias pós-bíblicas sobre Ninrode para alertá-lo do perigo de ir além do que está escrito. Essas tradições não devem ser usadas para definir convicções pessoais ou para especular sobre o papel profético de Babilônia. Só podemos afirmar o que o texto bíblico diz sobre Ninrode.

Angel Manuel Rodríguez (via Revista Adventist World)

sábado, 24 de junho de 2017

Anjos: O que a Bíblia e o Espírito de Profecia dizem sobre eles

Ajudantes de Deus

Os anjos são chamados de diversas formas na Bíblia. Além da palavra anjo em si, esses seres são chamados de “querubins” e “serafins” (Gênesis 3:24, Ezequiel 10:1, Isaías 6:2, NVI), e a palavra arcanjo é muitas vezes aplicada ao próprio Cristo (1 Tessalonicenses 4:16; apesar de Cristo ser um Ser Divino e, portanto, não um anjo criado). A Bíblia ainda dá nomes pessoais a pelo menos dois anjos: Gabriel e Apoliom (Daniel 9:21, Lucas 1:26; Apocalipse 9:11).

A palavra anjo vem da palavra grega aggelos, que significa “mensageiro”. Muito sobre os anjos é misterioso, mas não o seu trabalho. Eles são ajudantes de Deus.

quarta-feira, 21 de junho de 2017

Entrevista de Rodrigo Silva no programa Todo Seu

Ronnie Von recebe o arqueólogo Rodrigo Silva para falar sobre a polêmica que questiona a existência de Jesus. Doutor em Teologia Bíblica pela Pontifícia Faculdade de Teologia N. S. Assunção (SP), com pós-doutorado em arqueologia bíblica pela Andrews University (EUA), Rodrigo traz alguns objetos, como moedas, botija de vinho e pregos de crucificação, entre outros, como evidências que comprovariam a existência do Cristo.

quarta-feira, 14 de junho de 2017

Armagedom, Terceira Guerra Mundial e a Contenção Divina


Podemos considerar o Armagedom como a terceira guerra mundial?
Muitas teorias especulativas têm sido propostas na tentativa de interpretar o Armagedom mencionado em Apocalipse 16:12-16. Hoje, uma das mais populares é a de que ele será uma guerra nuclear de grandes proporções. Como já ocorreram duas guerras mundiais, e o texto bíblico fala que nesse confronto estarão envolvidos os “reis do mundo inteiro” (verso 14), muitos imaginam que o Armagedom só poderá ser uma terceira guerra mundial. Por mais fascinante e lógica que essa ideia possa parecer, ela não passa de uma teoria especulativa, sem base bíblica.

Conflitos bélicos certamente continuarão existindo, e mesmo se intensificando, até o fim dos tempos (ver Mt 24:6-8). Mas o Armagedom é descrito no livro do Apocalipse como “a peleja do grande Dia do Deus todo-poderoso” (16:14), travada entre os poderes demoníacos da “besta” e dos “reis da terra, com os seus exércitos”, de um lado, e o “Rei dos reis e Senhor dos senhores” e “o seu exército”, do outro (19:16 e 19).

sábado, 10 de junho de 2017

O preconceito do centro apologético cristão de pesquisas em relação ao Adventismo do Sétimo Dia

LEANDRO QUADROS
MARTINEZ, J. F. O caso do articulista Fernando Galli e o adventismo.


O pedido de desculpas do apologista Fernando Galli, responsável pelo Instituto
Apologético Cristo Salva (IACS) e membro de uma Igreja Batista no interior de São Paulo, repercutiu negativamente entre os representantes pelo Centro Apologético Cristão de Pesquisas (CACP). Por exemplo, o pastor e apologista Joaquim de Andrade não se constrangeu em escrever sobre a nova postura de Galli: “Mais um sinal da vinda de cristo: ministério ‘apologético’ pede perdão aos adventistas afirmando que não podem ser considerados uma seita” (ANDRADE, 2016).

Por que um pedido de desculpas causaria tanta polêmica? Por que Fernando
Galli, após se familiarizar devidamente com as fontes primárias que apresentam o real posicionamento teológico adventista, concluiu que seu procedimento em rotular o adventismo do sétimo dia como uma “seita herética” não era apropriado. 

5 formas de arruinar um namoro saudável



De repente, namorar ficou muito difícil. Deve ter havido um tempo em que era fácil – as pessoas sabiam o que se esperava delas e como deveriam se comportar (mesmo que, com muita frequência, elas iam lá e não se comportavam). Mas hoje eu converso com uma fila sem fim de jovens que estão presos entre o namoro, a corte e alguma mistura esquisita das duas coisas. Namorar se tornou a coisa mais difícil do mundo, provavelmente porque existem um milhão de livros e blogs dizendo como fazer. Não se pode mais apenas namorar – tem que namorar do jeito desse ou daquele livro. E, em algum ponto do caminho, o namoro acaba sendo arruinado.

