quarta-feira, 31 de agosto de 2011

Como se tornar uma mulher irresistível

Ontem publiquei aqui uma síntese de um dos capítulos do livro “Ela precisa, ele deseja”, de Willard F. Harley, sobre o homem irresistível. Hoje, conforme prometido, como uma mulher pode tornar-se irresistível para o marido, satisfazendo as suas cinco necessidades emocionais básicas mais importantes. Vamos lá, então?
1 – Realização sexual. A esposa satisfaz esta necessidade quando se torna uma parceira sexual extraordinária. Ela estuda suas próprias reações sexuais, a fim de conhecer e entender o que melhor se apresenta nela e, em seguida, compartilha com o marido essa informação. Juntos, eles passam a ter um relacionamento sexual em que ambos encontram repetidos momentos de prazer e realização.
2 – Companheirismo. Ela se interessa pelas atividades de lazer que ele aprecia e tenta ser eficiente nessas atividades. Se ela conclui que não consegue sentir prazer nessas atividades, pede ao marido que considere outras atividades em que eles possam participar juntos com satisfação. Ela se torna a sua companhia favorita nas atividades de lazer e ele a associa a seus mais prazerosos momentos de relaxamento.
3 – Atração física. Ela procura manter-se em forma com dietas e exercícios, cuida do cabelo, da maquiagem e se veste de um modo que o marido possa achar atraente e de bom gosto. Ele sente atração por ela nos momentos de privacidade, e orgulho da esposa quanto estão em público.
4 – Apoio doméstico. Ela proporciona em sua casa um ambiente que representa um refúgio para o marido diante dos momentos estressantes da vida diária. Ela administra as responsabilidades da casa de um modo que o incentiva a passar mais tempo no lar junto com a família.
5 – Admiração. Ela compreende e aprecia o marido mais do que qualquer pessoa. Sempre conversa com ele sobre o seu valor e suas realizações, e o ajuda a manter a autoconfiança. Evita criticá-lo e se orgulha dele, não por submissão, mas por um profundo respeito pelo homem que escolheu como seu marido.
Quando um homem encontra uma mulher que demonstra todas as cinco qualidades, ele a achará irresistível. Mas, novamente, cuidado: se uma mulher supre apenas quatro das cinco necessidades básicas de seu marido, ele experimentará um vazio que poderá gerar problemas. Como deve acontecer com o homem, a mulher precisa tentar satisfazer as cinco necessidades básicas de seu marido. Sentir-se realizada ao suprir apenas três ou quatro dessas necessidades não fará de você uma mulher totalmente irresistível.
(Ela Precisa, Ele Deseja – Willard F. Harley, Jr. – Editora Candeia)

Vídeo para reflexão : Máscaras (Masks) - legendado

Para visualizar a legenda, aperte no botão 'cc' em baixo do vídeo

O Dízimo e o Sábado

Estes dois assuntos, aparentemente diferentes e desconexos, são na realidade frutos da mesma razão e lógica. O princípio básico, logo que compreendido, não deixa dúvidas sobre a importância da devolução da décima parte do que recebemos, e sobre a observância do sétimo dia como especial e santo. Para podermos entender melhor cada um desses princípios, vamos começar falando sobre o dízimo, pois este tem gerado menos controvérsias e é geralmente aceito por todos os cristão, embora, muitas vezes, de maneira automática.
O dízimo, às vezes, é encarado como uma obrigação, o que nos faz lembrar antigos rituais pagãos, onde se ofereciam de tudo para apaziquar a ira seus deuses.
Muito cristãos tem oferecido o dízimo com o objetivo de satisfazer a Deus ou garantir para si e sua família conforto e prosperidade.
O principio bíblico para o dízimo muitas vezes é mal interpretado e leva muitos a crer na necessidade de “pagar” ao Senhor.
Por que devolvemos os dízimos?
A própria Bíblia nos responde nos seguintes versos:
“ Ao Senhor pertence a terra e tudo o que nela se contêm, o mundo e os que nele habitam. Fundou-a Ele sobre os mares e sobre suas correntes os estabeleceu.”
Salmos 24:1,2
“...porque do Senhor é a terra e a sua plenitude.” I Corintos 10.26
“Não se vendem dois pardais por um asse? E nenhum deles cairá em terra sem o consentimento de vosso Pai. E, quanto a vós outros, até os cabelos todos da cabeça estão contados. Não temais, pois! Bem mais vaLeis vós do que muitos pardais.”
Mateus 10.29-31
Nesses versos, podemos ver que Deus é o criador e o mantenedor de todas as coisas e seres viventes. Se cremos na Bíblia e na criação, sabemos que todo ouro, toda prata, todas as riquezas da terra, enfim, tudo foi criado segundo a vontade do Pai.
Por esses versos também chegamos à conclusão de que vêm do Criador a saúde, o trabalho, e todas as oportunidades que temos para enriquecer. Consequentemente, não só nosso corpo, mas também nossas vidas e tudo o que temos devemos a Ele. Teoricamente, como mordomos fiéis e súditos leais de Deus, deveríamos devolver tudo ao legítimo proprietário. Mas não é isto que Ele nos pede.

