sábado, 29 de setembro de 2018

Caem por terra mais duas evidências da evolução

Imagem relacionada

Fósseis que não eram fósseis e ossos de patas que não eram patas… A vida não está nada fácil para os evolucionistas, afinal, duas evidências apresentadas ad nauseam na imprensa, em artigos científicos e livros didáticos simplesmente caíram por terra com novas e mais acuradas pesquisas científicas.

O primeiro caso trata-se dos chamados “fósseis mais antigos do mundo” – os microfósseis de supostos 3,4 bilhões de anos de Apex Chert. De acordo com os pesquisadores, pilhas de minerais acabaram manchadas durante a circulação de fluidos, dando a impressão de haver fósseis dentro das rochas – mas não havia nada. Os novos dados foram publicados na revista Proceedings, da Academia Nacional de Ciências dos EUA.

O segundo caso é o da “pata” das baleias. Quem já não ouviu o mito evolucionista segundo o qual a vida terrestre teria surgido a partir de vertebrados que deixaram o ambiente aquático para viver em terra firme? Segundo os evolucionistas, alguns desses animais teriam voltado a viver na água, centenas de milhões de anos depois de terem saído de lá. Os ancestrais das baleias seriam um exemplo desses migrantes. E a grande “prova” apresentada pelos defensores dessa hipótese são alguns ossos encontrados no corpo das baleias e que parecem ser o que teria sobrado de patas primitivas de algum ancestral delas. Dizia-se que esses ossos não tinham função alguma, e por isso eram tratados como “órgãos vestigiais” capazes de “comprovar” o suposto passado terrestre dos ancestrais da baleia.

Pois bem, essa foi outra “prova” detonada pelos fatos e pela pesquisa séria. Novos estudos indicam que esses ossos pélvicos não têm nada a ver com patas primitivas. E definitivamente não se trata de “órgãos vestigiais”. Eles têm uma função importante: apoiar os músculos que controlam o pênis da baleia. Resumindo: aqueles ossos têm funções reprodutoras e não locomotoras. A pesquisa foi publicada por J. P. Dines, com o título “Sexual selection targets cetacean pelvic bones” (Evolution, 3/11/2014).

Imagine o trabalhão (e o gasto) que os editores de livros didáticos que apoiaram por anos essas historinhas terão para reescrever tudo…

Nada como um dia depois do outro e uma pesquisa depois da outra.

sábado, 22 de setembro de 2018

Instagram Bíblia e a Ciência



Olá queridos amigos e amigas que acompanham este ministério por tantos anos. Me chamo Douglas e sou o administrador deste blog. Venho por meio desta postagem convida-los para que acompanhem este ministério também no Instagram, onde são publicadas imagens inspiradoras, vídeos, avisos dos eventos criacionistas e de arqueologia bíblica espalhados pelo Brasil, entre outras postagens de qualidade, edificantes e úteis que vocês já reconhecem a longa data. Um abraço fraternal e aguardo vocês nessa rede social! Segue abaixo o link para acesso:

https://www.instagram.com/bibliaeaciencia/?hl=pt-br

TV Leão - #Reportagem - Exclusivo... O Segundo Episódio de A Igreja Adventista do Sétimo Dia

TV Leão - #Reportagem - A Igreja Adventista. Porque Eles Guardam o Sábado?

segunda-feira, 17 de setembro de 2018

Florestas na Antártida?


Uma pesquisadora britânica citada em matéria recente do jornal Folha de S. Paulo afirmou que a Antártida era um “paraíso tropical” há cerca de 40 milhões de anos (segundo a cronologia evolucionista, evidentemente). Jane Francis, do Colégio de Meio Ambiente da Universidade de Leeds, afirma que o continente gelado, que hoje tem uma camada de quatro quilômetros de gelo, foi uma região de clima quente e fauna rica. “Durante a maior parte da história geológica da Antártida a região estava coberta por bosques e desertos, um lugar que tinha um clima quente”, disse Francis. “Muitos animais, incluindo dinossauros, viviam na região. Foi no passado geológico recente que o clima esfriou”, acrescentou.

Em 2008, cientistas americanos e britânicos anunciaram ter descoberto novas florestas fósseis de supostos 300 milhões de anos em minas de carvão em Illinois, nos Estados Unidos. De acordo com matéria publicada no site da BBC Brasil, a antiga vegetação, hoje transformada em rocha, é remanescente das primeiras florestas tropicais do mundo.

Segundo o paleontólogo Howard Falcon-Long, da Universidade de Bristol, “a floresta […] é dominada por árvores de musgo altas, gigantes”. Mas, então, por algum motivo, “todo o sistema entra em colapso e se reorganiza, é substituído por uma vegetação de samambaias e ervas, um ecossistema completamente diferente”, completa. Um ecossistema devastado e substituído por outro inicialmente de plantas menores… Faz pensar.

Segundo a equipe liderada pelos pesquisadores, algumas das florestas chegam a se espalhar por 10 mil hectares – o tamanho de uma cidade. Eles já haviam anunciado uma descoberta semelhante em 2007. De lá para cá, outras cinco florestas foram descobertas.

