segunda-feira, 7 de janeiro de 2013

Quem morreu na Cruz: O lado Divino, Humano ou Divino-Humano de Jesus?



Este é um assunto complexo e de fácil distorção, no qual muitos são tentados a substituir a revelação divina por suas próprias teorias especulativas. Mas existem algumas declarações inspiradas que nos ajudam a compreender melhor o assunto. Por exemplo, em Isaías 9:6, Cristo é chamado de “Pai da Eternidade”. Em João 11:25, Ele mesmo afirma: “Eu sou a ressurreição e a vida”. Em João 10:17, 18, Ele acrescenta: “porque Eu dou a Minha vida para a reassumir. Ninguém a tira de Mim; pelo contrário, Eu espontaneamente a dou. Tenho autoridade para a entregar e também para reavê-la.” E no livro O Desejado de Todas as Nações, p. 530, Ellen G. White diz: “Em Cristo há vida original, não emprestada, não derivada.”

Em harmonia com essas declarações, Ellen White argumenta no livro Mensagens Escolhidas, v. 1, p. 301: “Aquele que disse: ‘Dou a Minha vida para tornar a tomá-la’ (João 10:17), ressurgiu do túmulo para a vida que estava nEle mesmo. A humanidade morreu; a divindade não morreu. Em Sua divindade, possuía Cristo o poder de romper os laços da morte. Declara Ele que tem vida nEle mesmo, para dar vida a quem quer. [...] É Ele a fonte, o manancial da vida. Unicamente Aquele que tem, Ele só, a imortalidade, e habita na luz e vida, podia dizer: ‘Tenho poder para a dar [a vida], e poder para tornar a tomá-la.’ João 10:18.”

Nos comentários de Ellen White em The Seventh-day Adventist Bible Commentary, v. 5, p. 1.113, o mesmo conceito é corroborado: “Foi a natureza humana do Filho de Maria transformada na natureza divina do Filho de Deus? Não. As duas naturezas foram misteriosamente fundidas em uma pessoa – o homem Cristo Jesus. Nele habitou corporalmente toda a plenitude da Divindade [Cl 2:9]. Ao ser Cristo crucificado, foi Sua natureza humana que morreu. A Divindade não sucumbiu nem morreu. Isso teria sido impossível. [...] Quando a voz do anjo foi ouvida dizendo: ‘O Teu Pai Te chama’, Aquele que havia dito: ‘Eu dou a Minha vida para a reassumir’ [Jo 10:17] e ‘Destruí este santuário, e em três dias o reconstruirei’ [Jo 2:19], ressurgiu da sepultura para a vida que havia em Si mesmo. A Divindade não morreu. A humanidade morreu; mas Cristo agora proclama sobre o sepulcro de José: ‘Eu sou a ressurreição e a vida’ [Jo 11:25]. Em Sua divindade Cristo possuía o poder de romper os laços da morte. Ele declara ter vida em Si mesmo para conceder a quem Ele quiser.”

Nas Meditações Matinais de Ellen G. White publicadas sob o título Exaltai-O! (1992), p.346, ela acrescenta: “Jesus Cristo depôs o manto real, Sua régia coroa e revestiu Sua divindade com a humanidade, a fim de tornar-Se um substituto e penhor pelo gênero humano, para que, morrendo em forma humana, por Sua morte pudesse destruir aquele que tinha o poder da morte. Ele não poderia ter feito isso como Deus; mas, tornando-Se como o homem, Cristo podia morrer. Pela morte venceu a morte.”

Mas, se mesmo “a vida de um anjo não poderia pagar a dívida” pela queda da raça humana (Ellen G. White, Patriarcas e Profetas, p. 64, 65), seria suficiente que apenas a natureza humana de Cristo morresse na cruz? Este é, sem dúvida, um mistério para o qual não temos todas as respostas. No entanto, não devemos nos esquecer de que Cristo veio como o “último Adão” (1Co 15:45) para pagar o preço pelo resgate da raça humana (ver Rm 5:12-21; 1Co 15:20-22). Ele morreu como homem por todos os seres humanos. Além disso, Cristo morreu a “segunda morte” (Ap 2:11; 20:6, 14; 21:8) da qual não existe ressurreição de criaturas. Como essa morte representa a eterna alienação da criatura do seu Criador, somente Aquele que tem vida em Si mesmo poderia ressuscitar dessa morte.

Portanto, mesmo que não tenhamos respostas a todas as indagações que possam surgir com respeito ao “mistério da piedade” (1Tm 3:16), pela fé aceitamos as declarações inspiradas que nos dizem que na cruz morreu apenas a natureza humana de Cristo, e não a Sua natureza divina, que ficou misteriosamente velada durante a encarnação.

Texto de autoria do Dr. Alberto Timm Revista do Ancião (abril – junho de 2009).

2 comentários:

ligadonavideira disse...