“Trazei todos os dízimos à casa do Tesouro, para que haja mantimento na minha casa; e provai-me nisto, diz o Senhor dos Exércitos, se Eu não vos abrir as janelas do céu e não derramar sobre vós bênção sem medida.” Mal. 3.10
“Assim ordenou também o Senhor aos que pregam o evangelho que vivam do evangelho.” 1 Coríntos 9.14
Interessante! Deus não pede tudo. Ele pede de volta somente a décima parte do que recebemos a fim de que as pessoas, que vivem totalmente da pregação do evangelho, tenham sustento.
Nada mais justo!
Mas será que Deus não poderia, de alguma outra forma, sustentar Seus servos que pregam o evangelho? A resposta é “sim”. Mas acontece que esta não é a única razão do dízimo.
Como em tudo o que Deus ordena, o principal objetivo deste mandamento é o beneficio do próprio homem. Como? Veja este verso:
“Minha é a prata, meu é o ouro, diz o Senhor dos Exércitos.” Ageu 2.8
Através da devolução voluntária da décima parte dos nosso lucros, nos nunca nos esqueceremos de nossa total dependência do Criador. Nunca nos esqueceremos de que quem é toda prata e todo ouro. Nunca nos esqueceremos de que nossa vida e nossa saúde dependem de Deus.
Enfim, nunca seremos ingratos. Em tudo daremos graças a Deus. Este é o principal objetivo.
Outro beneficio do dízimo é na luta contra nosso próprio egoísmo. A tendência do ser humano, desde a mais tenra idade, é a de manter tudo o que puder para si.
Para comprovar este fato, basta observar a atitude de qualquer criancinha brincando com outra. O Eu, pelo próprio instinto de sobrevivência, está sempre em primeiro lugar.
A devolução do dízimo nos ajuda a colocar o Eu em seu devido lugar. Assim, estaremos sempre mais dispostos a ajudar o semelhante, não importa a situação em que nos encontremos.
O dar é a melhor maneira de aprender a amar.
Então você me pergunta:
O que o Dízimo e o Sábado têm em comum?
E eu respondo:
O Sábado e o dízimo têm o mesmo principio.
Apesar de o Sábado representar 1/7 (um sétimo) das horas semanais, ele também foi criado para que os homens possam se lembrar de quem foi o Criador de todas as coisas.
Vamos reler o quarto mandamento:
“Lembra-te do dia do Sábado, para o santificar. Seis dias trabalharás e farás toda a tua obra. Mas o sétimo dia é o Sábado do Senhor, teu Deus; não farás nenhum trabalho, nem tu, nem o teu filho, nem a tua filha, nem o teu servo, nem a tua serva, nem o teu animal, nem o forasteiro das tuas portas para dentro; porque, em seis dias, fez o Senhor os céus e a terra, o mar e tudo o que neles há e, ao sétimo dia, descansou; por isso, o Senhor abençoou o dia de Sábado e o santificou”. Êxodo 20. 8-11
Deus relembra aqui qual é a origem do sábado. Em seis dias, Ele criou tudo o que temos em redor, mas, no sétimo dia, Ele nada fez; e o separou para o descanso do homem e para que este medite nas obras e no poder de Deus. Foi Ele que nos criou. Por isso, separando um dia para a sua adoração, e abdicando de fazer a nossa própria vontade, nesse dia em especial, o Sábado, estamos dizendo a Deus que reconhecemos Sua soberania e a necessidade de sua presença protetora em nossas vidas.
Não é um fardo, é uma bênção especialmente se amamos a Deus. É mais uma vez a luta contra o Eu e contra o egoísmo, que pretendem utilizar todo o tempo que nos resta para nosso próprio proveito e alegria.
E o nosso semelhante?
E aquele que necessita de uma visita especial?
Que tempo dedicaremos aos desafortunados, se estamos somente interessados no trabalho e no acúmulo de dinheiro? O sábado não é para nós e, sim, para os outros.
Jesus disse:
“Ora, quanto mais vale um homem que uma ovelha? Logo, é licito, nos sábados, fazer o bem.” Mateus 12.12
Devemos nos lembrar de que, da mesma forma que o dízimo, o sábado também foi criado para o nosso próprio bem.

Não duvide. Creia nisso.

Reveja a promessa de Deus:

“Se desviares o pé de profanar o sábado e de cuidar dos teus próprios interesses no meu santo dia; se chamares ao Sábado deleitoso e santo dia do Senhor, digno de honra, e o honrares não seguindo os teus caminhos, não pretendendo fazer a tua própria vontade, nem falando palavras vãs, então, te deleitarás no Senhor. Eu te farei cavalgar sobre os altos da terra e te sustentarei com a herança de Jacó, teu pai, porque a boca do Senhor o disse.” Isaías 58.13-14
Deus nos dá uma promessa.
Ele nos diz que, se guardarmos o seu dia, nos dará alegria sem par. Mas será que faz mesmo diferença guardar ou não o Sábado, e deixar de fazer nele as nossas próprias coisas? Então olhe ao seu redor e veja quantos estão hoje enfermos ou morrendo por excesso de trabalho ou preocupação; quantos não sofrem de doenças cardíacas originadas no stress e na fadiga;
Quantas famílias não estão sendo destruídas pela falta de dialogo ou pela falta de tempo juntos sem ser na frente da televisão; Quantos filhos não estão crescendo sem um contato real com seus pais, a não ser na hora de acordar ou dormir.
Preste atenção!
Mais um vez, Deus promove um mandamento que tem como objetivo beneficiar o próprio homem.
Jesus disse:
“O Sábado foi estabelecido por causa do homem, e não o homem por causa do Sábado.”
Marcos 2.27
É evidente que o sábado foi feito para beneficiar o homem. Se, durante 24 horas, o ser humano deixar de lado todas as suas atividades normais, todas as suas preocupações diárias, toda sua correria atrás de compromissos e dedicar o seu pensamento para a sua família, para o seu semelhante e para louvor de seu Deus, é evidente que sua saúde será recompensada.
Nosso Deus é um Deus de razão, e tudo o que faz tem um objetivo claro e prático.
Quando deixamos de separar o seu Santo Dia, privamo-nos a nós mesmos da saúde,
do companheirismo e do amor que Ele planejou para nós.
E qual de nós é tolo o suficiente, para deixar de lado algo que nos faz bem, e vai nos produzir uma vida mais feliz?
Experimente separar o próximo Sábado para meditação sobre as obras de Deus,
para o convívio com a sua família e para ajudar aos que precisam de você.
Tenho certeza de que sua vida será outra, desse dia em diante.
Artigo extraído do livro Sábado, o selo de Deus. Pelo Site Bíblia e a Ciência
Livro de autoria de Peter P. Goldschmidt, no capítulo 7.

