quinta-feira, 31 de março de 2016

Como entender Efésios 4:8 e 9 onde menciona que Jesus ‘levou cativo o cativeiro’. Esse cativeiro seria o inferno?

 

Vamos, então, ao texto bíblico citado por nosso ouvinte. Efésios 4:8 e 9: ‘Por isso, diz: Quando ele subiu às alturas, levou cativo o cativeiro e concedeu dons aos homens. Ora, que quer dizer subiu, senão que também havia descido até às regiões inferiores da terra’

‘Ás partes inferiores da terra’ . Esta frase pode ser entendida como se referindo tanto para a própria terra quanto para o ‘inferno’ (hades ‘ sepultura) aonde o corpo de Cristo é descrito como tendo ido por ocasião da sua morte (Atos 2:31).

Entender a passagem como se referindo ao ‘inferno’ (sepultura), faz com que a passagem fale especificamente a respeito da morte e sepultamento de Cristo. Foi esta humilhação de Cristo que o levou a Sua exaltação (Filipenses 2:5-11).

Ao participar de tal experiência em sua vida, Jesus Cristo tornou-se um Sumo Sacerdote eficaz e conhecedor de todas as fraquezas da vida humana, até mesma a própria morte (Hebreus 2:14-18 e 7:25-27)

Esse mesmo Jesus que neste mundo viveu, e morreu não continua morto. Ele ressuscitou. Mas você sabia que ele não ressuscitou sozinho da morte? Mateus 27:50 a 53 relata: ‘E Jesus, clamando outra vez com grande voz, entregou o espírito. Eis que o véu do santuário se rasgou em duas partes de alto a baixo; tremeu a terra, fenderam-se as rochas; abriram-se os sepulcros, e muitos corpos de santos, que dormiam, ressuscitaram; e, saindo dos sepulcros depois da ressurreição de Jesus, entraram na cidade santa e apareceram a muitos.’

O que Efésios está dizendo é que quando Jesus ascendeu aos céus Ele levou para o céu com ele um grupo de pessoas ressuscitadas com Ele. Ele levou as pessoas que estavam no cativeiro da morte, cativas (isto é, redimidas) com Ele (longe do poder de Satanás) para o reino de Seu Pai. Foi uma pequena amostra da eficácia de seu sacrifício.

Um dia por ocasião de sua Segunda Vinda todos aqueles que creram nEle irão também ressurgir da tumba para serem revestidos da imortalidade.

terça-feira, 29 de março de 2016

O ser humano está diminuindo por falta de oxigênio!

 
Por Everton Fernando Alves (Diretor de Ensino do NUMAR-SCB)

"Alguns evolucionistas tendem a acreditar que os seres humanos estão continuamente melhorando, se desenvolvendo, ficando mais inteligentes e mais rápidos. No entanto, cada vez mais as evidências científicas indicam o contrário. [...] A Bíblia afirma que a Terra sempre possuiu oxigênio (a partir do terceiro dia da semana da criação). Antes do dilúvio, o clima era temperado e possuía muito mais oxigênio do que hoje em dia. Isso contribuía para que as espécies de animais e humanos fossem maiores em estatura do que são hoje".

"Em 1988, um estudo analisou bolhas de ar microscópicas presas em âmbar (resina fossilizada) [...]. A análise dos gases nessas bolhas mostrou que a atmosfera da Terra há supostos 67 milhões de anos (correspondendo ao período pós-diluviano) continha 50% mais oxigênio do que os níveis atuais (35% comparado aos atuais 21%)."

Fonte: http://goo.gl/imCuWC

Existem Provas Científicas do Dilúvio?

Existiu mesmo uma grande inundação? Há provas disso? É sobre isso e mais um pouco que o bate-papo dessa semana vai discorrer.

As Mulheres Devem Ficar Caladas na Igreja? – 1Coríntios 14:34-35




“Conservem-se as mulheres caladas nas igrejas, porque não lhes é permitido falar; mas estejam submissas como também a lei o determina. Se, porém, querem aprender alguma coisa, interroguem, em casa, a seu próprio marido; porque para a mulher é vergonhoso falar na igreja”.

Baseados nestes dois versos de Paulo e com a mesma ideia confirmada em 1Timóteo 2:11-12, muitos membros de algumas igrejas tem declarado não ser próprio às mulheres ensinarem na Escola Sabatina e usarem da palavra, na igreja, em outras circunstâncias.

O que levou Paulo a fazer estas declarações? Será que suas taxativas afirmações eram somente para aquela época, ou elas ainda estão em vigor em nossos dias? Qual tem sido a posição da Igreja Adventista quanto às mulheres usarem o púlpito, e um dia chegarem a ser ordenadas? Como os nossos líderes tem visto as reivindicações de algumas senhoras que pleiteiam estes privilégios?

Neste estudo, o prezado leitor encontrará uma tentativa de dar uma resposta a algumas destas inquirições.

COMENTÁRIOS GERAIS

1. Paulo e a Igreja de Corinto. Esta carta provavelmente foi escrita em Éfeso, no ano 57, durante sua terceira viagem missionária. Paulo recebera completas e seguras notícias da situação da igreja de Corinto, onde havia uma série de problemas, tais como: partidos, escândalos, impureza, alimentos oferecidos em sacrifício, o problema das línguas, processos em tribunais pagãos, o comportamento da mulher no culto público, desordem na celebração da ceia, etc. Visando orientar a igreja na solução destes problemas, esta carta foi redigida.

2. Paulo – Sua formação e a situação da mulher em seu tempo. Creem alguns comentaristas que Paulo, sendo um produto da cultura judaica, recebeu influências do tratamento que esta dava à mulher.

Eis o que declara Adam Clarke: “Esta era uma ordenança judaica: Às mulheres não era permitido ensinar nas assembleias, nem mesmo fazer indagações. Os rabinos ensinavam que ‘uma mulher  não deve saber outra coisa senão como usar os seus utensílios caseiros’. E as declarações do rabino, conforme transmitidas, são ambas dignas de observação e execração. Estas declarações são as seguintes: ‘Antes sejam queimadas as palavras da lei, do que serem ensinadas a uma mulher'”.

Robertson insiste que não é fácil interpretar estas palavras de Paulo, desde que elas são bastante claras no que querem expressar, mas, na realidade, universalmente os cristãos não obedecem a estas declarações paulinas.

Outro comentarista afirma: “As mulheres devem manter silêncio nos cultos públicos. Cumpre-lhes participarem do Amém (ver o sexto versículo), mas em tudo o mais não devem ser ouvidas. Elas vinham reivindicando igualdade com os homens na questão do véu, deixando de lado esse sinal de sujeição na igreja, e aparentemente também tinham tentado pregar, ou, pelo menos, vinham formulando perguntas durante as reuniões públicas … O ensino foi proibido a elas pelo apóstolo … uma regra extraída da sinagoga e mantida na Igreja primitiva (ver 1Timóteo 2:12). O abandono do véu equivalia a reivindicar igualdade com os homens; ensinar em público equivalia a exercer autoridade sobre eles” (Novo Testamento Interpretado, de Russell Norman Champlin, vol. 4, pág. 231).

William Barclay, em suas “Letters to the Corinthians“, nos informa o seguinte sobre a situação da mulher no mundo antigo: “É conhecido que, nos tempos antigos, o lugar que a mulher ocupava era muito baixo. No mundo grego, Sófocles falou: ‘O silêncio confere graça para as mulheres’. As mulheres, a não ser que fossem muito pobres ou de mui baixa moral, tinham que viver isoladas em casa. Os judeus tinham inclusive uma ideia mais baixa da mulher. Entre os rabinos havia alguns ditos que colocavam a mulher ainda numa situação muito pior, como estes: ‘Ensinar a lei para a mulher é ensinar a impiedade’. Outro sentenciava: ‘Ensinar a lei para a mulher é como jogar pérolas aos porcos’.

No Talmud, na lista relacionada com as pragas do mundo, aparece: ‘A mulher faladora, a viúva curiosa e a virgem que perde todo o seu tempo fazendo orações’. Era inclusive temível falar com as mulheres na rua. Ninguém podia solicitar um serviço para uma mulher, nem podia cumprimentá-la.

“Esta sociedade era similar à que Paulo tinha quando escreveu aos coríntios… Seria certamente muito errado tomar estas palavras de Paulo fora do contexto em que foram escritas, e fazer delas uma regra universal para todas as igrejas”.

Charles R. Erdman, em seu escrito “Primeira Epístola de Paulo aos Coríntios“, declara: “Mulheres casadas não devem exercer publicamente o dom de profetizar. Paulo já teve ocasião de corrigir certas anomalias com referência à maneira de vestir, e agora menciona algumas inconveniências relativas ao dom da palavra que surgiram naquela igreja. E o ponto em que se baseia é o mesmo anteriormente citado, a saber, o marido é o cabeça da família, e a mulher é dependente do marido. A autoridade de ensinar na igreja e o exercício público da profecia cabiam aos maridos e não às mulheres. Estas nem deviam interromper o culto sob o pretexto de fazer perguntas. Se quisessem perguntar alguma coisa, que o fizessem em casa, a seus esposos. Era impróprio para mulheres casadas tomarem o lugar de seus maridos no desempenho de profetizar na igreja”.

