quarta-feira, 30 de agosto de 2017

Crianças podem participar da Santa Ceia ?

Resultado de imagem para criancas e santa ceia

À luz de 1 Coríntios 11:28-29, gostaria de saber se crianças podem participar da Santa Ceia ou ao menos comer o pão e tomar o vinho não abençoados.

O texto em questão diz: “Examine-se, pois, o homem a si mesmo, e, assim, coma do pão, e beba do cálice; pois quem come e bebe sem discernir o corpo, come e bebe juízo para si.”

Esses dois versos paulinos nos ensinam que:

1. Antes da participação na Santa Ceia, deve ocorrer um auto-exame (para ver se todos os pecados foram confessados a Deus e as ofensas ao próximo). O verbo “examinar” no verso 28, é dokimázo, no original, e significa “colocar em prova” testar, examinar. O ato de se examinar pressupõe idade para isso. Crianças não teriam idade nem condições mentais para cumprir o que Paulo pediu que os crentes de Corinto fizessem.

2. 0 auto-exame, como preparação para a participação na Santa Ceia, pressupõe uma compreensão do seu significado simbólico – participação simbólica da carne e do sangue de Jesus (ver Mt 26:26-28; Jo 6:53-56). Devemos concordar que crianças não têm condições para compreender plenamente os símbolos envolvidos na cerimônia da Santa Ceia.

3. 0 auto-exame pressupõe o batismo, que é uma demonstração pública de que alguém passou a viver espiritualmente, que nasceu de novo (jo 3:3-5). Então, o crente, antes de participar da Ceia, deve fazer uma avaliação dos votos feitos no dia de seu batismo e se sua vida tem
correspondido a esses votos. Para que alguém seja batizado, é necessário que creia em Jesus e O aceite como Salvador (ver Mc 16:15,16). Portanto, deve-se ter idade para crer. Então, vê-se que a Santa Ceia é para pessoas que creram e foram batizadas – e não para crianças que não têm idade nem para crer nem ser batizadas.

4. Auto-exame pressupõe comunhão aberta – todos os que têm idade para crer, ser batizados e se auto-examinar podem participar da Santa Ceia. Não caberia, então, uma pessoa excluir outra da Ceia do Senhor. Mas quem participa deve ter consciência do que está fazendo, pois “quem come e bebe sem discernir o corpo, come e bebe juízo para si” (v. 29).

Alguns crêem que seria bom dar às crianças pão e vinho que foram reservados para elas (e, portanto, não abençoados), no momento em que os pais participam dos mesmos símbolos (só que abençoados). Outros advogam que se poderia dar a elas algumas uvas, no momento em que o suco é servido aos pais. Mas tais práticas não têm base na Bíblia nem no Espírito de Profecia. E também não é o ensinamento da Igreja Adventista do Sétimo Dia. A propósito, vejamos o que nos diz o Manual da Igreja Adventista: “Quem pode participar – A Igreja Adventista do Sétimo Dia pratica a comunhão aberta. Todos os que entregaram a vida ao Salvador podem participar. As crianças aprendem o significado da cerimônia observando a participação dos outros. Depois de receberem instrução formal em classes batismais e fazerem sua entrega a Jesus no batismo, estarão elas mesmas preparadas para participar da cerimônia” (edição de 2005, p. 83).

Há uma esclarecedora citação de Ellen G. White sobre crianças na Santa Ceia:

Após a ceia, quando as horas do tempo sagrado estavam findando, tivemos um agradável período de oração. Tiago conversou com as crianças antes de inclinar-se para orar” (Manuscrito 6, 1859, citado em Mensagens Escolhidas, v. 3, p.263).

Por esse texto, vê-se que havia crianças presentes a uma celebração de Santa Ceia, na qual, tanto a senhora White quanto o marido Tiago estiveram presentes. Mas nada é dito sobre a participação delas ou não. Provavelmente, o pastor Tiago explicou a elas o que acabavam de presenciar, ou seja, os pais e irmãos comendo o pão sem fermento e tomando o puro suco de uva, e o que isso significava.