Dez conselhos de Billy Graham aos jovens sobre sexo


1) Evite más companhias. Se você andar com maus elementosficará dominado por eles. A Bíblia diz: “Retirai-vos do meio deles, não toqueis em coisas impuras” (II Co. 6):
2) Evite o segundo olhar. Você não pode controlar o primeiro, mas pode evitar o segundo, que se torna cobiça.
3) Discipline suas conversas. Evite piadas e histórias com sentido duvidoso. “As más conversações corrompem os bons costumes” (I Co 15:33)
4) Tenha cuidado com a maneira de vestir-se. Deve ser um assunto entre você e Deus as roupas que usa. Uma jovem recém-convertida falou: De agora em diante vou vestir-me como se Jesus fosse o meu acompanhante.
5) Escolha cuidadosamente os filmes e programas de televisão que assiste.
6) Tome cuidado com o que você lê. Muito da literatura contemporânea apela ao instinto sexual.
7) Esteja em guarda com respeito a seu tempo de folga. Davi tinha o tempo em suas mãos, viu Beteseba e caiu em complicações.
8)Faça uma regra de nunca se envolver em namoro pesado. Jovens cristãos deviam orar antes de cada encontro. A moça que tem Jesus Cristo em seu coração possui um poder sobrenatural para dizer “não” aos avanços de qualquer rapaz. E o rapaz que conhece Jesus Cristo tem poder para disciplinar sua vida.
9) Gaste muito tempo com as Escrituras. O salmista disse: “Guardo no meu coração a tua palavra para não pecar contra ti”. (Sl 119:11). Memorize versículos e quando a tentação chegar, cite-os. A palavra de Deus é a única coisa à qual satanás não pode se opor.
10) Tenha Jesus Cristo em seu coração e vida. Deus o ama e uma forte fé Nele tem guardado muitos homens e mulheres de cometer imoralidades (I Jo 2:14)
por: Billy Graham

Se na nova terra “a morte já não existirá” (Ap 21:4), como é possível que nela “morrer aos cem anos é morrer ainda jovem” (Is 65:20)?

 Para entendermos a tensão entre Isaías 65:20 e Apocalipse 21:4, devemos fazer uma clara distinção entre o propósito original de Deus para com a nação de Israel e o plano dEle hoje para com a Igreja. Deus escolhera, por Sua graça, o povo de Israel e o conduzira à terra de Canaã (Dt 7:7 e 8), onde estabeleceu com a missão específica de atrair “todos os povos” à adoração do verdadeiro Deus (ver Is 56:1-8).
Houvessem os israelitas vivido à altura do seu chamado e cumprido a sua missão no mundo, a Terra teria se enchido “do conhecimento da glória de Deus” (Hc 2:14). A fidelidade à Aliança e a obediência aos preceitos divinos resultariam em bênçãos que melhorariam gradativamente as condições de vida na Terra, afastando “toda enfermidade” do povo eleito e aumentando, conseqüentemente, a sua longevidade (ver Dt 7:12-15, 11:8-25, 28:1-14). É dentro desse processo gradativo que deve ser entendida a declaração de que “morrer aos cem anos é morrer ainda jovem” (Is 65:20). Essa melhora da qualidade de vida continuaria até que a morte deixasse finalmente de existir. A nova terra era esperada no Antigo Testamento a partir dessa perspectiva.
Como Israel não satisfaz as expectativas da Aliança, as promessas condicionais de prosperidade não alcançaram o seu esperado cumprimento (ver Dt 28:15-68). Em decorrência de sua crescente apostasia, o Reino do norte foi conquistado pelos assírios (2Rs 17) e o Reino do sul pelos babilônios (2Rs 24 e 25). As promessas da Aliança também não se cumpriram cabalmente com os judeus no período pós-exílio. Foi especialmente pela rejeição do Messias que Israel deixou finalmente de ser a nação escolhida de Deus (ver Mt 21:43; 23-37-39).
Se o propósito divino no Antigo Testamento era que as condições de vida no mundo melhorassem progressivamente (Is 65:17-25), no Novo Testamento esse quadro se inverte, pois a situação do mundo há de piorar cada vez mais, até a sua final destruição (ver Mt 24:4-12, 2Tm 3:1-9, 2Pe 3:7-13). Portanto, sob a nova Aliança, a promessa de um “novo céu” e de uma “nova terra” não mais se cumprirá por um processo de melhoria gradativa das condições de vida sobre a Terra, e sim pela intervenção sobrenatural de Deus no momento mais conturbado da História, quando finalmente as doenças e a morte deixarão de existir (ver 1Co 15:51-55, Ap 21:1-5).
Fonte: Sinais dos Tempos, novembro/dezembro de 1999, p. 29

A natureza de Escorpião


“Serpentes, raça de víboras! como escapareis da condenação do inferno?” Mateus 23:33
Certa vez, um escorpião aproximou-se de um sapo que estava na beira de um rio, e fez um pedido: “Senhor Sapo, você poderia me carregar até a outra margem deste rio tão largo?” O sapo respondeu: “Só se eu fosse tolo! Você vai me picar, eu vou ficar paralisado e vou afundar”. Disse o escorpião: “Isso é ridículo! Se eu o picasse, ambos afundaríamos”. Confiando na lógica do escorpião, o sapo concordou e levou o escorpião nas costas, enquanto nadava para atravessar o rio. Porém, ao chegar do outro lado do rio, o escorpião cravou seu ferrão no sapo. Atingido pelo veneno, e já começando a afundar, o sapo voltou-se para o escorpião e perguntou: “Por quê? Por quê?” E o escorpião respondeu: “Por que sou um escorpião e essa é a minha natureza”.
Escorpiões são assim, não possuem compromisso com a ética ou com a verdade.  Não se pode confiar nesse tipo de animal. O ser humano tem por natureza carnal o mesmo comportamento dessas criaturas. . Sua índole é má constantemente e por causa disto são capazes de injetar seu veneno em qualquer um e por qualquer motivo. Paulo afirma em Romanos 7:19 “Porque não faço o bem que quero, mas o mal que não quero esse faço” esse é uma luta constante em nossas vidas. No entanto, quando deixamos Deus agir passamos a ser novas criaturas, Paulo assim conclui: “se alguém está em Cristo, nova criatura é; as coisas velhas já passaram; eis que tudo se fez novo.” (II Coríntios 5:17) ele fala sobre velha natureza carnal, essa que faz coisas que desagradam a Deus. Quando não conhecemos a Deus somos como animais, que agem irracionalmente. Sendo assim, o homem seguirá assim para sempre, a menos que permita que Deus efetue uma transformação em sua natureza moribunda. Deus quer está em busca de pessoas que desejam ser transformadas. Temos que ter em mente, que o futuro nos trará a contrapartida das nossas opções e decisões, pois certamente colheremos o que plantarmos. Precisamos do sangue de Jesus para nos purificar. Entregue-se a Cristo e ore por uma mudança radical, esse é meu desejo!