O conhecido comentarista Lange, ao falar sobre 1Coríntios 14:34-35, insiste na mesma tecla: “Tanto o costume grego como o romano, e também o judeu, proibia a apresentação das mulheres em público. A ordem da igreja cristã aderiu ao costume de conformidade com a ordem divina (nomos, em grego) de Gênesis 3:16, que impunha sobre a mulher explícita submissão ao homem, uma vez que ela, por seu ato voluntário, o havia envolvido em apostasia. A isto se deve o fato de calarem-se as mulheres nas assembleias públicas; enquanto o falar em público, quer seja na forma de discurso, ou na forma de perguntas, indicava um esforço feminino por independência para sair da posição subordinada que lhe foi designada por Deus”.

Este desejo da mulher, de libertar-se da condição de subordinada, é muito mais real e vivo em nossa sociedade.

O artigo “Mulher – Fermento do Mundo“, de H. Corazza, estampado na revista Família Cristã, é a comprovação máxima desta realidade. Eis suas partes mais significativas: “Libertação e direitos da mulher. Seu papel no mundo, na sociedade e na igreja. O assunto prolifera sob os mais diversos ângulos e opiniões. Mas qual o seu verdadeiro lugar? Até que ponto ela sabe descobri-lo e realizá-lo, no profundo do seu ser como mulher?

“O desenvolvimento do mundo atual. Os estudos revolucionaram também o campo feminino. Isto possibilitou à mulher um despertar para os valores de sua vida e presença na sociedade, por tanto, tempo ignorados e subestimados.

“Já passou o tempo em que a mulher era considerada desigual ou inferior ao homem. Hoje ela quer ser tratada como Pessoa, e não como coisa. O conhecimento mais profundo de sua personalidade e direitos faz com que tome consciência das possibilidades de atuação que tem no mundo. Há lugar e vez também para ela assumir uma profissão e colaborar positivamente para o construção da sociedade.

“Engajada em novas realidades. Como nos tempos primitivos, a Igreja hoje deseja que a mulher atue na evangelização. Sua presença está sendo não só reconhecida e incentivada, mas solicitada nos diversos setores da pastoral: promoção humana, comunidade de base, catequese, educação, comunicação social, etc.

“Toda mulher engajada na comunidade cristã, seja ela leiga ou consagrada, pode favorecer muito à penetração do Reino de Deus nas diversas camadas sociais, onde, talvez, outros meios ou pessoas não chegariam.

“As qualidades tipicamente femininas fazem da mulher outra Maria de Nazaré. Providencia o necessário à família. Está atenta às necessidades dos outros: amigos, vizinhos, conhecidos e desconhecidos. Sabe, na hora certa, dar um sorriso, dizer uma palavra segura e precisa. A intensa dedicação e a persistência no bem podem reconduzir lares à harmonia entre si e à paz com Deus.

“Consciente da importância de seu papel na sociedade e na igreja, cabe à mulher realizar o plano de Deus a seu respeito. Na criação, Deus fez homem e mulher. Ele os fez à Sua imagem e semelhança. Complementares. Não ‘submissos’, nem dominadores. Paulo diz: ‘Nem a mulher é sem o homem, nem o homem sem a mulher, no Senhor. Porque, assim como a mulher foi tirada do homem, o homem nasce da mulher; e tudo vem de Deus’. A dominação veio com o pecado e não é conforme o plano de Deus.

“A mulher, vivendo sua missão, contribui para transformar o próprio lar, o ambiente de trabalho e de influências. E, na palavra de Paulo VI, podemos afirmar: ‘Chegou a hora em que a vocação da mulher se realiza em plenitude e ela adquire, na sociedade, uma influência, um alcance, um poder jamais conseguidos até aqui. Por isso, neste momento em que a humanidade sofre uma tão profunda transformação, as mulheres, impregnadas do espírito do Evangelho, podem ajudar muito a humanidade a não decair’.

“Chegou a hora da mulher ser fermento do mundo!”

As declarações paulinas em 1Coríntios 14:34-35 e 1Timóteo 2:11-12 são um lado da moeda, mas se a virarmos do outro lado, o próprio Paulo, na mesma carta à igreja de Corinto, capítulo 11, verso 5, diz “a mulher que ora ou profetiza” – sem dúvida uma referência às mulheres que em reuniões públicas falavam a respeito das coisas divinas.

Lucas, em Atos 21:9, nos cientifica de que as quatro filhas de Filipe profetizavam – nada mais nada menos do que publicamente se tornarem portadoras das revelações de Deus.

Outros exemplos comprovativos são encontrados nas páginas Sagradas, como uma demonstração eloquente de que as mulheres, mesmo no passado, tiveram uma parte decisiva na causa do Evangelho. Basta nos reportarmos a Romanos, capítulo 16, onde encontramos, no primeiro verso, Febe, a diligente diaconisa da igreja de Cencreia. No verso 3 aparece Priscila, e, no verso 12, Trifena e Trifosa, exemplo de nossas dedicadas obreiras bíblicas (Filipenses 4:3).

3. Posição da Igreja Adventista neste Problema. Os dois trechos seguintes, do Espírito de Profecia, são oportunos neste aspecto:

1) O Homem e a Mulher Criados Iguais. “A negligência, por parte da mulher, em seguir o plano de Deus ao criá-la, o esforço de alcançar importantes posições para as quais não se habilitou, deixa vago o lugar que ela podia preencher de maneira aceitável. Saindo de sua esfera, perde a verdadeira dignidade e nobreza feminina. Ao criar Eva, Deus pretendia que ela não fosse inferior nem superior ao homem, mas, em todas as coisas, lhe fosse igual. O santo par não devia ter nenhum interesse independente um do outro; e, não obstante, cada um possuía individualidade de pensamento e de ação.

“Depois da queda de Eva, porém, como ela houvesse sido a primeira na transgressão, o Senhor lhe disse que Adão teria domínio sobre ela. Devia ser sujeita a seu marido, o que constituía parte da maldição. Em muitos casos essa maldição tem tornado a sorte da mulher dolorosa, fazendo de sua vida um fardo. O homem tem abusado a muitos respeitos da superioridade que Deus lhe deu, exercendo poder arbitrário” (Testemunhos Seletos, vol. 1, págs. 412-413).

2) Mulheres Como Obreiras Evangélicas. “A obra das mulheres está satisfazendo a uma positiva necessidade das mulheres que se consagraram ao Senhor e estão se voltando a ajudar um povo carecido, vítima do pecado. É preciso que se faça obra evangélica pessoal. As mulheres que empreendem essa obra levam o evangelho aos lares do povo nos caminhos e valados. Leem e explicam a Palavra às famílias, orando com elas, cuidando dos doentes, aliviando-lhes as necessidades temporais. Apresentam a famílias e indivíduos a influência purificadora, transformadora da verdade. Elas mostram que o meio de alcançar a paz e a alegria é seguir a Jesus” (Testemunhos Seletos, vol. 2, pág. 405).

Do livro Evangelismo, capítulo ‘Instrutor Bíblico’, págs. 456-481, destacaremos os seguintes tópicos: 1 – Mulheres Como Mensageiras de Misericórdia. 2 – Necessidade de Mulheres Conselheiras. 3 – Mulheres no Evangelismo: a) Neste Tempo de crise. b) Mulheres que tem a Obra no coração. c) Como Conselheira, Companheira e Coobreira. d) Tanto Homens como Mulheres chamados à Obra Bíblica. 4 – Mulheres no Ministério Público: a) A Eficácia da obra Feminina. b) Marido e Mulher unidos numa Mesma obra. c) Uma instrutora Bíblica Fala à Congregação: “Cada semana conta a sua história; uma ou duas almas recebem a Verdade, e a maravilhosa mudança em sua fisionomia e caráter é tão notável aos olhos dos vizinhos que a convicção produzida pela própria vida dessas pessoas leva a outros a verdade; e elas estão agora examinando diligentemente as Escrituras… “As irmãs R e M estão fazendo um trabalho tão eficiente como o dos ministros, e em algumas reuniões em que os ministros são chamados a outra parte, a irmã M toma a Bíblia e dirige a congregação” (Ellen White, Carta 169, 1900). d) Uma Irmã Dirigir-se à Multidão: “Ensinai isto, minha irmã. Tendes muitos caminhos abertos diante de vós. Dirigi-vos à multidão sempre que vos for possível” (Review and Herald, 09/05/1899).

Há um pensamento em Obreiros Evangélicos, pág. 468, para o qual devemos atentar: “Os Adventistas do Sétimo Dia não devem de nenhuma maneira depreciar a obra da mulher”.