Em vez de se dar às crianças qualquer alimento que imite os emblemas do corpo e do sangue de Cristo, o ideal seria que os pais explicassem a elas o simbolismo do pão e do vinho, e dizer que, quando tiverem idade para ser batizadas, elas poderão participar desses símbolos. Mas, no momento em que os diáconos servem o pão e o vinho, elas devem ficar em silêncio, observando os membros da família (batizados) participarem.

Quanto à tarefa dos pais em explicar o significado dos símbolos da Santa Ceia às crianças, pode-se aplicar a seguinte citação de Ellen G. White:

A verdadeira reverência para com Deus é inspirada por uma intuição de Sua infinita grandeza e consciência de Sua presença. Com esta percepção do Invisível deve ser profundamente impressionado o coração de toda criança. Deve-se ensiná-la a considerar como sagrados a hora e o lugar das orações e cerimônias do culto público, porque Deus está ali” (Educação, p. 242-243).

Por Ozeas C. Moura, editor na Casa Publicadora Brasileira.

sexta-feira, 25 de agosto de 2017

Sete razões que farão do Céu o lugar ideal

Imagem relacionada

"Vi novo Céu e Nova terra." (Apocalipse 21:1)

Pelo menos por sete razões o Céu será um lugar perfeito:

1. Teremos um novo corpo (1Co 15:50-54; 2Co 5:4)
Nosso corpo atual se cansa, sente dores e se torna enfermo. Com o tempo, envelhece e torna-se lento. Nossos olhos se escurecem, e a audição diminui. Surgem as rugas, e a gravidade nos vence. A maioria das pessoas não está feliz com o corpo. Milhões são gastos em cirurgias e tratamentos para corrigir ou cobrir as imperfeições. No Céu, não precisaremos mais desses recursos.

2. Viveremos na melhor casa que se pode imaginar (Jo 14:1-4)
Aqui não há nenhuma casa perfeita. Nossa família mudou-se muitas vezes. Nunca estivemos plenamente realizados com as casas. Sempre havia algum problema, como quartos apertados, falta de espaço, linhas telefônicas ou abastecimento de água precários, neve para ser removida ou escadas que me faziam sentir como se estivesse me preparando para escalar o Everest. No Céu, viveremos na casa perfeita. Se em seis dias Deus fez este mundo extraordinário, o que Ele não estará preparando em milênios?

3. Teremos alimento incomparável (Ap 19:9; Mt 8:11)
Qual o melhor restaurante em que você já comeu? Ou talvez você nunca se deu a esse luxo. Em uma enorme mesa, participaremos do melhor cardápio possível, sendo que o chef é o próprio Jesus.

4. Encontraremos pessoas interessantes (Hb 11:39, 40)
Por anos, ouvimos falar delas. Chegará, então, o momento de encontrá-las. Com quem você mais gostaria de conversar? Adão? Eva? Moisés? Rute? Daniel? Pedro? Paulo? Nicodemos? Zaqueu? Eles serão seus amigos na eternidade.

5. Reencontraremos nossos queridos (1Ts 4:13-17)
Penso em meu pai, minha mãe, irmãos e amigos. Desejo vê-los outra vez e ouvir sua voz. Quero ver fisionomias que nunca esqueci e segurar-lhes as mãos.

6. O Céu será a terra do “não mais” (Ap 7:16, 17; 21:4)
Não mais fome, sede, desencantos, lágrimas, morte, separações. Não mais insegurança nem portas fechadas. Nada de injustiça, violência, coisas impuras nem pessoas más. Pense nas coisas que aqui desgostam você. Elas não estarão lá. Não haverá mais pecados e quedas (Ap 21:27).