terça-feira, 30 de agosto de 2011

Predestinação, vinho e fim do mundo

Cristão de sucesso: Pregando o evangelho por meio de palavras e ações

Como se mede o sucesso de uma pessoa? Por uma carreira bem-sucedida no mundo dos negócios? Pelos títulos acadêmicos conseguidos? Por seu dinheiro, status e influência na sociedade? Quais são os parâmetros divinos para avaliar se alguém alcançou ou não sucesso na vida?
O mundo convencionou que sucesso é o triunfo nos negócios, na profissão, na posição social, com destaque para a beleza física, dinheiro, cargos que dão status e outros. Tudo isso pode ser bom, se esses dons forem voltados também para o bem dos outros. Todavia, os critérios de sucesso do Senhor são diferentes dos critérios do mundo. Têm que ver com o caráter e a vida altruísta, que testemunham por palavras e ações do amor do Salvador e Seus planos de salvar pecadores. Envolvem aceitar o chamado e cumprir o “Ide” de Jesus. “Assim como o Pai Me enviou, Eu também vos envio” (Jo 20:21).
O êxito cristão é construído com oração, comunhão e dependência de Deus. Acontece quando alguém tira tempo para planejar, testemunhar de Cristo e se envolver em atividades beneficentes, objetivando levar o pão espiritual e físico aos necessitados e sofredores. E isso significa separar tempo para comunhão com Deus e testemunhar de Seu amor às pessoas. O fato é que nenhum cristão moderno ou dos tempos bíblicos alcançou sucesso em conduzir pessoas a Cristo sem sacrificar alguma atividade pessoal ou lazer em favor de Cristo.
O foco de um cristão de sucesso não está nas coisas, mas nas pessoas. Na Epístola aos Romanos, Paulo escreveu que “ninguém vive para si mesmo, nem morre para si” (Rm 14:7). O grande desejo do ser humano é ser feliz. E para ser feliz, ele depende de relacionamentos. ”Cada qual tem o dever solene de aperfeiçoar todas as suas faculdades para a obra de ganhar pessoas para Ele [Cristo]. ‘Não sois de vós mesmos,’ diz Ele, ‘porque fostes comprados por bom preço! Portanto, glorificai a Deus por meio de uma vida de serviço que arrebatará homens e mulheres do pecado para a justiça de Cristo” (Serviço Cristão, p. 109).
Não precisamos viver alienados do mundo nem abandonar o convívio social para ter sucesso e ser vitoriosos. Busquemos o sucesso sendo o “sal da Terra e a luz do mundo” tanto em casa como no trabalho, na escola, nos esportes, no ônibus, com os vizinhos.
Almejemos o sucesso de ter uma vida pautada pelos princípios da Palavra de Deus, os quais nos levam a uma vida correta, desenvolvem valores espirituais, unem nossa família e nos protegem das tentações deste mundo. A prática dos princípios divinos tornará indivíduos e famílias uma bênção à comunidade – um verdadeiro sucesso aos olhos de Deus.
Estejamos certos de que Deus deseja nosso êxito. Isso faz parte do propósito dEle para cada um de nós. Seus planos vão além dos poucos anos que passamos nesta vida. Fomos criados para viver a eternidade com os remidos, com uma coroa cheia de estrelas, as quais representam as pessoas que conduzimos a Cristo por meio de nossa dedicação ao Senhor e a Seu serviço.
“Os sonhos alimentam a vida e as pessoas valem pelos sonhos que têm.” A realização do sonho de sermos cristãos de sucesso depende de nossa prioridade, dedicação e comprometimento com o Senhor e Sua obra. Depende igualmente de aceitarmos a comissão deixada por Jesus, o “ide e fazei discípulos” e de separarmos tempo para cumpri-la.
Às vezes, me pergunto por que João Batista é considerado “o maior entre os nascidos de mulher” (Lc 7:28). João não realizou nenhum grande milagre – não ressuscitou mortos, nem curou doentes; não fez descer fogo do céu, nem fez o sol parar; não fez um machado flutuar, não abriu o mar nem fez paralíticos andarem. Por que, então, ele é considerado o maior? Em Lucas 3:3 encontramos a explicação: João era pregador. Ele anunciava o evangelho, batizando as pessoas de toda a região, que vinham de todos os lugares. João Batista, sim, é um exemplo de cristão de sucesso, e isso foi reconhecido por Jesus, quando afirmou a respeito de Seu precursor: “Ninguém é maior do que João” (Lc 7:28).
Esse é o grande desafio para o tempo em que vivemos: anunciar as boas-novas de salvação a todas as pessoas, levando-as a aceitar Jesus como Salvador, e isso até que Ele volte. Você é um cristão de sucesso? Maranata!
Artigo de autoria de Domingos José de Sousa, presidente da União Central Brasileira, publicado na Revista Adventista de Julho/2008.