Aqui estão algumas maneiras pelas quais eu já vi pessoas arruinarem o que poderia ter sido algo muito bonito.

Eles começam a fazer sexo. A primeira e principal forma de arruinar um namoro perfeitamente saudável é adicionar sexo à receita. Sexo é para o casamento – vocês sabem disso. Deus criou o sexo para o casamento, não para o namoro. Deus criou o sexo para selar e celebrar a união do casamento, não para experimentar antes dele para saber se é bom ou não. O namoro simplesmente não tem a seriedade, o nível de comprometimento ou a sanção divina para suportar o sexo. Assim, não arruíne seu relacionamento adicionando a menor porção que seja de sexualidade. Haverá bastante tempo para bastante disso mais tarde. Você não vai se arrepender por ter esperado.

Eles deixam de se divertir. Namoro não é hora de sexo, mas é hora de se divertir. É hora de simplesmente aproveitar o tempo gasto junto com a outra pessoa, para aprender quem a outra pessoa é, para aprender o que mexe com a outra pessoa. Isso pode até ser feito de forma deliberada: sentem juntos e façam perguntas um ao outro, leiam livros sobre casamento juntos. Mas talvez a melhor abordagem seja no contexto do serviço (encontrem algo para servirem juntos na igreja!), da diversão (encontrem algo que os dois gostem e façam juntos!) e da informalidade (vocês não precisam planejar absolutamente tudo!). Uma vez que você tirou o sexo dos planos, você é livre para se divertir com a outra pessoa. No contexto da diversão, você vai aprender sobre quem ele ou ela é, o que ele ou ela valoriza e se vocês são compatíveis ou não. Não deixem de se divertir!

Eles sucumbem à introspecção mórbida. Obviamente, o namoro é um período propício a introspecção. É um tempo bom para olhar para dentro e se perguntar se você está pronto para ser um marido ou uma esposa, e pronto para se comprometer completamente com a outra pessoa. Isso é bom. Mas o que eu vejo frequentemente é um nível paralisante de introspecção que leva as pessoas ao desespero. A realidade é que nenhum de nós é completamente qualificado para ser um marido ou uma esposa. Você nunca será digno da honra de ter outra pessoa comprometendo sua vida a você. Nenhum de nós é a melhor escolha dentre as 7 bilhões possíveis no planeta. A maravilha do casamento é que um homem pecador e quebrado pode se casar com uma mulher pecadora e quebrada e, de alguma forma, construírem juntos um relacionamento belo e duradouro que reflete o brilho da glória de Deus e de seu evangelho. Se você esperar até ser digno do casamento, você nunca vai se casar. Se você esperar até estar perfeitamente aceitável, vai esperar para sempre. Você não pode esperar até estar completamente maduro para se casar; às vezes, você precisa se casar para continuar amadurecendo.

Eles mantém expectativas irreais. Se as pessoas são levadas à paralisia quando olham para dentro, elas podem igualmente serem levadas à paralisia quando olham para o cônjuge em potencial. Eu já vi muitas pessoas que tem expectativa irreais a respeito da pessoa com quem gostariam de se casar. Sabe qual é a verdade? Ela não é perfeita. Ela não é a melhor, mais piedosa ou mais bonita pessoa do planeta. Mas quem você pensa que é para pensar que merece tudo isso, o que é isso que você precisa? Quem você pensa que é para pensar “eu mereço mais do que isso?”. E aquele rapaz não é completamente gentil, doce e carinhoso o tempo todo. Mas, novamente, quem é você para merecer o homem perfeito? Todos nós nos casamos sendo pecadores. Todos nós casamos com pecadores. Embora você deva esperar muito do seu futuro cônjuge, é injusto esperar perfeição.

Eles vivem com medo. Se olharmos em busca de algo em comum nas outras formas de arruinar um namoro perfeitamente saudável, penso que encontraremos o medo. Muitas pessoas vivem com medo. Elas tomam as grandes decisões da vida por medo. Mas o namoro é uma época muito boa para se lembrar que servimos a um Deus que é soberano e comprometido com o nosso bem. As instruções dEle a respeito do casamento são básicas: case com um cristão, viva e morra pelo outro e permaneça assim até o fim da vida. Ele não apresenta longas listas de critérios, como você encontra em todos aqueles livros. Ele não descreve uma técnica ou uma metodologia. Ele apenas nos fala sobre o bem e a glória do casamento e espera que aqueles que desejam se casar busquem isso. E assim, de uma forma ou de outra, em meio a alegrias e dificuldades, ele derrama suas bênçãos.

sábado, 3 de junho de 2017

18 perguntas que uma moça deve fazer antes de casar-se

Imagem relacionada
Estas perguntas têm influência vital sobre o bem-estar de toda mulher que entra em matrimônio.