7. A mais radiante e doce razão (1Jo 3:2; Ap 22:4)
Veremos Deus Pai, Filho e Espírito Santo face a face.

Amin A. Rodor (Meditações Diárias: Encontros com Deus, p. 368)

quinta-feira, 24 de agosto de 2017

Meu Deus é Incrível ( My God is Awesome - Legendado ) - Coral Igreja Batista San Francisco

quarta-feira, 23 de agosto de 2017

Seis Razões Por Que o Canto Congregacional Está em Declínio

Resultado de imagem para canto congregacional
por: Thom S. Rainer

Sei que estou tocando em alguns temas sensíveis em um único post: o volume da música; iluminação no meio do culto; preferências musicais; e apresentação versus canto participativo.

Mas aqui está a realidade evidente em muitas congregações: o canto congregacional está em declínio em muitas igrejas. Em algumas delas, ele parece ter desaparecido completamente.

Vou tentar discutir esta realidade a partir de uma perspectiva imparcial, pelo menos na maior parte. […] Quais são, então, as principais razões por que menos pessoas estão cantando na igreja? Por que esse ato de adoração diante de Deus tornou-se nominal em muitos contextos? Aqui estão seis razões:

Alguns membros de igreja não se preparam para a adoração. Vamos ao culto para julgar, para cumprir uma obrigação ou para satisfazer um hábito. Não oramos para que Deus faça sua obra em nós através da adoração. Se não tivermos uma canção em nosso coração, não teremos uma canção em nossas bocas.

Não conhecemos as músicas. Cantamos as músicas que conhecemos. Isso é óbvio. Mas se formos trazidos a uma afluência constante de novas canções, sem tempo suficiente para aprendê-las, não participamos. O melhor canto congregacional inclui tanto o que já conhecemos como o novo, mas os líderes de louvor ensinam as novas músicas até que as conheçamos e a amemos.

As músicas não são cantadas em uma variação que nos possibilite participar. Muitos músicos formados possuem um alcance vocal mais amplo na qual conseguem cantar. A maioria de nós, não. Se se espera que cantemos em uma variação que está além de nossa capacidade, não tentaremos. Os líderes de louvor decidem, intencionalmente ou não, se querem conduzir a congregação ou se apresentarem para o público.

A iluminação comunica apresentação, em vez de participação. Participamos no canto quando ouvimos uns aos outros e vemos uns aos outros. Se a iluminação para a congregação é fraca, mas forte para o palco, estamos comunicando que o que temos ali é uma apresentação. Deste modo, falhamos em comunicar que a adoração mediante o canto deve incluir todos os presentes.

A música é alta demais para ouvir os outros na congregação. Há um número razoável de comentários sobre os níveis certos de decibéis para a música em um culto de adoração. A questão maior, contudo, é se podemos ouvir os outros. Se ouvimos as vozes dos demais, somos encorajados a participar. Se a música é tão alta que só podemos ouvir a nós mesmos, a maioria de nós terá um ataque de nervos. E depois ficaremos em silêncio.

Os líderes de louvor não escutam a congregação. Se os líderes de louvor verdadeiramente desejam conduzir a congregação no canto, eles devem ser capazes de ouvi-la. Alguns podem apenas ouvir os instrumentos e as vozes do palco vindas das caixas. E alguns possuem monitores de ouvido onde eles estão verdadeiramente bloqueando as vozes da congregação. O canto congregacional torna-se poderoso quando bem conduzido. E ele só pode ser bem conduzido se os líderes de louvor puderem ouvir aqueles que eles estão conduzindo.

Pode ser que sua única perspectiva sobre essa questão seja a de que você de fato não liga se a congregação consegue ser ouvida cantando. Mas se seu desejo for verdadeiramente alçar todas as vozes perante Deus, algumas coisas precisarão mudar.

Fonte: Adaptado de Cante as Escrituras

Tradução: Leonardo Bruno Galdino. Revisão: Filipe Castelo Branco. (2017)

terça-feira, 22 de agosto de 2017

Deus pode criar uma pedra tão pesada que Ele mesmo não possa levantá-la?