O Comentário Bíblico Adventista, ao tecer considerações sobre 1Coríntios 14:33-34, pondera: “Se a última frase do verso 33 está relacionada com o verso 34, a passagem diz: ‘Como em todas as igrejas, as mulheres guardam silêncio’. Esta imposição para as mulheres guardarem silêncio não foi meramente uma restrição regional, por causa de alguma circunstância local, mas uma reflexão do costume geral de todas as igrejas. Que o costume era geral pode também ser deduzido de 1Timóteo 2:11-12, onde Paulo sem destacar nenhuma igreja definida, admoesta: ‘A mulher aprenda em silencio, com toda a submissão. E não permito que a mulher ensine, nem que exerça autoridade sobre o marido; esteja, porém, em silêncio’.

“Alguns tem achado dificuldade em compreender esta proibição, em virtude não somente de nossos conceitos modernos do lugar da mulher na igreja, mas também do lugar e serviço das mulheres na história Bíblica (ver Juízes 4:4; 2Reis 22:14; Lucas 2:36-37; Atos 21:9). O próprio Paulo fez recomendações sobre as mulheres que trabalharam com ele na propagação do evangelho (Filipenses 4:3). Não há dúvida de que as mulheres tiveram um papel destacado na vida da igreja.

“Lei: As Escrituras ensinam que, por causa da sua parte na queda do homem, Deus designou à mulher uma posição de subordinação a seu marido (ver Gênesis 3:6 e 16; Efésios 5:22-24; 1Timóteo 2:11-12; Tito 2:5; 1Pedro 3:1 e 5-6)”.

A Ordenação de Mulheres – as Mulheres Usando o Púlpito

Concernente a este aspecto, nossa revista denominacional “Ministry“, fevereiro de 1978, págs. 24-25, trouxe o seguinte artigo: O Ministério das Mulheres – “É possível que uma visão mais próxima da nossa Teologia de ordenação possa auxiliar na resolução de problemas mais delicados, dentre os quais está a questão do ministério da mulher. Negligenciado por tanto tempo, este problema, no presente, é uma preocupação das igrejas através do mundo inteiro. Cada igreja, evidentemente, responderá à luz de seu próprio entendimento do evangelho em bases nas suas próprias percepções. Ainda assim, não pode ser dito que uma solução integral tenha sido indicada, até entre entidades como o Concílio Mundial das Igrejas.

“Não há dúvida de que a igreja primitiva não ordenava mulheres. Alguns afirmam que diaconisas e viúvas eram mais que simplesmente comissionadas; mas, em geral a ordenação era reservada para homens. No entanto, é necessário investigar por que as mulheres não eram ordenadas. Seria este impedimento explicado pela situação social e cultural da igreja primitiva, ou seria esta uma prática obrigatória para todos os séculos?

“A intuição de Paulo, na igualdade dos sexos e na natureza e posição da  dignidade da mulher, tem atuado como um fator decisivo na manifestação do desempenho das mulheres no mundo. … Eu fui induzido a concluir que não há um argumento teológico conclusivo que proíba a ordenação da mulher para o ministério evangélico. Entretanto, ao mesmo tempo, desde que a ordenação não é apenas a resposta a um chamado de Deus, mas uma forma reconhecida de nomeação pela igreja para um cargo designado, será que é sábio passar por alto tão rapidamente a questão, como se o tempo é chegado para tal procedimento? Seria tal transformação almejada, enquanto a igreja, como um todo, sensível a orientação do Espírito Santo, não tem reconhecido a liderança de Deus neste sentido?

“O Concílio Anual de 1973 registrou o seguinte tópico: ‘O Papel da Mulher na Igreja‘. No parágrafo 3º solicita às Divisões continuarem seus estudos sobre esta questão e a compartilharem suas decisões com a Conferência Geral em tempo para a consideração do Concílio Anual de 1974. O pedido foi atendido pelas Divisões, que votaram reafirmar os parágrafos 4º, 5º e 7º do Concílio Anual de 1973, que dizia o que se segue: “Que a ênfase sobre o sacerdócio de todos os crentes, e a necessidade do envolvimento total dos recursos da igreja, para a terminação rápida da comissão evangélica, fosse aceita.

“A primazia do papel da mulher casada, no lar, como é confirmada tantas vezes na Bíblia e no Espírito de Profecia, continua sendo reconhecida por toda a igreja em harmonia com conselhos, tais como o seguinte da pena inspirada: ‘Existe um Deus em cima no Céu, e a luz e glória do Seu trono repousam sobre a mãe fiel enquanto ela se esforça por educar os filhos para resistirem à influência do mal. Nenhuma outra obra se pode comparar à sua em importância’ (A Ciência do Bom Viver, págs. 377-378).

“Em áreas propícias para tal atividade, continua o reconhecimento da importância em designar mulheres para a obra evangelística e pastoral, e as credenciais apropriadas de missionárias lhes serão concedidas.

“Sendo que a Igreja Adventista do Sétimo Dia é uma igreja mundial, incluindo entre seus membros povos de todas as nações e de diferentes culturas, e porque um estudo das Divisões mundiais revela que o tempo ainda não é chegado nem oportuno para este mister; logo, no interesse da união mundial de nossas igrejas, nem um passo será dado no sentido de ordenar mulheres para o ministério evangélico”.

Segue-se uma parte da resposta dada pela Revista Adventista, setembro de 1975, pág. 27, à seguinte consulta: “Paulo diz: ‘Conservem-se as mulheres caladas nas igrejas’ (1Coríntios 14:34). E isso é confirmado em 1Timóteo 2:11-12. Daí porque discordo que as mulheres ensinam em classes da Escola Sabatina ou falem na reunião missionária das Dorcas. Que me dizem sobre o assunto? R. C. de O.

“Não é regra que a mulher ocupe a frente para falar aos membros da igreja. Entretanto, ocasiões há em que isso pode e deve ocorrer. Na Igreja Adventista, a irmã White falou do púlpito centenas de vezes, trazendo mensagens inspiradas ao povo de Deus. O próprio fato de Deus ter chamado mulheres para Seu serviço público, como as mencionadas, e poderíamos acrescentar Débora e Hulda em tempos mais recuados, mostra que uma declaração feita sob certas circunstâncias, em determinada época, como a de Paulo, é restrita em suas aplicações. Entretanto, como há ainda na maioria dos países muito preconceito sobre a mulher, ela não deve se ocupar do ministério da palavra. Nos dias de Cristo e de Paulo, a mulher era praticamente uma escrava, quase sempre sem direitos, tida como inferior, e qualquer participação ostensiva dela na vida religiosa de uma igreja talvez trouxesse má reputação para o Evangelho. Hoje as mulheres chegam a altos postos eletivos na vida política e administrativa de alguns países (Golda Meir, Indira Gandhi e, em nossos dias, a primeira ministra inglesa Margaret Thatcher), outras brilham nas artes, nas ciências, na literatura e nos desportes, e, com isto, as barreiras de preconceitos vão sendo derribadas lá fora, no mundo”.

CONCLUSÃO

A análise feita das declarações do apóstolo nos mostram que os comentaristas têm chegado a conclusões as mais variadas.

Concluímos também que este tema continuará a merecer a atenção da Igreja ainda por muitos anos, especialmente a problemática da ordenação de senhoras.

As declarações de Paulo nestes dois versos revelam uma faceta da sua personalidade decisiva. Eles são tão fortes que quase chegam a ferir a nossa sensibilidade latina, mas insistimos mais uma vez que a intervenção pública da mulher teria sido vergonhosa e até escandalosa para aquele tempo.

Não nos resta dúvida de que Paulo, escudado nas Escrituras, podia declarar que Deus estabeleceu uma hierarquia, colocando o marido como chefe da família e a mulher como subordinada ao marido.

Não olvidemos que o apóstolo se referia às reuniões “oficiais” da igreja, mas ele mesmo era favorável ao ministério feminino em outras esferas e ocasiões.

Se o papel da mulher na sociedade daquele tempo era humilhante, em nossos dias ela goza dos mesmos privilégios e oportunidades concedidos aos homens.

Livro: Leia e Compreenda Melhor a Bíblia, de Pedro Apolinário.

domingo, 27 de março de 2016

O filho deve pagar pela iniquidade do pai? – Êxodo 20:5 e Ezequiel 18:20



Na primeira passagem lemos: “… Deus zeloso, que visito a iniquidade dos pais nos filhos…”. Enquanto a segunda declara: “…o filho não levará a iniquidade do pai…”.
Estes dois textos interpretados cuidadosamente em seus contextos e na compreensão da Bíblia em suas doutrinas gerais  jamais se contradizem.
Através da declaração “visito a iniquidade dos pais nos filhos”, Deus nos quer ensinar que os filhos sofrem as consequências dos pecados dos pais. Pensemos no filho de um alcoólatra inveterado. Os filhos herdam dos pais fraquezas que os levam a pecar. Estudos têm sido feitos provando que os pais praticantes de vícios e pecados transmitem aos filhos e netos as consequências de sua vida desregrada. Embora os filhos sofram as consequências dos pecados dos pais, Deus em Sua justiça irá punir apenas os responsáveis pelo pecado. A pessoa sofre fisicamente, mas isto não afasta a sua salvação.
A primeira passagem está falando do aspecto físico, enquanto a segunda se refere ao aspecto espiritual.
O filho do maior marginal, não seguindo o exemplo paterno e aceitando a Cristo como seu Salvador, tem o privilégio da salvação. Na primeira passagem há referências às tendências hereditárias; na segunda, Ezequiel dá ênfase a esta verdade – o filho não é responsável pelos erros dos pais.
O primeiro texto trata dos resultados físicos nesta vida; o segundo, da salvação espiritual para a vida por vir.