De acordo com a BBC, os cientistas disseram ter encontrado as florestas em camadas, umas sobre as outras. “Para eles, o terreno antigo experimentou repetidos períodos de subsidência e inundações, que enterraram as matas em uma sequência vertical”, diz a reportagem. Ou teria sido uma única catástrofe hídrica a responsável por essa superposição, com tamanha quantidade de vegetação?

A verdade é que, segundo a Bíblia, todo o planeta foi originalmente criado como um imenso jardim, com vastas florestas que, durante e depois do dilúvio, acabaram se tornando nos enormes depósitos de carvão. E isso está de acordo com as recentes descobertas científicas.

De acordo com o Dr. Clyde Webster Jr., “o processo atual mais semelhante ao da formação de carvão é a formação de turfa. Turfa é o material residual marrom escuro a preto produzido pela decomposição parcial de musgos, árvores e outras plantas que crescem em pântanos e brejos. Os cientistas estimam que seriam necessários de 0,6 a 6,1 metros de turfa para formar 0,3 metro de carvão. A variação de valores depende do tipo de carvão. Se tomarmos uma média de 3 metros de turfa para formar 0,3 metro de carvão, seriam necessários 91 metros de turfa para produzir uma camada de carvão com 9,1 metros de espessura. Há poucas turfeiras, charcos ou pântanos em qualquer lugar do mundo que alcançam uma profundidade de 30 metros. Como poderiam as turfeiras explicar filões de carvão de 91 metros?” (Clyde L. Webster Jr., A Perspectiva de um Cientista Sobre a Criação e o Dilúvio, p. 20).

Michelson Borges

quinta-feira, 13 de setembro de 2018

The Record Keeper - E11 "The End Of The Beginning" (O Guardião de Registros - E11 "O Fim do Início")

quarta-feira, 12 de setembro de 2018

Atualização sobre o período limite dilúvio/pós-dilúvio


Qual teria sido o exato momento em que o dilúvio terminou? O fim do dilúvio teria marcado qual período geológico correspondente a essa grande catástrofe? Durante décadas, os cientistas criacionistas têm debatido sobre o limite/fronteira em que o dilúvio teria terminado no registro geológico e dado início ao período pós-diluviano. A maioria dos cientistas criacionistas concorda que o limite entre o dilúvio e o período pós-diluviano está em uma das duas fronteiras: (1) no topo do período Cretáceo, conhecido como o limite K-Pg (anteriormente chamado de limite KT; ver figura abaixo),[1, 2] ou (2) no topo ou perto do topo do período Neógeno (Era Cenozoica Superior), em torno do nível da época Plioceno.[3, 4]

Essa época estaria próxima do período correspondente à “Era do Gelo” (conforme escala evolutiva do tempo geológico). Em termos bíblicos, a “Era do Gelo” teve lugar cerca de 120 anos após o dilúvio. O mais interessante é que uma pesquisa criacionista definiu essas camadas de rochas do Cenozoico Superior – correspondente às camadas da “Era do Gelo” – como sendo depósitos de inundação.[4]


A primeira ilustração de um modelo unificador apresentado em português, que tentou compatibilizar o limite KT como representando o fim do dilúvio e o começo do período pós-diluviano, foi publicada em 2002 no livro Uma breve História da Terra, de autoria do geólogo criacionista brasileiro Dr. Nahor de Souza Neves (ver figura abaixo).

The Record Keeper - E10 "The Counselor" (O Guardião de Registros - E10 "O Conselheiro") LEGENDADO

terça-feira, 11 de setembro de 2018

The Record Keeper - E9 "The Execution" (O Guardião de Registros - E9 "A Execução") LEGENDADO

segunda-feira, 10 de setembro de 2018

The Record Keeper - E8 "The Summit" (O Guardião de Registros - E8 "O Pináculo") LEGENDADO

domingo, 9 de setembro de 2018

The Record Keeper - E7 "The Heist" (O Guardião de Registros - E7 "O Assalto") LEGENDADO

sábado, 8 de setembro de 2018

The Record Keeper - E6 "The Interrogation" (O Guardião de Registros - E6 "O Interrogatório") LEGENDA

sexta-feira, 7 de setembro de 2018

The Record Keeper - E5 "The Song" (O Guardião de Registros - E5 "A Canção") LEGENDADO

quinta-feira, 6 de setembro de 2018

The Record Keeper - E4 "The Tower" (O Guardião de Registros - E4 "A Torre") LEGENDADO

quarta-feira, 5 de setembro de 2018

The Record Keeper - E3 "The Rain" (O Guardião de Registros - E3 "A Chuva") LEGENDADO

terça-feira, 4 de setembro de 2018

The Record Keeper - E2 "The Dream" (O Guardião de Registros - E2 "O Sonho") LEGENDADO

segunda-feira, 3 de setembro de 2018

The Record Keeper - E1 "The Defection" (O Guardião de Registros - E1 "A Deserção") LEGENDADO

▲ TOPO DA PÁGINA