O Selo de Deus

 Há poucas coisas mais difíceis do que ser cristão em um país cristão como o Brasil.
Segundo as pesquisas, nosso país é de maioria católica, mais de 90%, enquanto os outros 10% se dividem entre dezenas de religiões, principalmente religiões protestantes.
Era então de se esperar, que sendo o Brasil um país predominantemente cristão, os seus habitantes defendessem e propagassem os ensinos do cristianismo. A religião católica, bem como a maioria dos protestantes possuem a crença em comum de que a Bíblia, com um todo, foi inspirada por Deus para que o homem pudesse conhece-lo, saber da onde veio, para onde vai e como deve agir. Discussões doutrinárias a parte, é de se esperar que os cristãos creiam no mínimo, em Cristo e na criação do homem pelas mãos de Deus. Era de se esperar que todo o cristão fosse Criacionista, pois é isto que Bíblia e as religiões cristãs ensinam.
Mas o que se vê é outra realidade.
Apesar de haver missa na posse dos governantes, cultos e bençãos na inauguração de edificios e obras, ensino religiosos na escola, nós e nossos filhos somos constantemente bombardeados por afirmações de que o homem veio do macaco, de um dinossauro ou de uma bactéria desenvolvida no mar primordial. Nada contra os Evolucionistas defenderem suas teses. Acho isto justo em um país democrático com o Brasil. O que eu não acho justo em um país democrático e “cristão” com o Brasil, é o tratamento que o Evolucionismo tem como fato líquido e certo, enquanto o Criacionismo é ensinado em nossas escolas como se fosse uma lenda. Vale lembrar que nenhuma das duas “teorias” possuem hoje qualquer prova conclusiva de sua veracidade. Em verdade, elas são muito parecidas no que concerne a provas e a necessidade de fé para se crer nelas.
Veja estes três pontos que devem ser ressaltados:
1. A teoria da evolução também carece de provas científicas, uma vez que as poucas existentes não passam de mera especulação. Para os cientistas, cada pedaço de maxilar encontrado se torna a descoberta de uma nova fase de evolução do homem. Só que anos depois esta “nova”fase tem que ser revista e repensada pois com o surgimento de novas provas que contradizem as primeiras, a necessidade de “ajeitar” a teoria às novas descobertas. Há dezenas de especulações de como surgiram as primeiras bactérias, todas elas fantasiosas e sem nenhuma prova confirmatória.
No cristianismo porém, todas as provas que surgem, seja sobre o dilúvio ou sobre fatos mencionados na bíblia, são comprovatórias de uma teoria firme e consistente.

2. A teoria da evolução
também necessita de um boa dose de fé, tal qual a criacionista. Sem fé não há como preencher as lacunas deixadas pelos “ditos” ancestrais do homem. Não há como organizar crânios iguais com datas de carbono-14 diferentes.
Sem fé, o evolucionismo não é nada. Sem fé o criacionismo também não é nada.
Sem fé, nada do que você leu ou ainda lerá sobre a Bíblia, não terá qualquer validade.
Se você é Cristão, vale lembrar que você o é pela fé, uma vez que não existe nenhuma prova científica da existência de Deus e de Jesus como seu filho.
Em outras palavras, ou você crê na Bíblia como um todo, ou não crê em nada.
Ou tem fé em Deus, ou passa a não acreditar em nada mesmo.
3. A teoria da evolução é contra nosso Deus como o Deus Criador de todas as coisas.
É contra a queda de Adão pela tentação de Satanás. E, consequentemente, é contra a necessidade de um Salvador para o homem. Afinal, se ele não pecou no Éden, para que precisa ser redimido pelo sangue de Cristo?
E, se não há necessidade de ser redimido, pelo sangue de Jesus, tudo o que há na Bíblia, não tem qualquer validade, desde os sacrifícios dos Judeus confiando no Messias, até as histórias de Pedro, Paulo e João.
É interessante notar que um dos ensinos bíblicos mais combatidos, neste século, foi justamente o criacionismo.

Por que?
Preste atenção neste dois pontos:
1- Dentro e fora da igreja, Satanás tem obtido grande sucesso, transformando a história da criação, contada por Moisés, em “contos da carochinha”.
2- Na Lei de Deus o único realmente polêmico é o quarto mandamento, o Sábado.
Destruindo a Lei de Deus, através do descrédito de um só dos seus mandamentos, o inimigo das almas, cria uma brecha na perfeição do caráter de Deus. Com a destruição do quarto mandamento, Sátanas destroí a principal lembrança que o homem tem de Deus como soberano, criador e mantenedor de todas as coisas.
Para você entender esta afirmação há necessidade de se abrir um parenteses e comentar o título deste capítulo.
Sábado, o selo de Deus
Na antigüidade, para se autenticar um documento ou Lei, era necessário que o governante utilizasse um selo, ou anel de selar, e, com ele, legitimasse ser aquela a sua vontade. Isto aconteceu em diversos episódios bíblicos como:
- Quando Jezabel escreveu cartas, em nome do rei Acabe, ela selou-as com seu selo. I Reis 21:8
- Quando o rei Assuero editou a Lei para morte dos Judeus, ele a selou também com seu sinete. Ester 8:8
- Também nas ruínas de Babilônia, foram encontrados tijolos com o nome do seu construtor, Nabucodonosor.
Enfim, em qualquer documento importante havia a prova de sua autenticidade e legitimidade. No sinete ou selo, deveria sempre haver três coisas:
1. O nome do governante.
2. O seu cargo, ou título.
3. Sua area de domínio ou país.
Nos dez mandamentos de Deus, somente em um deles há estas identificações por completo, veja só:

“Lembra-te do dia do Sábado para o santificar. Seis dias trabalharás e farás toda a tua obra. Mas o sétimo dia é o sábado do Senhor, teu Deus; não farás nele nenhum trabalho, nem tu, nem o teu filho, nem a tua filha, nem o teu servo, nem a tua serva, nem o teu animal, nem o forasteiro das tuas portas para dentro; porque, em seis dias, fez o Senhor os céus a terra, o mar e tudo o que neles há, e, no sétimo dia, descansou; por isso, o Senhor abençoou o dia de Sábado e o santificou”. Êxodo 20: 8-11
Note que este mandamento traz as três coisas necessárias em um selo, ou sinete:
1. O nome do governante:
SENHOR-JEOVÁ,
Aquele que existe por si mesmo.
2. Seu cargo:
CRIADOR DO UNIVERSO,
Ele Fez.
3. O seu domínio:
O CÉUS, A TERRA E TUDO O QUE NELES HÁ.
Não nos admira ser este o mandamento, juntamente com o criacionismo que ele sustenta, o mais combatido neste último século.