Deus criaria uma pedra que Ele não conseguisse levantar

Se a resposta for SIM, Deus não seria todo-poderoso, pois Ele não teria o poder de levantar a pedra em questão.

Se a resposta for NÃO, Deus também não seria todo-poderoso, pois haveria pelo menos uma coisa que Ele não poderia fazer: criar a referida pedra.

Este é o famoso Paradoxo da Onipotência. Ou seja, de qualquer maneira, teríamos um Deus que não seria todo-poderoso e, portanto, que nem mesmo Deus seria, já que a onipotência é uma das características essenciais de Deus.

Se entendemos que Deus é criador do Universo, como Ele não poderia criar uma pedra como esta da pergunta?

Geralmente quem usa esse Paradoxo da Onipotência, não conhece o verdadeiro conceito de onipotência de Deus. As pessoas geralmente pensam que o fato de Deus ser todo-poderoso (onipotente), representa a sua capacidade de fazer qualquer coisa que queira. Não, não funciona assim!

Qualquer pessoa tem a capacidade de fazer algumas coisas que Deus não pode fazer e nem por isso somos onipotentes.

Exemplos de coisas que podemos fazer mas o Deus todo-poderoso não pode: Pecar, mentir, trapacear, enganar, fazer o mal, ser incoerente, entre outros.

Logicamente não estamos dizendo para alguém fazer essas coisas, mas é fato que temos o poder de fazê-las se quisermos, o que Deus não tem.

Mas, como é que dizemos que Deus é onipotente se Ele não pode tudo?
Dizemos isso porque o conceito de onipotência de Deus não é poder fazer tudo, mas sim poder fazer tudo que não seja contrário à sua natureza, à sua Palavra, ou ao seu caráter.

E o que isso tem a ver com a história da pedra do título deste artigo? 
Conforme vimos, a coerência é da natureza de Deus. Porém, alguém pode estar se perguntando: “Ok, entendi que Deus é coerente e que isso emana da sua natureza, mas Ele não poder criar uma pedra tão pesada que Ele mesmo não possa levantá-la, seria algo incoerente?”

Sim, seria uma grande incoerência, pois isso é uma falácia do raciocínio. A falácia está em considerar que algo finito (pedra) poderia limitar um Ser infinito (Deus). Ou seja, a falácia da pergunta decorre de misturar na mesma categoria de coisas, categorias diferentes: finito e infinito.

Em outras palavras, Deus não pode criar uma pedra que Ele mesmo não possa levantar, mas isso não tem nada a ver com ausência de onipotência. Supor que um ente finito limitaria o poder de um Ser infinito é contrário a lógica, é incoerente, e, portanto, contrário à natureza de Deus.

Outro exemplo bem simples é sugerir que Deus possa criar um quadrado redondo, o que é logicamente impossível, são categorias de coisas diferentes, portanto se não é lógico, não é algo que Deus possa fazer e nada O desmerece em sua onipotência.

Conclusão
Como onipotência divina é fazer tudo que seja de acordo com a natureza de Deus, dele não se pode esperar que faça algo contrário a ela.

Este vídeo abaixo também explica um pouco essa questão, mas com foco na relação entre a onipotência de Deus e a nossa liberdade de escolha (livre-arbítrio):




Fonte: Tassos Lycurgo, Defense Of Faith

Matemático e filósofo falando sobre sua fé em Jesus Cristo (John Lennox)...

segunda-feira, 21 de agosto de 2017

Modelo bíblico de pregação: como posso ser um pregador?



Cada pessoa recebe um ou vários dons, é importante que você descubra quais são os seus dons e os use para revelar o amor de Deus às pessoas ao seu redor. O segredo de um sermão edificante e que alcance o coração das pessoas pelo poder de Deus, assim como o seu, depende de quanto o pregador vive a mensagem.