1. Aquele com quem está para unir seu destino, é digno? 
2. Qual é seu passado? 
3. É pura a sua vida? 
4. O amor que ele exprime é de caráter nobre, elevado, ou é simples inclinação emotiva? 
5. Ele tem os traços de caráter que a tornarão feliz? 
6. Poderá ela encontrar verdadeira paz e alegria na afeição dele? 
7. Ser-lhe-á permitido conservar sua individualidade? 
8. Ela terá de submeter seu juízo e consciência ao domínio do marido? 
9. Ela pode honrar as reivindicações do Salvador como supremas? 
10. Serão conservados puros e santos o corpo e a alma, os pensamentos e propósitos? 
11. Ajudar-me-á esta união na escalada para o Céu? 
12. Aumentará meu amor a Deus? 
13. Aumentará minha esfera de utilidade nesta vida? 
14. Passada a novidade do casamento, continuará a amar-me? 
15. Será paciente com os meus erros, ou crítico, despótico e ditatorial?
16. Meu pretendente reconhece suas obrigações para com sua mãe? 
17. Tem consideração para com os seus desejos e sua felicidade? 
18. Se ele não respeita nem honra a mãe, porventura manifestará respeito e amor, bondade e atenção para com a esposa?

O verdadeiro amor é uma planta que precisa ser cultivada. Se estas reflexões não apresentarem nada em contrário, então prossegue, no temor de Deus. Que a mulher que deseja uma união pacífica e feliz, que quer escapar a futuras misérias e tristezas, indague, antes de entregar suas afeições. Receba a jovem como companheiro vitalício tão-somente ao que possua traços de caráter puros e varonis, que seja diligente, honesto e tenha aspirações, que ame e tema a Deus.

(Ellen G. White - Cartas a Jovens Namorados, pp. 24-25)

quarta-feira, 31 de maio de 2017

1844: coincidência ou providência?

Foram os eventos ocorridos no ano de 1844 apenas um acidente? Ou tem esse ano um significado mais profundo na compreensão bíblica do plano de Deus na história da redenção? Como adventistas do sétimo dia, deveríamos aceitar a segunda posição. Para nós, 1844 é o ano em que terminou a profecia dos 2300 dias de Daniel 8:14, o marco que assinala o início do julgamento pré-advento no céu, e a culminação do mais longo período profético da Bíblia, proclamando ao mundo que o fim não vai demorar e que a segunda vinda de Jesus está próxima.

segunda-feira, 29 de maio de 2017

Sete mentiras sobre Deus

Saiba quais são alguns dos equívocos mais populares sobre a natureza e os atributos divinos

Créditos: Fotolia

Primeiro de abril é conhecido como o dia da mentira. Tradicionalmente, pessoas pregam peças em amigos e desconhecidos e passam “trotes” com a desculpa de que é o dia da mentira. Às vezes, a brincadeira não traz consequências, e a pessoa iludida ri por ter acreditado, durante alguns instantes, em uma farsa. Outras vezes, a travessura leva alguém a ser prejudicado por imaginar que a ilusão fosse real.

Entre as mentiras com consequências mais trágicas, estão as mentiras sobre Deus. Deus é o Deus da verdade (Is 65:16), e é avesso à mentira (Pv 12:22; Hb 6:18). No entanto, o diabo existe e é o “pai da mentira” (Jo 8:44). Ele tem se empenhado em espalhar falsidades sobre Deus, a fim de que tenhamos um conceito incorreto de sua Pessoa divina (At 13:10; Gn 3:4, 5). As informações erradas sobre Deus são produto da especulação de filósofos sem compromisso com a revelação bíblica e justificativa para dogmas religiosos não fundamentados nas Escrituras Sagradas. Infelizmente, esses mitos levam muita gente a ter atitudes equivocadas para com o Único que pode salvar (At 4:12).

Com palavras poéticas, o profeta Isaías descreveu o estado de perdição espiritual em que se encontra quem crê numa mentira a respeito daquele que é a Verdade: “O seu coração enganado o iludiu, de maneira que não pode livrar a sua alma, nem dizer: Não é mentira aquilo em que confio?” (Is 44:20).

A seguir, menciono sete mentiras muito populares sobre Deus, com a respectiva apresentação do que a Bíblia tem a dizer sobre quem o Senhor realmente é.

1. Deus determina tudo o que acontece. Muita gente entende mal um dos atributos de Deus: a sua soberania. Imagina que o Todo-Poderoso, que tem autoridade sobre todo o Universo, comande tudo o que acontece em sua vasta criação a ponto de determinar cada coisa que vai acontecer. Na verdade nem tudo o que acontece é por que Deus quer. Se Deus realmente determinasse tudo, seria impossível desobedecer-lhe!