Destruindo o crédito na criação como a Bíblia nos conta, se destroí também a necessidade de guardar o quarto mandamento, pois como já vimos, a guarda do Sábado começou na criação. Não que ele seja o mais importante, pois sabemos que todos os dez têm igual valor. A sua importância vem justamente do fato de ser ele o ponto de diferença entre os que crêem em um Deus Criador e daqueles que crêem ser o homem fruto de um acaso intergalático.
No século passado, a teoria da evolução (descendente do pensamento Grego) tomou um grande impulso pelas teorias de Charles Darwin. Para a mesma época, Deus providenciou uma advertência ao mundo, através de uma profecia, a fim de lembrar o homem quem ele é e de onde veio:
“Temei a Deus e dai-lhe glória, pois é chegada a hora do seu juízo; e adorai aquele que fez o céu, e a terra, e o mar, e a fonte das águas.” Apocalipse 14.7 (profecia referente ao tempo do fim.)
Notem que isto não acontece por acaso. Isto já foi predito há muito tempo atrás por Daniel e pelo apóstolo João.
Veja só:
“ e proferirá palavras contra os santos do Altíssimo, e cuidará em mudar os tempos e a Lei; e os santos lhe serão entregues nas mãos, por um tempo, dois tempos e metade de um tempo” Daniel 7:25
Sobre o anti-cristo.
“ e irou-se o dragão contra a mulher e foi pelejar com o restante da sua decendência, os que guardam os mandamentos de Deus e a fé de Jesus.” Apoc. 12:17
Sobre a perseguição do anti-cristo aos santos.
É neste final dos tempos, quando é chegada a hora do Seu juízo, que Satanás procurará levar o homem, através de erros muito sutís, a negar a autoridade de Deus sobre a terra e sobre aqueles que nela habitam.
Não caia você também neste engano.
Artigo extraído do livro Sábado, o selo de Deus
 
de autoria de Peter P. Goldschmidt, no capítulo 6. Pelo Site Bíblia e a Ciência

Verdades e Mentiras Sobre o Dom de Línguas (Parte 02)


No programa anterior o Pr. Ivan Saraiva falou sobre as verdades e os mitos do dom de línguas. Ele continuará falando sobre este tema. Por isso se ficou alguma dúvida do programa anterior, você não pode deixar de assistir o Está Escrito Adoração de hoje, Verdades e Mitos do dom de línguas (Parte 02). Confira!

Como se tornar um homem irresistível

Não sei se você já leu “Ela precisa, Ele deseja”. Um livro que ensina como se apaixonar e continuar apaixonado dentro do relacionamento do casamento. Um dos capítulos “De incompatíveis a irresistíveis”, eu destaco para você, na postagem de hoje, como qualquer marido pode se tornar irresistível para sua mulher, suprindo as cinco necessidades emocionais mais importantes da esposa.
1 – Afeto. O marido diz à mulher que a ama através de palavras, cartões, flores, presentes e gentilezas comuns. Ele a abraça e a beija muitas vezes todos os dias, proporcionando um ambiente de afeto que, de forma clara e repetida, expressa o seu amor por ela.
2 – Diálogo. Ele reserva um tempo diário para conversar com ela. A conversa pode ser sobre fatos de suas vidas, sobre seus filhos, seus sentimentos ou planos. Seja qual for o assunto, ela terá prazer na conversa porque esse momento nunca deve ser usado para criticar ou condenar, mas sempre para informar e construir. Ela conversa com o marido tanto quanto desejar e responde com interesse. Ele nunca deve estar ocupado demais “só para conversar”.
3 – Honestidade e franqueza. O marido conta para a mulher tudo a seu respeito, não omitindo nada que possa surpreendê-la mais tarde. Ele descreve para ela seus sentimentos positivos e negativos, fatos do seu passado, sua agenda diária e seus planos para o futuro. Ele nunca a deixa com uma falsa impressão e é sempre sincero com relação aos seus pensamentos, sentimentos, intenções e comportamento.
4 – Estabilidade financeira. Ele assume a responsabilidade pela casa no que se refere à alimentação e ao vestuário da família. Se sua renda não é suficiente para proporcionar o suporte essencial, ele resolve o problema buscando melhor capacitação para melhorar seu salário. Ele não mantém uma jornada de trabalho muito longa para não ficar tanto tempo longe de sua esposa e filhos, mas é capaz de providenciar o sustento necessário, trabalhando uma média de quarenta e cinco horas semanais. Apesar de incentivar a esposa a ter uma profissão, ele não depende do salário dela para as despesas da família.
5 – Compromisso com a família. Ele se compromete a dedicar tempo e energia suficientes para participar do desenvolvimento educacional e moral de seus filhos. Conta histórias para os filhos, envolve-se em atividades esportivas e os leva frequentemente para passear. Lê livros e participa com sua esposa de palestras sobre o desenvolvimento infantil, de modo que ambos venham a desempenhar bem o papel da orientação de seus filhos. Os dois discutem os métodos e objetivos da educação até chegar a um acordo. Ele não usa nenhuma forma de disciplina sem a aprovação da mulher, e entende que o seu cuidado com as crianças é decisivamente importante para ela.
Quando uma mulher encontra um marido que demonstra todas as cinco qualidades, ela vai achá-lo irresistível. Mas cuidado: se ele apenas exibir quatro dessas qualidades, ela ainda experimentará um vazio que persistente e incessantemente clamará por preenchimento. Quando o assunto é suprir as cinco necessidades básicas, quatro não são suficientes. Cada marido deve tentar satisfazer as cinco necessidades especiais da sua esposa

segunda-feira, 29 de agosto de 2011

É errado acender velas num velório ou em outras ocasiões?