Contribui o artigo “Se Jesus houvesse pecado, o que teria acontecido com Ele?”, por Ángel Manuel Rodríguez, na Revista Adventist World, setembro de 2010, pág. 26.
[Parte 1]
Se Jesus houvesse pecado, o que teria acontecido com Ele?
Essa pergunta, formulada de diferentes maneiras, é muito frequente. Sempre reluto em respondê-la, pois existe o risco de especular sobre fatos que desconhecemos.
É surpreendente que alguns levam suas especulações tão a sério que se tornam dogmáticos sobre elas. A humildade deveria ser a característica fundamental de qualquer pessoa que estuda a Bíblia.
Sobre essa pergunta, em particular, minha relutância se deve ao fato de que sabemos o que realmente aconteceu. Sabemos que Jesus não pecou (2Co 5:21; Hb 4:15; 7:26). Isso
já deveria ser o suficiente.
Mas os que estão interessados na questão insistem no assunto: Ele poderia ter pecado?
Se tivesse pecado, quais seriam as consequências do Seu pecado? Para não termos
que tratar desse assunto outra vez, deixe-me fazer alguns comentários que podem – ou
não – ser úteis para você.
1. Jesus e o pecado. Jesus poderia ter pecado? Minha resposta bastante direta é: Sim! Existe base bíblica para isso. Jesus era verdadeiramente humano e estava sujeito às mesmas tentações que enfrentamos, como também a outras que jamais teremos que enfrentar (Hb 4:15). Jesus lutava diariamente contra o pecado e era vitorioso sobre ele. Esse era um conflito real, não porque Jesus tivesse a natureza corrompida pelo pecado (Ele não a tinha), mas porque, como cada um de nós, Ele possuía livre arbítrio.
É isso que torna possível escolhermos estar do lado de Deus no conflito cósmico. Rebelar-se contra Deus significa rejeitar essa liberdade ou, mais especificamente, desprezá-la, escolhendo a morte.
O exemplo típico da possibilidade de Jesus pecar é Sua experiência no jardim do Getsêmani. Nessa ocasião, Sua vontade o incitava a preservar Sua vida, ao mesmo tempo em que Seu compromisso com o Pai para a salvação da humanidade impulsionava Jesus para o autossacrifício e morte (Mt 26:39). O poder e a realidade dessa tentação é que ela implicava a possibilidade de Ele escolher não fazer a vontade de Deus. Não fosse assim, toda essa luta teria sido uma encenação teatral, um exercício de autoengano ou uma ilusão.
[Continua]

ligadonavideira disse...

[Parte 2 - final]
2. A singularidade de Jesus. O fato de Jesus ter vencido todas as tentações é incompreensível para nós porque somos todos pecadores. A impecabilidade de Jesus cria problemas teológicos para os que querem considerá-Lo muito semelhante a nós. É nesse ponto que Sua singularidade é manifestada com grande poder. Quer creiamos ou não – e eu, pessoalmente, creio –, Ele é diferente de todos nós! Ele nunca cometeu nenhuma forma de pecado, seja em atos ou pensamentos. Ele é o único e exclusivo ser humano que viveu sem pecado. É essa singularidade que leva as pessoas a perguntarem: E se Ele tivesse pecado? Parece que Sua impecabilidade provoca em nós algum desconforto. Mas não deveria ser assim, pois a vida sem pecado de Jesus é o pré-requisito para a expiação.
3. O futuro de Jesus. Podemos também afirmar que o futuro de Jesus e o nosso futuro são o mesmo, porque Ele venceu o mal e nos reconciliou com Seu Pai. Mas podemos afirmar que havia um futuro alternativo para Jesus, caso Ele houvesse pecado? É aqui que começam as especulações. Permita-me dizer isto da maneira mais franca possível: se Jesus houvesse falhado, o Deus que conhecemos não seria nosso Deus. Em outras palavras, do nosso ponto de vista, Ele deixaria de existir. A falha de Jesus significaria que Deus é incapaz de vencer as forças do mal e que Satanás tem poder suficiente para vencê-Lo e arruinar Seu plano de salvação. Consequentemente, Deus seria forçado a nos abandonar.
Como você pode ver, o risco de cair em especulações é muito alto. A derrota de nosso Deus no momento de Sua maior manifestação de poder na cruz de Cristo é algo que dificilmente podemos sequer imaginar, quanto mais levar a sério.
Uma vez que o Deus bíblico é, por definição, invencível, nossa pergunta permanece praticamente sem resposta.
Se a natureza humana do Filho de Deus houvesse falhado, o próprio Deus teria falhado. Mas Ele não falhou.
Amém!
Ángel Manuel Rodríguez é diretor do Instituto de Pesquisa
Bíblica da Associação Geral.
P E R G U N T A S B Í B L I C A S
26 Adventist World | Setembro 2010

Postar um comentário

▲ TOPO DA PÁGINA