Deus intervém na história humana (Dn 2:21), mas não determina tudo. Ele concedeu ao ser humano a faculdade de tomar as decisões que determinarão seu próprio destino (Dt 30:15-20; Js 24:15; 1Rs 18:21). Pessoas podem optar por dedicar a vida a Deus (Mc 9:24; At 8:37; At 16:13), ou podem escolher permanecer sob o domínio do pecado (Gn 4:6, 7; Is 66:3, 4), mesmo que a vontade de Deus seja que todos escolham o arrependimento e a salvação (2Pe 3:9). Deus deixa as pessoas praticarem sua própria vontade, mesmo que a vontade humana seja contrariar a vontade de Deus (Rm 1:24, 25). Ele dá liberdade para você e eu escolhermos se queremos acreditar ou não nele (Jo 3:16).

2. Quando alguém morre, é porque foi a vontade de Deus. Muito ao contrário, Deus não quer que ninguém morra, mas que se arrependa e tenha a vida eterna (2Pe 3:9). Quem deseja que pessoas morram é o diabo, que “vem para roubar, matar e destruir”. Mas Deus quer nos dar “vida completa” (Jo 10:10, NTLH).

Para Deus, a morte de uma pessoa que tem a vida entregue a Ele é um momento especial (Sl 116:15). É algo comparado a um sono, do qual Deus deseja despertar-nos (Jo 11:11; 1Ts 4:14). Portanto, Deus, além de não desejar a morte de ninguém, ressuscitará aqueles que pertencem a Ele (1Ts 4:16).

3. Deus é energia. No imaginário popular, Deus frequentemente é descrito como sendo uma “energia”, uma “luz”, que permeia o Universo; uma espécie de grande fantasma, invisível, sem forma, um espírito sem corpo que está em todos os lugares, algo impessoal. Nada poderia estar mais longe da verdade. A Bíblia descreve Deus com um Ser pessoal, com aparência física, apesar de diferente da nossa natureza humana, e extremante grandioso (1Co 15:40; 1Rs 8:27).

Deus, o Pai, é apresentado na Bíblia como tendo boca (Nm 12:8), costas (Êx 33:18-23), cabeça (Ez 1:26; Dn 7:9), rosto (Lv 10:1; Dt 5:4, 1Ts 1:9), olhos (Am 9:8), dedo (Êx 8:19; 31:18; Dt 9:10), mão (Êx 9:3), pés (Êx 24:10), se assentando num trono (Is 6: 1-6; Ez 1:26-28), usando roupas (Is 6:1; Dn 7:9), com cabelos brancos (Dn 7:9); enfim, com aparência de um ser humano (Ez 1:26). E não é para menos que Ele seja parecido conosco, uma vez que nos fez semelhantes à sua imagem (Gn 1:26, 27). Apesar de Ele ser agora invisível para nós (Cl 1:15; 1Tm 1:17; Hb 11:27), um dia os salvos verão a Deus (Mt 5:8).

Deus também tem uma personalidade. Ele tem desejos (Ef 5:17), sente ira (Dt 6:15), faz reconsiderações (Gn 6:6), se compadece (2Rs 13:23), enfim, Deus tem emoções e gostos. Deus é pessoal, conhece nossa experiência. Por meio de seu Espírito Santo, pode estar em todos os lugares (Sl 139), e podemos nos aproximar dele e conversar com Ele (Hb 4:16).

4. Deus nunca vai desistir de alguém. Essa afirmação é muito próxima da verdade, mas não deixa de ser incorreta. Deus deseja que todos se salvem (2Pe 3:9), enviou Cristo para morrer por todas as pessoas do mundo (Jo 3:16), e trabalha para persuadir cada uma a aceitar a salvação (Rm 2:4). Mas, como há pessoas que desistem completamente de Deus, não há nada que Ele possa fazer para convencê-las a se arrependerem de sua vida de pecado (Hb 6:4-7).

A Bíblia descreve algumas pessoas que, apesar de Deus ter demonstrado seu favor para com elas e de terem sido agraciadas com ricos privilégios espirituais, rejeitaram de modo tão obstinado a vontade de Deus para sua vida que o Senhor não pôde fazer mais nada para salvá-las. Um exemplo bíblico claro é Saul, que rejeitou a Palavra de Deus e foi, por isso, rejeitado por Deus (1Sm 15:26).

5. Deus é Deus de bênção, não de maldição! Esse lema pode até trazer segurança para o fiel, mas trata-se de uma inverdade. Deus abençoa aqueles que lhe obedecem e fazem a sua vontade (Dt 28:1, 2), mas adverte que maldições estão reservadas para os que não guardam os seus mandamentos (Dt 28:15-68).