Temos que separar aqui o ato de acender velas da crendice de oferecer velas aos mortos.
O ato de acender velas em si mesmo não tem nada de errado. É apenas um costume que pode ser bem visto ou mal visto dependendo da cultura de cada um. Deve-se ressaltar que Jesus nunca ensinou que deveríamos acender velas ao orar (Mateus 6:5-15) Isto demonstra que tal atitude não é necessária.
Já o ato de acender velas para os mortos, na esperança de que eles estejam percebendo esta ação e se alegrando ou sendo beneficiados com ela – é totalmente anti-escriturístico.
E toda prática contrária a Palavra de Deus é um culto a Satanás. A Bíblia deixa bem claro que os mortos não sabem coisa nenhuma. Eclesiastes 9:5 diz que … os vivos sabem que hão de morrer, mas os mortos não sabem coisa nenhuma …

7 razões para fumar

1.     Para encurtar a minha vida.
2.     Para destruir meu dinheiro, ao invés de usá-lo em alimentação, roupas, educação, etc.
3.     Para dar mau exemplo aos filhos e amigos.
4.     Para poluir o ar, não apenas para mim mas também para os outros, quer estes concordem ou não.
5.     Para ter mau hálito, dentes escuros, mãos manchadas, tossir e expectorar.
6.     Para ter muito mais oportunidades de padecer de câncer, enfisema, bronquite, arteriosclerose, infarto do miocárdio, trombose, etc.
7.     Para envelhecer precocemente e viver menos 8 a 10 anos.
(Fonte: Jornal Brasileiro de Medicina)

A Cura pela Babosa

 Além de beneficiar a pele e os cabelos, essa planta fortalece o sistema imunológico. Há muitos séculos que civilizações do mundo inteiro consomem a babosa. Suas propriedades curativas são comprovadas pela ciência.É uma planta rica em minerais e vitaminas antioxidantes que evitam o envelhecimento das células.

Tem aminoácidos essenciais e secundários que regeneram e recuperam os tecidos, enzimas que atuam no processo digestivo, acelerando o metabolismo e, portanto, favorece a eliminação das toxinas e do colesterol. Outra substância, a acemannan, ativa o sistema imunológico na defesa contra vírus, bactérias e poluição ambiental.A babosa também apresenta princípios ativos fitoterápicos que penetram na pele, hidratando e nutrindo.

Seus componentes saponínicos e antraquinônicosagem como analgésico e antiinflamatório nas dores de coluna e outras dores. Os agentes alcalinizantes do sangue nela contidos, devido à normalização do PH, promovem equilíbrio fisiológico celular.A FDA (Food and Drug Administration, dos Estados Unidos) admite que o suco da babosa tem no máximo 50ppm de Aloin, pigmento amargo de cor amarela e brilhante que está presente na casca e que deve ser estabilizado para o uso oral e local.

A estabilização significa que a babosa está livre de contaminação por bactérias, fungos e vírus, como conservantes naturais e antioxidantes para proteger sua cor e paladar.Propriedades:Entre as inúmeras qualidades da babosa, destaca-se poderosa ação antipatológica, obtida por meio da estimulação do sistema imunológico, em casos de câncer de origem ionizante e biológico, gastrite e úlcera gástrica e duodenal, hipertensão arterial e problemas cardíacos, obesidade, artrite reumática e gota, artrose e osteoporose, prostatites e infecções ginecológicas, cálculos renais e vesícula biliar, alergias respiratórias como asma e bronquite e problemas dermatológicos como psoríase e aczema.A babosa tem grandes benefícios quando usada externamente.

Em forma de gel, 100% estabilizada, ela é incidaca para queimaduras, feridas incisivas, lesões por infecções bacterianas, eczemas e psoríase. Nesses casos, sua ação ocorre devido à penetração nas três camadas da pele, trazendo células hidratadas e oxigenadas para superfície, e removendo-as. A babosa que contenha elastina, colágeno e óleos essenciais é eficaz para hidratação e regeneração nutricional celular, resultando na perfeita manutenção da jovialidade da pele.

Por causa dessas propriedades, várias civilizações no passado homenagearam a Aloe Vera (a babosa) como dádiva à humanidade.Na Índia, era chamada de cetro divino (as folhas apontam para o céu). Os chineses a chamam de Lu-Hui e a consideram boa para a saúde, longevidade e potência sexual. No Egito, em 1550 a.C., o papyrus ebers detalhava minuciosamente o valor medicinal da Aloe Vera.

O herbário grego, Dioscorides (41-68 d.C.), afirma que a planta pode “induzir ao sono, fortificar o corpo, diminuir a barriga e limpar o estômago”. Na Colômbia, é costume amarrar folhas de babosa nos pés e nas mãos de crianças para proteção contra mordidas de insetos. Tribos africanas, em epidemia de gripe, banhavam-se infusão de babosa para eliminar os germes. Caçadores esfregavam a babosa no corpo para disfarçar o odor da transpiração e passarem despercebidos pelos animais.

A babosa é um fitoterápico cujos benefícios possuem ampla comprovação científica. Seu uso é também extensivo à veterinária.
Fonte: portalnatural.com.br