Leia e Compreenda Melhor a Bíblia, de Pedro Apolinário – Passagens Aparentemente Conflitantes

sábado, 26 de março de 2016

O Argumento Cosmológico Kalam

Setenta ou Setenta e Cinco Pessoas desceram ao Egito com Jacó? – Gênesis 46:27 e Atos 7:14





Gênesis 46:27 – “Todas as pessoas da casa de Jacó, que vieram para o Egito, foram setenta”.
Atos 7:14 – “Então José mandou chamar a seu pai, Jacó, e toda a sua parentela, isto é, setenta e cinco pessoas”.
“Moisés acrescenta Jacó, José e seus dois filhos aos 66 descendentes de Jacó, perfazendo um total de 70 pessoas da família que se estabeleceu no Egito.
O total que Estêvão dá, de 75 (Atos 7:14), em vez de 70, se deve ao fato de ele ser um judeu de fala grega que usou a versão grega do Antigo Testamento, muitas vezes citada no Novo Testamento, que inclui os netos de José (ver comentários de Atos 6:1)” (Comentário Bíblico Adventista, referente Gênesis 46:27).

Leia e Compreenda Melhor a Bíblia, de Pedro Apolinário – Passagens Aparentemente Conflitantes – item 10

sexta-feira, 25 de março de 2016

A Igreja e Seus Críticos

 
Características pessoais dos pretensos porta-vozes da verdade

Por Alberto R. Timm

Vivemos nos dias finais da história humana, e Satanás está “cheio de grande cólera”, pois sabe que “pouco tempo lhe resta” (Apoc. 12:12). Em sua peleja final contra o povo remanescente que guarda “os mandamentos de Deus” e tem “o testemunho de Jesus” (Apoc. 12:17), o inimigo se vale de
algumas pessoas dentre o próprio povo de Deus como seus mais eficazes agentes (ver Mat. 13:24-30). Pretendendo ser parte do povo de Deus e demonstrando zelo superior para com a verdade, esses agentes conseguem grande êxito em infiltrar na própria Igreja o mesmo espírito belicoso que sempre caracterizou “o acusador de nossos irmãos” (Apoc. 12:10).


Ao mesmo tempo em que Cristo nos admoesta a não julgarmos as motivações interiores das pessoas (Mat. 7:1), Ele também nos estimula a avaliar as características pessoais dos pretensos porta-vozes da verdade, a fim de não sermos por eles iludidos (Mat. 7:15-23). Ellen G.White, em seu livro A Igreja Remanescente (CPB, 2000), págs. 29-43, nos adverte contra os acusadores da Igreja. Creio, portanto, ser oportuno considerarmos mais detidamente o perfil dos críticos e suas estratégias, para não sermos por eles enganados e para evitarmos que nossas congregações sejam por eles divididas.

Perfil dos críticos – Existem alguns críticos da Igreja que levam, pelo menos aparentemente, uma vida normal e sem maiores problemas pessoais. Seria inadmissível, portanto, atribuirmos o mesmo perfil a todos os críticos.
Mas muitos deles, que conheci pessoalmente ou através de informações biográficas fornecidas por outras pessoas, revelam pelo menos algumas das seguintes características:

1. Desequilíbrio emocional.
Muitos críticos da Igreja parecem afetados, em maior ou menor grau, pelo assim chamado Transtorno Obsessivo Compulsivo (TOC). O comportamento deles se caracteriza por um forte impulso obsessivo- compulsivo à agressividade para com todos os que deles discordam. Todos os que a eles se opõem são considerados inimigos a serem combatidos em nome de Deus.

2. Frustrações pessoais.
Grande parte dos críticos é composta de pessoas frustradas por não terem conseguido determinado cargo de liderança ou certo reconhecimento público, ou ainda por terem sido destituídos de uma função de destaque social. Não conseguindo conviver com o “luto” pela perda, eles acabam projetando sobre outros a sua amargura pessoal.

3. Problemas morais e familiares. Alguns dos críticos mais agressivos são pessoas emocionalmente desestruturadas por problemas morais, ou mesmo traumatizadas pela perda do cônjuge, quer por morte ou separação. Sem a estabilidade de uma família bem estruturada, a pessoa tende a exercer uma influência desestabilizadora sobre outros segmentos sociais, incluindo a própria Igreja.

4. Dificuldades financeiras. Alguns dos críticos mais amargurados são pessoas que já tiveram estabilidade econômica, mas acabaram se desequilibrando financeiramente. Em muitos casos a pessoa incorre em infidelidade nos dízimos e ofertas. Não são poucos os que chegam mesmo a desviar os fundos da Igreja para seus interesses particulares, sob a alegação de corrupção no uso desses fundos por parte da denominação.

5. Problemas de autoestima.
Conheço pessoas que foram maltratadas na infância ou que carregam alguma deficiência física ou emocional e que buscam incessantemente algo para superar sua baixa autoestima. Não conseguindo projetar-se positivamente na comunidade, elas recorrem à crítica como uma forma de superação. Não lhes sendo concedida a oportunidade de pregar, passam a criticar os outros pregadores que usam o púlpito.

6. Egocentrismo. Praticamente todos os críticos são pessoas egocêntricas, que se colocam a si mesmas e suas ideias como o referencial para a espiritualidade dos demais. Aqueles que concordam com eles, são tidos como bons cristãos; aqueles que deles discordam, são considerados em estado de apostasia. Consideram suas próprias ideias as melhores, e seus julgamentos, os mais abalizados.

7. Individualismo e independência. O egocentrismo dos críticos gera neles uma postura individualista e independente, que acaba por distanciá-los do pensamento coletivo da Igreja. Para eles, a liberdade de pensamento individual é bem mais importante que o conselho dos irmãos. Quem deles discorda é geralmente tido como retrógrado ou destituído do verdadeiro espírito democrático.

8. Espírito acusador. Os críticos normalmente não se contentam apenas em discutir ideias e conceitos. Para conseguir o seu espaço, eles precisam acusar e rotular negativamente outras pessoas influentes. Com esse mecanismo de autodefesa, conseguem transferir sutilmente o foco da atenção de seus próprios problemas pessoais para os supostos problemas de outros.

9.Tendência generalizadora. O ser humano já possui tendência natural à generalização, mas os críticos são mestres nessa área. O comportamento indevido de um líder da Igreja, ou de um pequeno grupo de líderes, é atribuído como característico de toda denominação. Consequentemente, os mais de 13 milhões de membros da Igreja ao redor do mundo são responsabilizados pelo comportamento de um ou mais indivíduos (cf. Ezeq. 18:20).

As características anteriores são frequentemente encontradas entre os críticos da Igreja, e nos ajudam a entender melhor o perfil deles. Mas elas, por si só, não conseguem explicar como pessoas com tais características conseguem atrair para si um número significativo de discípulos. Para isso, é importante considerarmos também algumas estratégias que os críticos usam para disseminar suas ideias.

Estratégia dos críticos – As estratégias usadas no processo de disseminação das críticas podem variar tanto quanto o próprio perfil dos críticos, mas entre as mais comuns destacam-se as seguintes:


1. Demonstração de profundo conhecimento da Bíblia e dos escritos de Ellen G. White. Numa época em que grande parte dos membros da Igreja carece de um conhecimento mais aprofundado da Bíblia e dos escritos de Ellen G. White, os críticos aparecem como detentores exclusivos desse conhecimento. Uma vez reconhecidos como tais, eles não se inibem de superenfatizar o que lhes agrada nos escritos inspirados e, simplesmente, desconsiderar o que não lhes interessa.

2.Manipulação psicossocial. Uma das maneiras mais comuns de cativar os ouvintes é através da técnica de recitar publicamente grande número de textos bíblicos e dos escritos de Ellen White, previamente memorizados. Recitando textos que ninguém do auditório havia memorizado, os críticos conseguem vender a ideia de que eles possuem um conhecimento superior a todos os demais, e que esse conhecimento deve ser aceito como uma “nova luz” de origem divina.