6. Muitos caminhos levam a Deus. Não! Só há um único caminho, que é Jesus Cristo, e ninguém pode se achegar a Deus a não ser por meio dele (Jo 14:6). Cristo é o único mediador entre Deus e os homens (1Tm 2:5). Outras alternativas espirituais além de Jesus Cristo são “vaidade. Suas obras não são coisa alguma” (Is 41:29), e quem procurar se aproximar de Deus por outros caminhos, além de Jesus Cristo, está percorrendo “caminhos de morte” (Pv 14:12; 16:25), ou “caminho que conduz para a perdição” (Mt 7:13).

7. Deus não condena ninguém. Deus não enviou Cristo ao mundo “para que julgasse o mundo, mas para que o mundo fosse salvo por Ele” (Jo 3:17). No entanto, pessoas que rejeitam a salvação oferecida a elas por Deus receberão a condenação reservada aos desobedientes e incrédulos (Jo 3:18-21). Um dia, Deus, por meio de Jesus Cristo, vai julgar os segredos de todos (Rm 2:16), e castigará aqueles que terão rejeitado Cristo como seu Salvador (Hb 10:29), condenando-os à morte eterna (Mt 25:41).

Infelizmente, muita gente tem sido enganada com mentiras sobre Deus. Mas a Palavra de Deus é “em tudo verdade” (Sl 119:160). E, na Bíblia, a Palavra de Deus, podemos conhecer a verdade sobre Ele, ser libertos pela verdade (Jo 8:38), e ter a vida eterna, que advém de conhecer verdadeiramente a Deus (Jo 17:3).

FERNANDO DIAS é pastor e editor da Casa Publicadora Brasileira

Via Revista Adventista

sexta-feira, 26 de maio de 2017

Quem são os 24 anciãos de apocalipse 4:4?

Resultado de imagem para Quem são os 24 anciãos de apocalipse 4:4
Dr. Mario Veloso

A referência aos 24 anciãos é feita por João em Apocalipse 4:4:

“Ao redor do trono há também vinte e quatro tronos e assentados nele vinte e quatro anciãos vestidos de branco, em cujas cabeças estão coroas de ouro.”

Os comentaristas bíblicos tem dado várias interpretações a estes 24 anciãos. Dentre elas destacaremos as seguintes:

1) Eles representam os homens redimidos;

2) Representam o ministério do sacerdócio levítico;

3) Simbolizam Israel em sua plenitude - dois anciãos para cada tribo, um deles representando Israel literal, e o outro representando o povo de Deus após a cruz, a Igreja Cristã. Nesta interpretação os 24 anciãos seriam a soma dos 12 patriarcas e dos 12 apóstolos;

4) São anjos que ministram as orações dos santos;

5) São os santos que ressuscitaram de seus sepulcros quando Cristo ressuscitou (Mt. 27:51-53: E eis que o véu do santuário se rasgou em dois, de alto a baixo; a terra tremeu, as pedras se fenderam, os sepulcros se abriram, e muitos corpos de santos que tinham dormido foram ressuscitados; e, saindo dos sepulcros, depois da ressurreição dele, entraram na cidade santa, e apareceram a muitos.)

A interpretação de que os 24 anciãos representam os santos que ressuscitaram quando Cristo ressuscitou, é a mais aceita pelos adventistas. Baseia-se no fato de que os capítulos 4 e 5 de Apocalipse apresentam uma visão do trono de Deus. Como os capítulos 4 e 5 falam do começo do Juízo Investigativo, isto coloca esta visão na data de 1844. Nessa data não existiam outros seres humanos no Céu, além dos que ressuscitaram quando Jesus ressuscitou.

Vale também ressaltar que na Bíblia, coroas só aparecem em duas pessoas: no próprio Deus e nos santos.

Leitura adicional: - “Profecia Bíblica”, apostila feita pelo Dr. José Carlos Ramos, informações sobre interpretações proféticas do livro de Daniel e de Apocalipse, é usada no programa de Pós-Graduação e no curso de Teologia.

- “Uma Nova Era Segundo as Profecias de Apocalipse”, por Mervyn Maxweel, livro que apresenta dados históricos precisos sobre o cumprimento das profecias apocalípticas, uma excelente ferramenta para o estudante das profecias do tempo do fim.


Fonte: Explicação feita pelo Dr. Mario Veloso que se encontra na Revista Adventista Fevereiro de 1984.

quarta-feira, 24 de maio de 2017

Não seria errado um cristão usar cerveja sem álcool?

Resultado de imagem para cerveja sem álcool?
O uso ou não da cerveja sem álcool está mais ligado à consciência de cada um não sendo, portanto, um ponto doutrinário que envolva moralidade.

Prova disso encontramos, por exemplo, na obra “O Poder Medicinal dos Sucos e Shakes“, lançada em 2016 pela Casa Publicadora Brasileira. 

Na p. 31, o Dr. Jorge Pamplona lista os benefícios da cerveja sem álcool para a saúde, tendo como base estudos científicos sérios. Veja:

Estimula a produção de amilase e de outras enzimas digestivas, algo que não é produzido nem mesmo pela cerveja comum (alcoólica).