A mensagem deve revelar a sua experiência pessoal com Deus e com a Palavra. Aprofunde essa experiência a cada dia. Peça a plenitude do Santo Espírito e esteja aberto a impressão do Senhor quanto a mensagem que a igreja precisa. Ore por um coração sensível a voz do Espírito Santo. ‘“Senhor, ensina-nos a pregar!” Seria bom que os discípulos tivessem feito esse pedido a Cristo, tal como o fizeram com respeito à oração. Teríamos então todos os benefícios de algumas orientações práticas sobre pregação, recebidas diretamente do Mestre dos pregadores. Ao examinarmos a vida e o ensino de Jesus, descobrimos muitos princípios que podem revolucionar nosso ministério da pregação.

domingo, 20 de agosto de 2017

Pr. Ted Wilson e a Música na Igreja

Resultado de imagem para Pr. Ted Wilson e a Música na Igreja
por: Pr. Ted Wilson

Pergunta: Que tipo de música deveríamos ter em nossos cultos na igreja, e qual deveríamos ouvir fora da igreja? (…) — Rajiv, da Índia

Resposta: Rajiv, (…) é maravilhoso que você esteja pensando acerca do tipo de música ao qual devemos ouvir, pois a música tem um profundo efeito sobre cada um de nós, e particularmente sobre as crianças.

Com relação à música na igreja, encorajo a todos que resistam aos estilos de adoração e de música que tem mais a ver com entretenimento egocêntrico do que com a humilde adoração a Deus. Devemos reconhecer que temos muitas culturas diferentes e diferentes estilos de adoração em nossa igreja mundial, mas todos eles devem trazer glória a Deus, e não aos participantes, incluindo pregadores, músicos, etc. Precisamos nos concentrar em adorar a Deus e não a exaltar o eu. A música deve nos elevar à sala do trono celestial. Não quero ofender ninguém, e essa é a minha opinião pessoal, mas se a música soa como se fosse parte de um concerto de rock pesado ou um clube noturno, é nesses lugares que ela deveria ficar.

Há alguns anos atrás, nossas lições da Escola Sabatina se concentraram no assunto da adoração. Na lição intitulada “Adoração, Música e Louvor”, Rosalie H. Zinke, a principal autora, fornece alguns pontos muito úteis. Ela escreveu:

“O importante na música de adoração é que ela nos conduza ao mais nobre e melhor, que é o Senhor. Ela deve apelar, não aos elementos mais baixos de nosso ser, mas aos mais nobres. A música não é moralmente neutra: ela pode nos levar a algumas das experiências espirituais mais elevadas, ou pode ser usada pelo inimigo para nos degenerar e degradar, para revelar desejos e paixão, desespero e ira. …”

“A música em nossos cultos de adoração deve ter um equilíbrio entre os elementos espirituais, intelectuais e emocionais. As letras, em harmonia com a música, devem nos elevar, enobrecer nossos pensamentos e nos fazer desejar mais o Senhor, que tanto tem feito por nós. O tipo de música de que precisamos para a nossa adoração é aquele que pode nos levar ao pé da cruz e que pode nos ajudar a perceber o que nos foi dado em Cristo.”

Para ler a lição completa, visite esta página

A pergunta sobre o que ouvir pessoalmente é, logicamente, uma decisão pessoal. Creio que aquilo que ouvimos (ou assistimos) deve ser edificante e nos levar para mais perto de Deus. A Bíblia nos dá um conselho excelente em Filipenses 4:8:

“… tudo o que é verdadeiro, tudo o que é respeitável, tudo o que é justo, tudo o que é puro, tudo o que é amável, tudo o que é de boa fama, se alguma virtude há e se algum louvor existe, seja isso o que ocupe o vosso pensamento. (ARA)”

Finalmente, encorajo você a estudar em oração Apocalipse 4 e 5, e creio que o Espírito Santo guiará cada um de nós às formas apropriadas de adoração e música.

sábado, 19 de agosto de 2017

7 dicas para abolir os sermões “água com açúcar”

Resultado de imagem para 7 dicas para abolir os sermões “água com açúcar”

Uma das principais razões de igrejas estarem mortas espiritualmente é a falta de sermões bíblicos expositivos, que exponham a Palavra de Deus assim como ela é. Lamentavelmente, os irmãos estão anêmicos na fé porque os pregadores insistem em dar “água com açúcar” para o povo de Deus, ao invés do alimento sólido e nutritivo que encontramos nas Escrituras.