3. Pretensa originalidade
. Muitos críticos desconhecem ou mesmo distorcem as raízes históricas de suas ideias, para deixar a impressão de que, finalmente, alguém honesto surgiu para restaurar a verdade em sua pureza bíblica e para revelar as falcatruas da denominação. Desta forma, os ouvintes menos esclarecidos não conseguirão identificar a pretensa “nova luz” como sendo simplesmente velhas distorções doutrinárias com as quais a Igreja já se deparou no passado.

4. Difamação da liderança da Igreja. Não conseguindo o endosso da liderança da Igreja para seus postulados pessoais, os críticos passam, então, a difamá-la, na tentativa de conseguir adeptos que confiem mais neles que nos líderes da denominação. O apóstolo Pedro advertiu que nos últimos dias surgiriam pessoas atrevidas e arrogantes, que menosprezariam “qualquer governo” e difamariam as “autoridades superiores” (II Ped. 2:10).

5. Postura de “salvador da pátria”. Havendo minado a confiança na liderança da Igreja, os críticos estão em condições de ser reconhecidos como os únicos detentores da verdade e os autênticos líderes do povo de Deus. Desta forma, eles finalmente conseguem assumir uma posição de liderança que jamais lhes seria confiada pela própria Igreja.

6. Síndrome de mártir.
Quando a Igreja decide aplicar a devida censura eclesiástica a esses críticos dissidentes, eles costumam fazer-se de vítimas do sistema eclesiástico, considerado por eles tão intolerante quanto o que perseguiu Martinho Lutero. Com essa comparação, conseguem mais simpatizantes ainda, pois existe uma tendência natural de justiça no ser humano, de defender instintivamente as “vítimas” (os que estão sendo censurados) e de punir os “agressores” (os que aplicam a censura).

7. Discurso autobiográfico. Uma das estratégias mais comuns usadas, consciente ou inconscientemente, pelos críticos é de projetarem sobre a Igreja e sua liderança o seu próprio perfil anticristão e antiético. Pelo princípio do espelho, eles se veem refletidos nos outros, e passam a acusá-los daquilo que eles mesmos são. Isto não passa de uma atitude de desespero, que os leva a projetar sobre os outros suas próprias frustrações pessoais.
8. Divisão nas igrejas. Por mais atrativo e convincente que possa parecer o discurso de alguém, permanecem as indagações: Quais são os “frutos” da obra desse indivíduo (Mat. 7:20)? As suas palavras fortalecem a fé, o amor e a unidade dos crentes (João 17:21)? Mas, lamentavelmente, a obra desses críticos tem quase sempre deixado após si um forte espírito de contenda e um grande senso de superioridade pessoal, completamente antagônicos à religião de Cristo (ver Mat. 5:43-48).

Considerações adicionais – Muitos desses críticos até podem ser sinceros em suas alegações, mas sua obra de difamação não fortalece a fé e nem promove a unidade da Igreja. Ellen G. White admoesta que tais pessoas jamais entrarão no reino de Deus: “Vi que alguns estão definhando espiritualmente. Têm vivido por algum tempo a observar se seus irmãos andam retamente – espreitando toda falta, para então os meter em dificuldades. E enquanto fazem isto, a mente não está em Deus, nem no Céu ou na verdade; mas simplesmente onde Satanás quer que esteja – nos outros. Seu coração é negligenciado; raramente essas pessoas veem ou sentem as próprias faltas, pois têm tido bastante que fazer em vigiar as faltas dos demais, sem sequer olhar para si mesmos, ou examinar o próprio coração.O vestido, o chapéu ou o avental lhes prendem a atenção. Precisam falar a este e àquele, e isto basta para os ocupar por semanas.Vi que toda a religião de alguns pobres corações, consiste em observar a roupa e os atos dos outros, e em os criticar. A menos que se reformem, não haverá no Céu lugar para elas, pois achariam defeitos no próprio Senhor.” –Testemunhos Para a Igreja, vol. 1, pág. 145.

A Igreja sempre se deparou com críticos belicosos ao longo de sua história, e o número desses críticos se intensificará ainda mais à medida que nos aproximarmos do fim. Mas para a Igreja permanece a gloriosa promessa de Isaías 54:17: “Toda arma forjada contra ti não prosperará; toda língua que ousar contra ti em juízo, tu a condenarás; esta é a herança dos servos do Senhor e o seu direito que de mim procede, diz o Senhor.”

 Albert R. Timm, Ph.D., é professor de Teologia Histórica no Unasp – Campus Engenheiro Coelho, SP, e diretor do Centro de Pesquisas Ellen G. White (Brasil) e do Centro Nacional da Memória Adventista.

Fonte: Revista Adventista, abril 2005

quinta-feira, 24 de março de 2016

Examinais ou Examinai as Escrituras? Uma Crítica ou uma Ordem? – João 5:39


“Examinais (ou examinai) as Escrituras, porque vós cuidais ter nelas a vida eterna, e são elas que de Mim testificam”.

Por que razão algumas traduções da Bíblia apresentam o verbo examinar em João 5:39 no modo indicativo e outras no imperativo?

Seriam ambas as traduções igualmente corretas? Ou seria uma melhor do que a outra?

O problema com esta passagem encontra-se no seguinte: as segundas pessoas do plural do presente do indicativo e do imperativo são idênticas em grego, portanto, o original “ereunate” pode ser traduzido por examinais ou examinai. Diante deste impasse, a única maneira segura de solucionar o problema é o estudo do contexto.

Comentários

As traduções de Almeida Revista e Corrigida, e Almeida Atualizada no Brasil, bem como a Bíblia de Jerusalém apresentam examinais, mas a Atualizada e a Bíblia de Jerusalém trazem uma nota ao pé da página indicando ser possível também traduzir o verbo no modo imperativo examinai.

Após a leitura da exposição de comentaristas e exegetas, que se seguem, você estará em condições de responder com mais autoridade sobre esta declaração de Cristo:

“Examinai as Escrituras. Esta passagem pode ser traduzida ou como uma simples declaração ‘Vós examinais as Escrituras’, ou como uma ordem ‘Examinai as Escrituras’. O contexto parece indicar que estas palavras são mais bem compreendidas como uma franca declaração de Cristo aos judeus: “Vós examinais…”. Era um antigo pensamento judeu que o conhecimento da lei asseguraria ao homem a vida eterna. Afirmam que Hillel, um rabino do 1º século a.C., havia declarado: ‘aquele que adquiriu para si as palavras da Torá, adquiriu para si mesmo a vida do mundo por vir’. Jesus aqui faz uso desta crença para lembrar aos judeus que as Escrituras nas quais eles pensavam encontrar a vida eterna eram os escritos que testificavam dEle (veja Patriarcas e Profetas, 367). Esta passagem tem também sido usada efetivamente como uma injunção para estudar as Escrituras (veja Testemunhos Seletos, vol. 2, pág. 121). Tivessem os judeus pesquisado as Escrituras com os olhos da fé, eles teriam sido preparados para reconhecer o Messias quando Ele estivesse entre eles” (Comentário Bíblico Adventista, referente João 5:39).

“Orígenes e Tertuliano advogam o uso imperativo aqui, portanto, a nossa exortação familiar ‘Examinai as Escrituras’ remonta pelo menos ao fim do segundo século. Este mesmo comentário, porém, opina que é melhor traduzir pelo indicativo – examinais, e interpreta: ‘Vós examinais a Escritura por causa da vossa crença errada de que essa minuciosa pesquisa de palavras e sílabas nos livros sagrados vos assegure a vida no porvir. Estais errados. O valor das Escrituras é que testemunham de Mim. E estais duplamente errados porque não vindes para Mim pessoalmente, quando Eu vos concedo a oportunidade’” (William Carey Taylor, O Evangelho de João, vol. 2, pág. 171).

“Todos os antigos exegetas, com exceção de Ciril, lêem no modo imperativo. Mais recentemente é que um bom número tem considerado no indicativo. A questão é unicamente de contexto, desde que nenhuma outra evidência está disponível. Mas, o certo é que o imperativo se ajusta à situação total, enquanto que o indicativo requer modificações, que não temos o direito de fazer. Jesus disse aos judeus: ‘Aqui está o Meu testemunho, examinai-o’” (R. C. H. Lenski, The Interpretation of St. John’s Gospel, pág. 413).

“A forma do verbo pode ser indicativa ou imperativa; o contexto mostra que o indicativo foi a forma usada. Somente esta interpretação faz sentido com “ereunate”, que segue, e com o contexto total” (C. K. Barrett, The Gospel According to St. John, pág. 222).

“Examinais as Escrituras. Estudaram as Escrituras pensando que a obediência mecânica aos preceitos da lei lhes daria o galardão da vida eterna. Não estavam errados em estudar as Escrituras na esperança de encontrar a vida eterna, mas sua interpretação delas estava totalmente errada, e não podiam encontrar o Cristo, que é o centro das Escrituras” (Edições Vida Nova, O Novo Comentário da Bíblia, pág. 1075).