Previne a trombose.

Favorece a produção de leite nas mães que estão amamentando.

Curioso é que o uso de refrigerantes, que possuem enorme quantidade de açúcar refinado (venenoso) e que tornam o organismo ácido – criando assim um ambiente favorável para o desenvolvimento de doenças – não é tão criticado quanto o uso de uma cerveja não alcoólica. Não seria isso “coar o mosquito e engolir o camelo”? (cf. Mt 23:24). Creio que sim.

Por esses motivos, creio que um cristão que bebe cerveja sem álcool deve ser respeitado em sua opinião, bem como aqueles que optam por não fazer uso.
Alem disso, é importante considerar que muitos cristãos fazem uso do levedo de cerveja como suplemento alimentar, devido ao valor nutricional que possui. 
Portanto, o problema não está no “nome” cerveja em si, mas na presença de álcool, que traz sérios danos à saúde (cf. Pv 20:1; Pv 23:29-32; Hc 2:15; Ef 5:18).

Alguns pensam que se a pessoa usar a cerveja não alcoólica, deve ter algum cuidado para evitar a “aparência do mal” (1Ts 5:22) estando num ambiente público, onde dificilmente se distinguirá o que a pessoa está realmente usando.
Todavia, independente da opinião e postura que adotemos, devemos considerar as instruções apostólicas a seguir: 

“Aceitem o que é fraco na fé sem discutir assuntos controvertidos. Portanto, você, por que julga seu irmão? E por que despreza seu irmão? Pois todos compareceremos diante do tribunal de Deus. Aquilo que é bom para vocês não se torne objetivo de maleficência. Pois o reino de Deus não é comida nem bebida, mas justiça, paz e alegria no Espírito Santo” (Rm 14:1, 10, 16-17 – Nova Versão Internacional).

Leandro Quadros

domingo, 21 de maio de 2017

10 homens com quem uma mulher cristã não deve casar-se



Minha esposa e eu criamos quatro filhas – sem espingardas em casa! – e três delas já se casaram. Nós amamos nossos genros, e é óbvio que Deus escolheu a dedo cada um deles para combinar com os temperamentos e personalidades das nossas filhas. Eu sempre achei que Deus gosta de agir como “casamenteiro”. Se Ele pôde fazer isso por minhas filhas, Ele pode fazer por você.

Hoje, eu conheço muitas amigas solteiras que gostariam bastante de encontrar o cara certo. Algumas me dizem que as opções são escassas em suas igrejas, então, então se aventurado no mundo dos encontros online. Outras desistem em desespero, imaginando se ainda resta algum cristão decente por aí. Elas começam a questionar se deveriam baixar seus padrões para encontrar um par.

Meu conselho permanece: não se conforme com menos que o melhor de Deus. Muitas cristãs têm terminado com um Ismael porque a impaciência as empurrou para um casamento infeliz. Por favor, aceite meu conselho paternal: você está muito melhor solteira do que com o cara errado!

Falando de “caras errados”, aqui estão os 10 tipos principais de homens que você deveria evitar ao procurar por um marido:

1. O incrédulo. Por favor, escreva 2 Coríntios 6:14 em um post-it e cole-o em seu computador do trabalho. O texto diz: “Não vos prendais a um jugo desigual com os infiéis; porque, que sociedade tem a justiça com a injustiça? E que comunhão tem a luz com as trevas?”. Essa não é uma regra religiosa antiquada. É a Palavra de Deus para você hoje. Não permita que o charme, o visual ou sucesso financeiro de um homem (ou a disposição dele de ir à igreja com você) te leve a comprometer o que você sabe que é certo. “Namoro missionário” nunca é uma estratégia sábia. Se o rapaz não é um cristão regenerado, risque-o da sua lista. Ele não é o certo para você. Ainda estou para encontrar uma mulher cristã que não se arrependeu de casar-se com um incrédulo.

2. O mentiroso. Se você descobrir que o homem com quem você namora tem mentido sobre o passado, ou que está sempre cobrindo seus rastros para esconder segredos de você, fuja para a saída mais próxima. Casamento deve ser construído sobre um fundamento de confiança. Se ele não pode ser confiável, termine agora antes que ele te engane com uma decepção ainda maior.

3. O playboy. Eu queria poder dizer que se você encontra um cara legal na igreja, pode assumir que ele vive em pureza sexual. Mas esse não é o caso hoje. Tenho ouvido histórias tenebrosas sobre solteiros que servem na equipe de música no sábado, mas agem como Casanovas durante a semana. Se você se casa com alguém que estava dormindo por aí antes do seu casamento, pode ter certeza de que ele estará dormindo por aí depois do casamento.