Todo pregador cristão faria um grande favor para Deus se meditasse com interesse e reverência em Hebreus 5.12-14, onde Paulo adverte contra o ingerir somente “leite espiritual”. Imagine o que ele diria dos (não todos) sermões fracos de hoje em dia!

A realidade que percebo em todas as igrejas por onde passo é que muitos oradores pensam que pregar na igreja é simplesmente “ler a Bíblia e falar sobre ela”.

Isso está errado!

sexta-feira, 18 de agosto de 2017

Os Dez Mandamentos apresentados por Ellen G. White

Resultado de imagem para Os Dez Mandamentos apresentados por Ellen G. White

Segue a transcrição, de forma sucinta, dos Dez Mandamentos conforme apresentados no livro Os Escolhidos (versão na linguagem de hoje do livro Patriarcas e Profetas, cap. 27, de Ellen G. White):

1. “Não terás outros deuses além de Mim” (Êxodo 20:3). Qualquer coisa que acariciamos, que tenda a minimizar o nosso amor a Deus ou venha a interferir no culto que deve ser prestado somente a Ele, fazemos disso um deus.

2.“Não farás para ti nenhum ídolo, nenhuma imagem. […] Não te prostrarás diante deles nem lhes prestarás culto” (Êxodo 20:4). A intenção de representar o Eterno por meio de objetos materiais rebaixa nossos conceitos de Deus. Nossa mente é atraída para a criatura e não para o Criador. Quando os conceitos a respeito de Deus são rebaixados, da mesma forma o homem também é degradado.

3. “Não tomarás em vão o nome do Senhor, o teu Deus, pois o Senhor não deixará impune quem tomar o Seu nome em vão” (Êxodo 20:7). Esse mandamento nos proíbe de usar o nome de Deus de maneira descuidada. Ao mencionar Deus impensadamente na conversação comum e pela frequente repetição irrefletida de Seu nome, nós O desonramos.

4. “Lembra-te do dia de sábado para santificá-lo” (Êxodo 20:8). O sábado não é apresentado como uma nova instituição, mas como um tempo que foi estabelecido desde a criação. […] O sábado é um sinal de nossa lealdade a Ele. O quarto mandamento é o único entre os dez que traz tanto o nome como o título do Legislador, o único que mostra por autoridade de quem a lei foi dada. Portanto, ele contém o selo de Deus. […] Todo trabalho desnecessário deve ser estritamente evitado.

5.“Honra teu pai e tua mãe, a fim de que tenhas vida longa na terra que o Senhor, o teu Deus, te dá” (Êxodo 20:12). Os pais têm o direito a um grau de amor e respeito que a nenhuma outra pessoa devem ser dados. Rejeitar a legítima autoridade dos pais é rejeitar também a autoridade de Deus.

6.“Não matarás” (Êxodo 20:13). Todos os atos de injustiça praticados (até mesmo desejar intimamente o mal de alguém), ser negligente no cuidado dos necessitados e até o excesso de trabalho que venha a prejudicar a saúde – todas essas coisas, em maior ou menor grau, são uma forma de transgressão ao sexto mandamento. 

7.“Não adulterarás” (Êxodo 20:14). A lei de Deus requer pureza não somente na vida exterior, mas também quanto às intenções e emoções secretas do coração.

8.“Não furtarás” (Êxodo 20:15). Esse mandamento exige estrita integridade nos mínimos detalhes da vida. Proíbe negócios duvidosos e requer o pagamento justo de dívidas e salários. Toda tentativa de obter vantagem pela ignorância, fraqueza ou infelicidade de outros é registrada como fraude nos livros do Céu.