“Não há maneira (com base na gramática grega ou na estrutura das sentenças do versículo) de averiguar com certeza se a palavra examinais é a tradução correta aqui, pois no grego pode ser tanto o indicativo, o que significaria costumais examinar, indicando uma ação contínua, ou, então, pode ser o imperativo, o que seria ‘examinai as Escrituras‘, como se fora uma ordem. Segundo a gramática grega pode ser uma coisa ou outra e há uma longa lista de nomes de intérpretes que têm defendido ambos os lados da questão. Porém, como quer que compreendamos a sentença, o sentido do versículo em nada é afetado. Parece mais provável que a tradução da Almeida Atualizada está correta aqui, ao traduzir a frase com o verbo no modo indicativo, o que descreve a febril atividade do estudo das Escrituras do Antigo Testamento, por parte do povo de Israel, e, mais especialmente ainda, pelas suas autoridades religiosas, para quem o conhecimento das Escrituras era motivo de intensa ufania…

“Os rabinos costumavam dizer: ‘Aquele que adquire as palavras da lei, adquire para si mesmo a vida eterna'” (Russell Norman Champlin, O Novo Testamento Interpretado Versículo por Versículo, vol. 2, págs. 350-351).

“Este verso deve ser traduzido não no modo imperativo, mas no indicativo. Assim: ‘Examinais diligentemente as Escrituras’. É sobejamente conhecido que estas palavras são comumente traduzidas no imperativo; mas tal tradução não se ajusta de maneira alguma ao verso seguinte, e a força e intensidade das palavras também não pode ser percebida por esta versão” (Adam Clarke, Clarke’s Commentary, vol. 5, pág. 554).

Conclusão

A estrutura da frase em grego nos leva a concluir que a única tradução correta é examinais. Se fosse imperativo, a oração subordinada seria: para que tenhais ou a fim de terdes vida eterna.

O plano da salvação apresentado na Bíblia jamais admitiria que Cristo ensinasse que a vida eterna possa ser adquirida pelo diligente estudo das Escrituras.

Livro: Leia e Compreenda Melhor a Bíblia, de Pedro Apolinário.

terça-feira, 22 de março de 2016

A Bíblia autoriza matar alguém? – Deuteronômio 5:17 e Levítico 20:27



À revista O Atalaia apresentaram o seguinte pedido: “Peço-vos a especial fineza de esclarecer-me a visível contradição entre Deuteronômio 5:17 – “Não matarás”, e Levítico 20:17 – “Quando, pois, algum homem ou mulher em si tiver um espírito de necromancia ou espírito de adivinhação, certamente morrerá; serão apedrejados; o seu sangue será sobre eles”.
Transcreveremos sua resposta: “É preciso notar que os hebreus constituíam uma teocracia, isto é, eram diretamente governados por Deus, por intermédio de seus juízes. Neste caso, era-lhe lícito, por ordem divina, executar a pena de morte contra quem desobedecesse a ordens expressas de Jeová. Foi, por exemplo, o que fizeram no caso relatado em Números 15:32-36, e em muitos outros. Hoje, é claro que semelhante procedimento seria crime grosseiro. O mandamento “Não matarás” naturalmente não afetava as ordens expressas de Deus, a um povo governado direta e exclusivamente por Ele. As ordens de matar tais ou quais pessoas, as quais encontramos nas instruções aos hebreus, e que hoje causam tanta estranheza a muitos leitores superficiais da Bíblia, representam apenas a consumação da infalível justiça de Deus. Assim é que os israelitas tiveram ordem de exterminar povos inteiros. Crueldade, injustiça? Não; a história desses povos mostra a que profundeza de corrupção haviam chegado, enchendo a ampla medida da misericórdia divina. Naquele tempo os hebreus eram os instrumentos pelos quais o Senhor executava a justiça” (O  Atalaia, julho de 1935, pág. 18).

Leia e Compreenda Melhor a Bíblia, de Pedro Apolinário – Passagens Aparentemente Conflitantes – item 3

segunda-feira, 21 de março de 2016

Houve um tempo em que não existia lei? Romanos 2:12 e 5:13 se contradizem?



Paulo escreveu: “Assim, pois, todos os que pecaram sem lei, também sem lei perecerão; e todos os que com lei pecaram, mediante lei serão julgados” (Romanos 2:12).

“Porque até ao regime da lei havia pecado no mundo, mas o pecado não é levado em conta quando não há lei” (Romanos 5:13).

Ao Deus criar o homem e colocá-lo no Jardim do Éden escreveu a Sua lei no coração humano, sendo desnecessária a lei escrita em tábuas de pedra. Mesmo nas regiões mais atrasadas do mundo as pessoas têm conceitos de justiça, sabendo distinguir o certo do errado. Deus não exige do gentio que tem pouca luz, mas é sincero, mais do que a sua razão possa alcançar. Do outro lado, o homem que tem conhecimento dos Dez Mandamentos, mas não vive de conformidade com a luz que possui, ele não será aceito por Deus. Não é o conhecimento mental e intelectual que nos salva, mas a disposição de viver de acordo com a luz que possuímos e a aceitação de Cristo em nossa vida.

Romanos 5:13 não indica que houve um tempo quando não existia lei, porque a segunda parte do verso declara – “mas o pecado não é levado em conta quando não há lei”. A expressão “até à lei” tem apenas o significado de até que a lei fosse escrita.

Os israelitas no Egito perderam a intuição da lei divina escrita em sua mente e coração, daí a necessidade de Deus apresentá-la por escrito.
O comentário que se segue é de autoria do personagem já muitas vezes citado em nossas pesquisas, Adam Clarke, sobre Romanos 2:12 e 5:13.
Romanos 2:12 – “Eles, a saber, os gentios, que se verificar haverem transgredido contra a mera luz da natureza, ou antes, aquela verdadeira luz que ilumina todo homem que vem ao mundo (João 1:9), não estarão sob a mesma regra que aqueles, os judeus, que além disto desfrutaram de uma extraordinária revelação; mas serão tratados segundo sua dispensação inferior, sob a qual se alinharam: enquanto que aqueles, os judeus, que pecaram contra a lei – a positiva revelação divina a eles concedida, serão julgados por esta lei, e punidos proporcionalmente ao abuso de uma vantagem tão extraordinária”.

Romanos 5:13 – “Como a morte, também o pecado reinou de Adão até Moisés, visto que não houve lei escrita desde Adão até a que foi outorgada a Moisés, a morte que prevalecia não podia ser a infração dessa lei; pois o pecado, para ser punido com a morte temporal, não é imputado onde não há lei, o que mostra que a penalidade do pecado é a morte. Portanto, os homens não estão sujeitos à morte por suas próprias transgressões pessoais, mas pelo pecado de Adão, uma vez que, através da transgressão dele, todos vêm ao mundo com as sementes da morte e corrupção em sua própria natureza, adicionadas a sua depravação moral. Todos são pecaminosos – todos são mortais – e todos devem morrer”.

Leia e Compreenda Melhor a Bíblia, de Pedro Apolinário – Passagens Aparentemente Conflitantes – item 7

sexta-feira, 18 de março de 2016

Será Encontrada a Arca da Aliança?



Declaração preparada em 1962 por R. L. Odom, Editor do Index,
e atualizada pelo Ellen G. White Estate, em 1989


Ao examinar as declarações do Espírito de Profecia a fim de responder a questões concernentes à Arca do Concerto desaparecida e as tábuas da Lei de Deus, é essencial que tenhamos em mente o fato de que existiram duas Arcas do Concerto – uma no Santuário Terrestre, e a outra no Santuário Celestial e que em cada uma delas, um conjunto de tábuas de pedras em que o decálogo foi escrito. Ambas as arcas e ambos os conjuntos da Lei de Deus foram escondidos dos olhos humanos. Portanto, é necessário saber qual desses dois conjuntos dos Dez Mandamentos serão trazidos à visão dos habitantes da terra no futuro.

O Decálogo em tábuas de pedra no Santuário Celestial


Os Dez Mandamentos foram escritos em tábuas de pedra e guardados na Arca do Concerto no Santuário Celestial bem como em tábuas de pedras e preservados na Arca do Santuário Terrestre. Isso é ensinado na seguinte declaração de Ellen G. White:

“Foi-me então ordenado que observasse os dois compartimentos do santuário celestial. … Levantou-se o véu e eu olhei para o segundo compartimento. Vi ali uma arca que oferecia a aparência do mais fino ouro. Os bordados em redor da parte superior da arca eram um lavor lindíssimo representando coroas. Na arca havia tábuas de pedra contendo os Dez Mandamentos.” Primeiros Escritos, p. 251-252.

“O Senhor deu-me uma visão do Santuário Celestial. O templo de Deus estava aberto no Céu e vi a Arca de Deus coberta pelo propiciatório. Dois anjos estavam um de um lado e outro de outro com suas asas sobre o propiciatório e suas faces voltadas para ele. Isso, informou-me meu anjo acompanhante, representava toda a hoste celestial olhando com reverente terror para a lei de Deus, que tinha sido escrita pelo dedo de Deus.