4. O caloteiro. Há muitos cristãos firmes que experimentaram o fracasso conjugal anos atrás. Desde o divórcio, eles vêm experimentando a restauração do Espírito Santo e, agora, desejam casar-se novamente. Segundos casamentos podem ser muitos felizes. Mas se você descobre que o homem com quem namora não tem cuidado de seus filhos de um casamento anterior, uma falha falta foi exposta. Qualquer homem que não pague por seus erros do passado ou sustente filhos de um casamento anterior não tratará você com responsabilidade.

5. O viciado. Homens de igreja que têm vícios com álcool ou drogas aprendem a esconder seus problemas – mas você não quer esperar até sua lua-de-mel para descobrir que ele é um bebum. Nunca se case com um homem que se recusa a pedir ajuda por seu vício. Insista que ele consiga ajuda profissional e afaste-se. E não entre em um relacionamento codependente em que ele afirma que precisa de você para ficar sóbrio. Você não pode consertá-lo.

6. O vagal. Eu tenho uma amiga que percebeu depois de casar-se com o namorado que ele não tinha planos de arrumar um emprego fixo. Ele tinha elaborado uma ótima estratégia: ele ficaria em casa o dia todo e jogaria videogame, enquanto sua esposa trabalhadora labutava e pagava todas as contas. O apóstolo Paulo disse aos tessalonicenses: “Se alguém não quiser trabalhar, não coma também.” (2Ts 3:10) A mesma regra aplica-se aqui: se um homem não quer trabalhar, não merece casar com você.

7. O narcisista. Eu sinceramente espero que você encontre um rapaz que é bonito. Mas, seja cuidadosa: se seu namorado gasta seis horas por dia na academia e regularmente posta fotos de seus bíceps no Facebook, você tem um problema. Não se apaixone por um cara egocêntrico. Ele pode ser bonito, mas um homem que está apaixonado pela aparência e por suas próprias necessidades jamais conseguirá te amar sacrificialmente, como Cristo ama a igreja (Ef 5:25). O homem que está sempre se olhando no espelho nunca perceberá você.

8. O abusador. Homens com tendências abusivas não conseguem controlar sua raiva quando a situação esquenta. Se o rapaz que você namora tem a tendência de perder as estribeiras, seja com você ou com outros, não fique tentada a racionalizar seu comportamento. Ele tem um problema e, se você se casar com ela, terá de navegar por esse campo minado todos os dias evitando desencadear outra explosão. Homens irritados machucam mulheres – verbal e, às vezes, fisicamente. Procure um homem que seja gentil.

9. O crianção. Pode chamar-me de antiquado, mas eu suspeito de alguém de 35 anos que vive com seus pais. Se sua mãe ainda está fazendo a comida, a limpeza e passando as roupas dele, pode ter certeza de que ele está parado no tempo. Você está pedindo por problemas se acha que pode ser esposa de um cara que não cresceu. Recue e, como amiga, encoraje-o a encontrar um mentor que possa ajudá-lo a amadurecer.

10. O controlador. Alguns cristãos pensam que casamento se trata de superioridade masculina. Eles podem citar a Escritura e soar super-espirituais, mas, por trás da fachada de autoridade há profunda insegurança e orgulho que pode transformar-se em abuso espiritual. 1 Pedro 3:7 manda que os maridos tratem suas esposas como semelhantes. Se o homem com quem você namora te rebaixa, faz comentários degradantes sobre mulheres ou parece esmagar seus dons espirituais, recue agora. O poder lhe subiu à cabeça. Mulheres que casam controladores religiosos frequentemente terminam em um pesadelo de depressão.

Se você é uma mulher de Deus, não venda sua primogenitura espiritual casando-se com um rapaz que não merece você. A melhor decisão que você pode tomar na vida é esperar por um homem que se entregou a Jesus.

J. Lee Grady - Traduzido por Josaías Jr | Reforma21.org | Original aqui
Megaphone Adventista

8 mulheres com quem um homem cristão não deve casar-se



Aqui estão algumas mulheres que eu digo a meus filhos espirituais evitarem:

1. A incrédula. A Bíblia é absolutamente clara nesse ponto: Cristãos não devem se casar com incrédulos. 2 Coríntios 6:14 diz: “Não vos ponhais em jugo desigual com os incrédulos; porquanto que sociedade pode haver entre a justiça e a iniquidade? Ou que comunhão, da luz com as trevas?”. Fora a decisão de seguir a Cristo, o casamento é a decisão mais importante que você tomará. Não estrague tudo por ignorar o que é óbvio. Você precisa de uma esposa que ame Jesus mais do que te ama. Coloque maturidade espiritual no topo de sua lista de qualidades que deseja em uma esposa.