9.“Não darás falso testemunho contra o teu próximo” (Êxodo 20:16). Toda intenção de enganar se constitui uma falsidade. Um olhar, um movimento da mão, uma expressão do rosto podem representar uma falsidade tão eficaz quanto o que se diz por palavras. Toda tentativa de prejudicar a reputação do próximo é considerada uma transgressão do nono mandamento. 

10.“Não cobiçarás” nada do teu próximo (Êxodo 20:17). Esse mandamento atinge a própria raiz de todos os pecados; proíbe o desejo egoísta, do qual nasce o ato pecaminoso.

quinta-feira, 17 de agosto de 2017

Ellen G. White e os anjos que assumem forma humana

Imagem relacionada

Anjos visitantes
O Senhor gostaria que tivéssemos percepções agudas para entender que esses seres poderosos que visitam nosso mundo têm uma parte ativa em toda obra que temos considerado como nossa. Esses seres celestiais são anjos ministradores e frequentemente se disfarçam na forma de seres humanos. Como estranhos conversam com aqueles que estão empenhados na obra de Deus. Em lugares isolados têm sido companheiros de viajantes em perigo. Em navios castigados pela tempestade, anjos em forma humana têm proferido palavras de animação para desviar o temor e inspirar confiança na hora do perigo, e os passageiros têm julgado que era um dentre eles com quem nunca antes haviam falado.

Bate papo sobre ciência e religião com o casal Lütz

domingo, 13 de agosto de 2017

A gafe de Richard Dawkins | Ravi Zacharias

Por que adorar um Deus que proíbe o conhecimento? | John Lennox

sexta-feira, 11 de agosto de 2017

Palmas Ritmadas no Culto


por:Rolando de Nassau

O objetivo do culto em nossas igrejas não é atrair os descrentes ou agradar os crentes, mas adorar a Deus em concordância com os preceitos da reverência a Ele, referidos na Bíblia.

Com efeito, referências às palmas ritmadas só aparecem no Velho Testamento: nenhuma das oito passagens (II Reis 11:12; Jó 27:23; Jó 34:37; Salmos 47:1; Salmos 98:8; Isaías 55:12;Lamentações 2:15; Naum 3:19) faz a conotação entre “palmas” e “canto”.

Nos cultos de adoração, realizados no tabernáculo, no templo de Jerusalém e nas sinagogas, não havia a prática das palmas ritmadas.A Bíblia não autoriza a marcação, com palmas, do ritmo das músicas nos cultos das igrejas cristãs.

Na liturgia católica, não são admitidas as palmas ritmadas, e não é usada a bateria ou outro instrumento de percussão. Essa prática foge completamente da tradição litúrgica do rito romano.

Na música profana, é incentivado o uso da dança e das palmas.Parece que essa prática é uma revivescência da cultura africana.As músicas (lundu, maracatu, samba, candomblé, catimbó, xangô) e os cultos das religiões africanas, afro-americanas e afro-brasileiras caracterizam- se por danças e palmas ritmadas. Os macumbeiros acham que o bater de palmas pode despertar os orixás. Para alguns entendidos, ajuda as giras da umbanda e cria um amplo campo de vibração, que facilita a conexão com os orixás. Nessas ocasiões, são tocados os atabaques.

Nas rodas de capoeira, quando é percutido o berimbau, são elementos importantes a ginga e os cânticos acompanhados de palmas ritmadas.

Nos concertos de música “pop”, os roqueiros usam as palmas ritmadas para tornar mais coeso o canto das multidões.

Na música folclórica, podemos citar “tamboritos”, a dança mais tradicional do Panamá; uma cantora é acompanhada por um coro de palmas ritmadas e três tambores. Também existe o “congo”, mais frequente nas comunidades negras, que se expressa com movimentos sensuais.