“Jesus levantou então a tampa da arca e eis as tábuas de pedra com os Dez Mandamentos sobre elas escritos” Life Sketches, p. 95. “O Senhor, porém, me deu uma visão do santuário celestial, em que o templo de Deus foi aberto no Céu, e foi-me mostrada a arca de Deus… Jesus levantou a cobertura da arca, e contemplei as tábuas de pedra em que os Dez Mandamentos estavam escritos.” Testemunhos para a Igreja, vol. 1, p. 76.

Descrevendo uma visão dada a ela do Santuário Celestial e da obra final de Cristo no lugar Santíssimo, Ellen G. White declarou:

“Representou-me que os remanescentes seguiram pela fé a Jesus ao lugar santíssimo, viram a arca e o propiciatório e ficaram encantados com sua glória. Jesus levantou então a tampa da arca e eis as tábuas de pedras com os Dez Mandamentos sobre elas escritos.” Primeiros Escritos, p. 255.

“A Arca contendo a Lei de Deus, o altar de incenso e os outros instrumentos de serviço encontrados no Santuário Terrestre, têm também seus representativos no Santuário Celestial. Na santa visão, o apóstolo João recebeu permissão para entrar no céu, e lá ele viu o castiçal, o altar de incenso e, ‘ao ser aberto o templo de Deus’, ele viu a ‘Arca do Seu Testamento’ (Apoc. 4:5; 8:3; 11:9).” Spirit of Prophecy, vol. 4, p. 261.

“No templo celestial, morada de Deus, acha-se o seu trono, estabelecido em justiça e juízo. No lugar santíssimo está a sua lei, a grande regra da justiça, pela qual a humanidade toda é provada. A arca que encerra as tábuas da lei, a grande regra da justiça, pela qual a humanidade toda é provada. A arca que encerra as tábuas da lei se encontra coberta pelo propiciatório, diante do qual Cristo, pelo Seu sangue pleiteia em prol do pecador” O Grande Conflito, p. 455, edição de 1981.

“A arca do tabernáculo terrestre continha as duas tábuas de pedra, sobre as quais se achavam inscritos os preceitos da lei de Deus. A Arca era um mero receptáculo das tábuas da lei, e a presença desses preceitos divinos era que lhes dava valor e santidade. Quando se abriu o templo de Deus no céu, foi vista a arca de seu testemunho. Dentro do Santo dos Santos, do Santuário Celestial, acha-se guardada sagradamente a lei divina – a lei que foi pronunciada pelo próprio Deus em meio dos trovões do Sinai e escrita por Seu próprio dedo nas tábuas de pedra.” O Grande Conflito, p. 433, 434, edição de 1981.

O conjunto original está guardado na arca, no Céu


O conjunto de tábuas dos Dez Mandamentos mantido na Arca do Concerto no Santuário Celestial é o grande original, enquanto o conjunto guardado na Arca no Santuário Terrestre é uma reprodução ou cópia celeste. Tal é o ensino exarado nas seguintes declarações no Espírito de Profecia.

“Mente e corações injuriosos têm pensado poderem mudar os tempos e as leis de Jeová; mas, seguros nos arquivos celestes, na arca de Deus, estão os originais dos mandamentos, escritos sobre as tábuas de pedras. Nenhuma potestade terrestre tem poder para tirar estas tábuas de seu sagrado esconderijo, sob o propiciatório.” Comentário Bíblico do Sétimo Dia, vol. 7, p. 972 (Signs of the Times 28/ 02/ 1878).

“Não useis vossa influência contra os mandamentos de Deus. Aquela lei é justamente como Deus a escreveu no templo do céu. Muitos podem calcar sobre sua cópia aqui na terra, mas o original está guardado na arca de Deus no céu; e sobre a tampa dessa arca e exatamente sobre aquela lei, está o propiciatório. Ali, perante a arca, está Jesus a mediar pelo homem.” Comentário Bíblico Adventista do Sétimo Dia, vol. 1, p. 1109.

“[Os Adventistas] Pela fé haviam seguido o seu rumo do Santo para o Santíssimo, e viram-nO oferecendo o seu sangue diante da arca de Deus. Dentro da sagrada arca está a lei do Pai, a mesma proclamada pelo próprio Deus em meio aos trovões do Sinai, e escrita com o Seu próprio dedo em tábuas de pedra. Nenhum mandamento foi anulado; nenhum jota ou um til foram mudados. Conquanto Deus concedesse a Moisés uma cópia de sua lei, preservou o Grande Original Celeste.” Spirit of Profecy, vol. 4, p. 273, 274 (História da Redenção, p. 379, 380).

“Ninguém poderia deixar de ver que, se o Santuário terrestre era uma figura ou modelo Celestial,a lei depositada na arca, na terra, era uma transcrição exata da lei na Arca que está no céu, e que a aceitação da verdade concernente ao Santuário Celestial envolvia o reconhecimento das reivindicações da Lei de Deus, e da obrigatoriedade do Sábado no quarto mandamento (…) Aí estava o segredo da oposição atroz e decidida à exposição harmoniosa das Escrituras, que revelavam o ministério de Cristo no Santuário Celestial.” Historia da Redenção, pp. 380, 381; O Grande Conflito, p. 435, edição de 1981.

“A lei de Deus no Santuário Celeste é o grande original de que os preceitos inscritos nas tábuas de pedra, registrados por Moisés no Pentateuco era uma transcrição exata.” O Grande Conflito, p. 434, edição de 1981.

A Lei guardada no Santuário Terrestre foi escondida com a arca numa caverna

O conjunto de tábuas que foi guardado no Santuário Terrestre, estava na Arca, quando esta foi escondida por homens justos em uma caverna, pouco antes da destruição do templo pelos Babilônios no tempo de Jeremias. Porém, as seguintes declarações do Espírito de Profecia não mencionam Jeremias como tendo pessoalmente parte no esconderijo da Arca:

“Antes do templo ser destruído, Deus fez saber a alguns de seus fiéis servos o destino do templo, que era o orgulho de Israel, e por eles referido por idolatria, ao mesmo tempo que estavam pecando contra Deus. Também lhe revelou o cativeiro de Israel. Estes homens justos, exatamente antes da destruição do templo, removeram a sagrada Arca que continha as tábuas de pedra, e com lamento e tristeza esconderam-na numa caverna, onde devia ficar oculta ao povo de Israel por causa de seus pecados, não mais sendo-lhes restituída. Esta sagrada arca ainda está oculta, jamais foi perturbada desde que foi escondida.” Spiritual Gifts, vol. 4, pp. 114, 115 (1864); Spirit of Profecy, vol. 1, p. 414, (1870); História da Redenção, p. 195.

“Entre os justos que ainda restavam em Jerusalém, a quem tinha sido tornado claro o propósito divino, alguns havia que se determinaram colocar além do alcance das mãos cruéis, a sagrada Arca que continha as tábuas de pedra, sobre a qual haviam traçado os preceitos do decálogo. Isto eles fizeram. Com lamento e tristeza esconderam a arca numa caverna onde deveria ficar oculta do povo de Israel e de Judá por causa de seus pecados, não mais sendo-lhes restituída. Esta sagrada arca ainda está oculta. Jamais foi perturbada desde que foi escondida.” Profetas e Reis, p. 436 (1989). Grifos acrescentados.

“Quando o juízo assentar-se”

De acordo com o Espírito de Profecia, aproxima-se o tempo quando as tábuas de pedra em que os Dez Mandamentos estão escritos serão traduzidas a vista dos habitantes da terra. Todas as declarações conhecidas por Ellen G. White sobre este assunto estão dispostas em ordem cronológica:

“Teorias humanas são exaltadas, honradas e postas onde Deus e sua lei deveriam estar. Mas…“Deus não quebrará seu concerto, nem alterará aquilo que saiu de seus lábios. Sua palavra permanecerá firme para sempre, tão inalterável como Seu trono. Por ocasião do juízo, este concerto será manifesto, claramente escrito com o dedo de Deus; e o mundo será citado perante a barra da justiça infinita para receber a sentença.” Uma vida medida pela vida de Deus por obediência e morte por transgressão. Manuscritos 82, 1899. (Review and Herald, 20/11/1913); Patriarcas e Profetas, p. 182 (1989).

“Com seu próprio dedo, Deus escreveu os Seus Mandamentos em tábuas de pedra. Essas tábuas não foram deixadas aos cuidados dos homens, mas foram postas na arca; e no grande dia em que cada caso estiver selado, essas tábuas escritas com os Dez Mandamentos serão mostradas para que o mundo inteiro possa ver e entender. Seu testemunho para elas será inquestionável.” Carta 30, (1900). Manuscript Releases 1401, vol. 19, p. 265.

“O precioso registro da lei foi colocado na Arca do Testamento e está lá ainda seguramente escondida da família humana. Mas no tempo apontado por Deus Ele trará essas tábuas de pedra a fim de serem testemunho para todo o mundo contra o desdém para com Seus Mandamentos e contra o culto idolátrico de um falso sábado.” Manuscript Releases 122, 1901. (Comentário Bíblico Adventista do Sétimo Dia, vol.1, p. 1109).