2. A mimadinha. Um amigo meu estava namorando uma garota de uma família muito rica. Ele economizou algum dinheiro por meses para comprar um anel, mas quando a pediu em casamento, ela disse que ele precisava voltar à joalheria e comprar um diamante maior. Ela forçou seu noivo a se endividar por conta de um anel que alcançasse suas expectativas. Ela desejava um estilo de vida Tiffany com um orçamento de C&A. Eu alertei meu amigo de que eles estava caminhando rumo a problemas muito sérios. A não ser que você queira viver endividado pelo resto de sua vida, não se case com uma garota que tenha cifrões em seus olhos e oito cartões de crédito em sua bolsa da Gucci.

3. A diva. Alguns rapazes machões gostam de se achar e agirem como se fossem superiores às mulheres. Divas são a versão feminina desse pesadelo. Elas pensam que o mundo gira ao seu redor e não pensam duas vezes antes de machucar alguém para provarem seu argumento. Suas palavras são duras e seus estalos nos dedos para exigirem todo tipo de coisas são irracionais. Algumas dessas mulheres podem acabar assumindo posições de liderança na igreja, mas não se engane com seu papo de supercrente. Verdadeiros líderes são humildes. Se você não enxerga humildade piedosa na mulher que está namorando, se afaste e continue buscando.

4. A Dalila. Lembra-se de Sansão? Ele foi ungido por Deus com força sobre-humana, mas perdeu seus poderes quando uma mulher sedutora descobriu seu segredo e deu a seu homem o corte de cabelo mais famoso da história. Como Dalila, uma mulher que não submete sua sexualidade a Deus irá cegá-lo com seu charme, partir seu coração e te tirar do rumo. Se a mulher “cristã” que você conheceu na igreja se veste de forma provocativa, flerta com outros rapazes, posta comentários sexualmente inapropriados no Facebook ou te diz que não vê problemas no sexo antes do casamento, saia desse relacionamento antes que você caia em sua armadilha.

5. A mulher rixosa. Um jovem rapaz me disse recentemente que namorava uma garota que tinha sérios problemas de ressentimento em seu coração por conta de feridas passadas. “Antes de pedi-la em casamento, disse a minha noiva que ela precisava lidar com isso”, ele me disse. “Era pegar ou largar, mas houve avanços notáveis e agora vamos nos casar”. Esse rapaz percebeu que amargura não resolvida pode arruinar um casamento. Provérbios 21:9 diz que “Melhor é morar no canto do eirado do que junto com a mulher rixosa na mesma casa”. Se a mulher que você está namorando está afundada em raiva e falta de perdão, a vida de vocês será arruinada por brigas, batidas de portas e drama sem fim. Insista em orarem juntos e buscarem aconselhamento com pessoas mais experientes na fé.

6. A controladora. O casamento é uma parceria meio a meio, e a única forma de funcionar é quando tanto o marido quanto a mulher se submete um ao outro nos termos de Efésios 5:21. Assim como alguns rapazes pensam que podem levar o casamento como se fosse uma ditadura, algumas mulheres tentam manipular as decisões para realizarem suas vontades. É por isso que o aconselhamento pré-marital é tão importante! Você não quer esperar até estarem casados por duas semanas para descobrir que sua esposa não confia em você e quer tomar todas as decisões sozinha.

7. A filhinha da mamãe. É normal que uma mulher recém-casada ligue para sua mãe em busca de aconselhamento e suporte. Não é normal que ela fale com a mãe cinco vezes por dia sobre cada detalhe do casamento, inclusive sobre a vida sexual. Isso é bizarro. Entretanto, tenho aconselhado rapazes cujas esposas permitem que suas mães (ou pais) tenham total controle de suas vidas. Gênesis 2:24 diz que o homem deve deixar seus pais e viver com sua esposa. Os pais devem observar de longe o casamento de seus filhos. Se sua namorada não busca cortar o cordão umbilical, prossiga com cautela.

8. A viciada. Muitas pessoas na igreja hoje em dia não foram discipuladas apropriadamente. Muitos ainda lutam contra todo tipo de vícios – álcool, drogas ilícitas, remédios controlados ou pornografia – seja porque não confrontamos esses pecados do púlpito ou porque oferecemos apoio compassivo o suficiente para quem passa por isso. Jesus pode libertar completamente alguém desses hábitos, mas você não quer esperar até estar casado para descobrir que sua esposa não consegue ficar sóbria. Vocês podem até se casar futuramente, mas não é sábio juntarem as trouxas até que tenham enfrentado de forma séria esse tipo de problema.

A melhor regra a seguir ao escolher uma esposa está em Provérbios 31:30: “Enganosa é a graça, e vã, a formosura, mas a mulher que teme ao SENHOR, essa será louvada”. Olhe além das qualidades exteriores que o mundo diz serem importantes, e olhe para o coração.

J. Lee Grady | Traduzido por Filipe Schulz | Reforma21.org | Original aqui
Megaphone Adventista

▲ TOPO DA PÁGINA