Na Espanha, ainda são atrações para os turistas os dançarinos do “flamenco”, dança muito sensual, acompanhada pelos guitarristas.

Existem igrejas evangélicas que cometem equívocos, em relação à dança e às palmas ritmadas. A equipe-de-louvor, acompanhada por instrumentos, executa ritmos e estilos da música popular profana, em substituição ao coro; foi um dos recursos escolhidos pelas igrejas que tiveram, a partir da década de 90, de cumprir a meta do crescimento rápido e extraordinário.

Essas igrejas consideraram também que as novas tecnologias da informação e da comunicação ajudariam a atingir aquela meta, mesmo que fosse necessário alterar o formato e o ambiente do culto.

Para tanto, o culto deveria ser planejado para atrair os não-crentes e os sem-igreja, de qualquer nação, raça, cor, formação cultural ou até mesmo opção sexual, além dos membros de outras igrejas.As esperadas multidões seriam atraídas por canções curtas e alegres, reproduzidas por “play-backs”. No Brooklyn, essas canções tomam boa parte do culto.

Essas “técnicas”, até certo ponto, tiveram êxito, à custa do artificialismo do culto, do mecanicismo do canto e da música, da sensualidade de certas atividades, da escassez da oração e da leitura bíblica, e da superficialidade da pregação.

quarta-feira, 9 de agosto de 2017

16 benefícios da relação sexual para a saúde

Resultado de imagem para 16 benefícios da relação sexual para a saúde
O sexo é bom, perfeitamente natural e prazeroso. É um presente de Deus às Suas criaturas, para ser desfrutado em sua plenitude. A expressão bíblica “tornando-se os dois uma só carne” (Gênesis 2:24) significa que o ato sexual entre marido e mulher, além de ser um meio reprodutivo, tem uma função psicológica, isto é, deve preencher as necessidades emocionais e afetivas do casal, e como veremos abaixo, também pode ser muito benéfico para a saúde. Sem dúvida, Deus deseja que tenhamos uma sexualidade saudável, o que significa esperar nele para encontrarmos amor e companheirismo autêntico, formando o vínculo do matrimônio – ambiente propício para a expressão física do amor.

sábado, 5 de agosto de 2017

Palestra fantástica com o tema: “A Natureza e o Ajuste Fino”

A palestra foi ministrada pelo Dr. Paulo Sarvezuk. Ele é Bacharel em Física pela Universidade Estadual de Maringá (UEM), Especialista em HERCULES pelo Centre National de la Recherche Scientifique, França. Também é Mestre em Física pela UEM e Doutor em Física pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). É Pós-Doutor em Propriedades Físicas dos Metais e Ligas pela UEM. Atualmente, é Professor da Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR).



sexta-feira, 4 de agosto de 2017

5 razões pelas quais adolescentes precisam de Teologia

Imagem relacionada

O mundo pode ser muito confuso para os adolescentes. Estamos crescendo em um contexto de mudança moral, em que os desafios mais urgentes e os críticos culturais em destaque estão sempre mudando e em conflito. Nós vemos escândalos, terrorismo, Trump, nova ética sexual e intensas tenções raciais. Então, pensamos: o que devo pensar sobre tudo isso?

A sociedade secular dá suas respostas, que nunca são compatíveis com cosmovisão cristã.

Eu vejo uma melhor ferramenta para encontrar respostas para as perguntas dos cristãos adolescentes, como eu: teologia.

Por que teologia para adolescentes?
Tenho certeza que você sabe o que teologia é. Mas, às vezes, as pessoas têm visões obscurecidas de algumas palavras por causa de experiências passadas. Quero que saiba que estou falando da mais simples definição de teologia: o estudo sobre Deus.

Como seguidora de Jesus, eu acredito que estudar o caráter de Deus é o que os adolescentes precisam para encararmos nosso terrível e complicado mundo. Isso é o que nos dará esperança para lidarmos com nosso futuro, tendo um firme comprometimento com a verdade de Deus.

▲ TOPO DA PÁGINA