“Quando o templo de Deus for aberto, que triunfo não será para aqueles que foram fiéis e verdadeiros! No templo será vista a Arca do Testamento em que foram postas as duas tábuas pedras nas quais foram escritas a Lei de Deus. Essas tábuas de pedras serão tiradas de seu esconderijo e sobre elas serão vistos os Dez Mandamentos gravados pelo dedo de Deus. Essas tábuas de pedra fora da arca do testamento serão um testemunho para a verdade para os requisitos da lei de Deus.” Carta 47, 1902. (Comentário Bíblico Adventista do Sétimo Dia, vol. 7, p. 972).

“A santa Lei dos Dez Mandamentos, escrita em tábuas de pedra pelo dedo de Deus e posta na arca, é o padrão de justiça. Perante obedientes e desobedientes, ela aparecerá no grande e último dia e todos os ímpios serão convencidos. Eles verão que suas ações provinham de um caráter depravado. Verão que a parte que desempenharam serviu para dar continuidade à rebelião iniciada nas cortes celestiais. Verão toda a crueldade e toda a malignidade que desonrou seu Criador e trouxe a miséria que enche o mundo.” Manuscript Releases, volume 5, 1904 (1074, vol. 13, p. 381).

“O Espírito Santo expôs essas verdades à minha mente tão indelevelmente quanto a lei escrita pelo dedo de Deus nas tábuas de pedra, que agora estão na arca e que serão trazidas para fora naquele grande dia quando sentença se pronunciará contra todo mal e sedutora ciência produzida pelo pai da mentira.” Carta 90, 1906 (126).

“Há um Santuário, e nele está a arca e na arca estão as tábuas de pedra em que está escrita a lei dita no Sinai em meio às cenas de terrível majestade. Essas tábuas de pedra estão nos céus e serão mostradas naquele dia quando o julgamento assentar-se e os livros abrirem-se e os homens serão julgados de acordo com as coisas escritas nos livros. Serão julgados pela lei escrita pelo dedo de Deus e dada a Moisés a fim de serem depositadas na arca. Um registro é mantido de todas as obras dos homens e, consoante suas obras, receberão sentença, quer sejam boas quer sejam más.” Manuscrito 20, 1906 (Manuscript Releases 1437, vol. 20, p. 68).

“Há abundantes evidências da imutabilidade de lei de Deus. Foi escrita pelo dedo de Deus. Foi escrita por Deus a fim de nunca ser obliterada ou destruída. As tábuas de pedra estão escondidas por Deus a fim de serem apresentadas no dia do julgamento do modo como Ele as escreveu.” Review and Herald, 26/003/1908 (Comentário Bíblico Adventista do Sétimo Dia, vol. 1, p.1109).

“Quando o julgamento assentar-se e os livros forem abertos e todo homem for julgado pelas coisas escritas nos livros, então as tábuas de pedra, escondidas por Deus até aquele dia, serão apresentadas perante o mundo como o estandarte da justiça. Então homens e mulheres verão que o pré-requisito de sua salvação é obediência à perfeita lei de Deus. Nenhum achará desculpa para o pecado. Pelos retos princípios daquela lei, os homens receberão sua sentença de vida ou morte.” Review and Herald 28, 1909. (Comentário Bíblico Adventista do Sétimo Dia 1109; do Manuscrito 117, 1908.)

Muito deveria ser notado nas declarações acima. Em nenhuma parte é dito que as tábuas da lei serão reveladas por homens como o resultado de terem-na achado escondida em uma caverna. De fato, é claramente declarado que Deus mesmo trará essas tábuas à vista do homem; e numa declaração, Ellen White especifica que “essas tábuas de pedra estão nos céus.” Além disso, o tempo em que Ele fará isso é claramente especificado;

“quando cada caso for decidido nas cortes celestiais”
“no grande dia em que cada caso for decidido”
“quando o templo de Deus no Céu for aberto”
“No grande e último dia”
“no grande dia em que a sentença se pronunciará contra todo mal e sedutora ciência”
“naquele dia, quando o julgamento assentar-se e os livros forem abertos, homens receberão julgamento consoante às coisas escritas nos livros”
“no grande dia do julgamento”


Duas Descrições de Exibições Futuras

Em outro lugar nos escritos de Ellen White, são descritas duas ocasiões em que as tábuas de pedra serão exibidas. Porém ela não especifica qual dos dois conjuntos de tábuas da lei será revelado e é possível alguém interpretar uma ou outra ocasião como cumprimento da predição da revelação das tábuas de pedra.

Pouco antes da segunda vinda de Cristo. 


Ao descrever o que ocorre imediatamente após as primeiras seis das sete últimas pragas e pouco antes da sétima e da segunda vinda de Cristo, Ellen White diz:“Enquanto essas palavras de santa confiança ascendem a Deus, as nuvens recuam e se vêem os constelados céus, indescritivelmente gloriosos em contraste com o firmamento negro e carregado de cada lado. A glória da cidade celestial emana de suas portas entreabertas. Aparece então de encontro ao céu uma mão segurando duas tábuas de pedra dobradas uma sobre a outra. A mão abre-as e são revelados os preceitos do Decálogo, delineados como que uma pena de fogo. As palavras são tão claras que todos podem lê-las. A memória é aguçada, o negror da superstição e heresia é varrido de cada mente e os Dez Mandamentos Divinos, claros, compreensíveis e peremptórios são apresentados à vista de todos os habitantes da Terra. Maravilhoso código! Arrebatadora ocasião!” Spirit of Prophecy, vol. 4 p. 456, 457.“Diz o profeta: “Os céus anunciarão a sua justiça; pois Deus mesmo é o juiz. Sal. 50:6. Aquela santa Lei, a justiça de Deus, que por entre trovões e chamas foi do Sinai proclamada como guia na vida, revela-se agora aos homens como a regra do juízo. A mão abre as tábuas, e vêem-se os preceitos do Decálogo, como que traçados com pena de fogo. As palavras são tão claras que todos as podem ler.” O Grande Conflito, p. 644, 645.
Aqui, novamente, fica claro que Deus, e não o homem, é quem irá revelar as tábuas. As tábuas da Lei então serão exibidas como “regra de juízo.” Isto será feito após o fechamento da porta da graça para todos.

Na Coroação Final de Cristo. 


Descrevendo a coroação final de Cristo e o julgamento final do homem no fim do milênio. Ellen White declara:“Como que extasiados, os ímpios contemplaram a coroação do Filho de Deus. Vêem-se em Suas mãos as tábuas da lei divina, os estatutos que desprezaram e transgrediram. Testemunham o irromper de admiração, transportes e adoração por parte dos salvos, e, ao propagar-se a onda de melodia sobre as multidões fora da cidade, todos, a uma, exclamam: “Grandes e maravilhosas são as Tuas obras, Senhor Deus Todo-Poderoso! Justos e verdadeiros são os Teus caminhos, ó Rei dos santos” (Apoc. 15:3); e, prostrando-se, adoraram o Príncipe da vida.” Spirit of Prophecy, volume 4, p. 484; O Grande Conflito, p. 675, 676 (1981).

Fonte: Declaração preparada em 1962 por R. L. Odom, Editor do Index, e atualizada pelo Ellen G. White Estate, em 1989

Há ou não justos neste mundo? – Eclesiastes 7:20; Mateus 1:19; Lucas 1:6


Resultado de imagem para justiça

Eclesiastes 7:20 parece chocar-se com Mateus 1:19 e Lucas 1:6, desde que na primeira passagem se declara que não há homem justo sobre a terra, enquanto nas outras duas, José esposo de Maria e os pais de João Batista são apresentados como justos.
Com o conhecimento de apenas um aspecto da linguagem tudo se esclarecerá. As palavras podem ser empregadas em sentido absoluto e relativo. Em sentido absoluto não existe nenhum justo entre os homens desde que este predicado pertence única e exclusivamente à Divindade. Cristo recebeu este título – “o justo”. Em sentido relativo todo aquele que se esforça para seguir a orientação divina pode receber este elogioso título. A Bíblia chama justos a Abel, José, Daniel e a alguns outros que se submeteram às diretrizes da Palavra de Deus.
Pensemos na palavra “santo”, empregada por escritores bíblicos para designar personagens por vezes falhos e claudicantes na estrada da vida. A Bíblia está mais interessada em mostrar as intenções do que as realizações.
As palavras apresentam gradações de significado. Um dicionário de sinônimo sindicará para justo os seguintes matizes: reto, íntegro, imparcial, racional, lógico,preciso, certo, exato, legítimo, adequado, conveniente, merecido, etc.

Leia e Compreenda Melhor a Bíblia, de Pedro Apolinário – Passagens Aparentemente Conflitantes – item 6

▲ TOPO DA PÁGINA