Mudança para o Domingo

Na Bíblia, o primeiro dia da semana, ao qual chamamos de Domingo, é mencionado somente oito vezes.
As quatro primeiras são:
Mateus 28:1, Marcos 16:1-2, Lucas 24:1, João 20:1.
Estas passagens dizem a mesma coisa sobre o mesmo assunto:
que as mulheres foram ao sepulcro, no primeiro dia da semana para ungir o corpo de Jesus.
Em nenhuma delas há qualquer referencia à santidade do Domingo ou a santidade do dia da ressurreição de Cristo.
Jesus guardou o Sábado até na morte.
Morreu na Sexta,
descansou no Sábado,
e ressucitou no Domingo.
As outras passagens são as seguintes:
Marcos 16:9
Fala que Cristo ressuscitou no primeiro dia da semana e que apareceu para Maria Madalena.
Neste texto também, nada há referente à santidade desse dia.
João 20:19
Diz que os discípulos estavam trancados em casa, com MEDO dos Judeus.
Vale acrescentar que eles estavam reunidos desde Sexta-feira. Eles também temiam ser presos e julgados. Não era uma reunião religiosa.
Atos 20:7
Esta é a primeira passagem que menciona uma reunião religiosa no primeiro dia da semana, o Domingo. Paulo estava em Trôade há sete dias e iria partir para continuar sua viagem no dia seguinte, a fim de dar as últimas mensagens.
Por isso, convocou a reunião com os Cristãos.
Não existe nada neste verso sobre a santidade do Domingo ou coisa que se assemelhe a isso.
Era uma reunião religiosa, como a que hoje fazemos aos Domingos à noite, às Terças ou Quartas-feiras. O fato de nos reunirmos nesse dia não o torna mais ou menos santo.
1 Coríntios 16:2
Este verso diz que o primeiro dia da semana era o dia destinado à separação das coisas que iriam ser doadas aos necessitados. Note que o apóstolo ia de casa em casa fazer a coleta. Não era um dia de reunião, nem era considerado sagrado.
Então, como vemos, não há nada nessas oito citações bíblicas que contenha algum mandamento indicando a guarda do primeiro dia no lugar do Sábado.
Não há nada que fale da santidade do dia da ressurreição ou que deveríamos guardar o Domingo de alguma forma. E também não há nada que anule qualquer um dos Dez Mandamentos.
Então, repito a pergunta:
Se Jesus tivesse a intenção de mudar algum dos mandamentos, será que Ele não teria dito isso claramente?
Teria ele se “esquecido” de um assunto desta importância e deixado a ordem apenas nas entrelinhas?
Se acreditamos na Bíblia como fonte de toda verdade sobre Deus e Sua vontade, chegamos à conclusão de que nada foi dito ou escrito no sentido de provocar uma mudança do dia de guarda do sétimo dia, O SÁBADO, para o primeiro dia, O DOMINGO.

Além do mais, Cristo afirmou que sua Lei não mudaria, e que Ele veio cumpri-la mas não revogá-la.
“Não penseis que vim revogar a Lei ou os profetas; não vim para revogar, vim para cumprir.”
Porque em verdade vos digo: até que o céu e a terra passem, nem um i ou um til jamais passará da Lei, até que tudo se cumpra.”
Mateus 5:17,18
Então, chegamos a uma pergunta crucial:
Quem, quando, como, e com que autoridade mudou o Santo Dia do Senhor DO Sábado PARA o Domingo?
A Mudança
O primeiro dia da semana era considerado, pelos antigos Babilônicos, como dia de culto ao Sol.
No ano de 274 depois de Cristo, o Imperador romano Aureliano adotou o culto ao Sol como religião oficial. O imperador instituiu o primeiro dia da semana, o Domingo, como o venerável dia do Sol, ou DIES SOLIS no Latim.
Ainda hoje, em algumas línguas, o Domingo mostra suas origens: SUNDAY (em Inglês) e SOONTAG (em Alemão) querem dizer “Dia do Sol”.
Sábado em Hebraico quer dizer “descanso”.
Em 321 D.C, o Imperador Constantino, baixou um decreto obrigando a todos os que viviam sob seus domínios a honrar o dia do Sol:
“ Que os juízes e o povo das cidades,bem como os comerciantes, repousem no venerável dia do Sol. Aos moradores dos campos, porém, conceda-se atender, livre e desembaraçadamente, aos cuidados da lavoura”
Convém lembrar que, desde aproximadamente o ano 100 D.C, a religião Cristã era veementemente perseguida por Roma, e que centenas de milhares perderam suas vidas defendendo e provando sua fé diante dos leões e das labaredas de fogo.
Esta perseguição só teve fim com a “conversão” do imperador Constantino ao Cristianismo.
Esta “conversão” política tinha o claro objetivo de apaziguar as perseguições, bem como o de conceder poder à ascendente e poderosa religião Cristã.
Nessa ocasião, muitos dos costumes da religião oficial de Roma, o culto ao Sol, foram mescladas ao Cristianismo com o objetivo de atingir mais facilmente os pagãos.
Um desses costumes foi a guarda do Domingo junto com a do Sábado, ou seja, a criação do nosso final de semana.
Tiveram origem, a partir dessa data, várias festas religiosas, que utilizaram motivos e datas pagãos, para converter os incrédulos, mais facilmente, como por exemplo:
A Páscoa Cristã no lugar do ritual de fertilidade
O Natal de Jesus no lugar do sostício de outono.
Cerca de 40 anos mais tarde, a Igreja Cristã, já mais poderosa e organizada, através de seus Bispos, realizou o Concílio de Laodicéia, onde, oficialmente e sem nenhuma intervenção Divina, mudou o Santo dia de guarda do Sábado para o Domingo:
“ Os cristãos não devem judaizar,ou estar ociosos no Sábado, mas trabalharão nesse dia; o dia do Senhor (Domingo), entretanto, honrarão especialmente, e, como Cristãos, não devem, se possível, fazer qualquer trabalho nele. Se, porém, forem achados judaizando, serão separados de Cristo.”
(Cânon 29, do Concílio de Laodicéia, em 364 d.C.).
Este surpreendente decreto nos apresenta duas verdades:
A primeira é que, ao contrário do que muitos afirmam, o Sábado era observado e honrado pelos Cristãos até o quarto século depois de Cristo.
Se não fosse o caso, não haveria necessidade de um decreto para desobrigá-lo.
A segunda verdade é que não houve qualquer base bíblica para a mudança do dia de adoração.
O objetivo aqui era que os Cristãos não fizessem nada que lembrasse o Judaísmo, ou seja, o povo que matou o Senhor Jesus Cristo.
Este ato revela o grande sentimento anti-semita
vigente na época, e a ânsia, a qualquer preço, de distinguir os Cristãos desse povo.
Notem que a ordem do concílio é guardar o Domingo “se possível”, enquanto é bem enérgico
em dizer que quem guardar o Sábado “será separado de Cristo”.
Como vemos, a mudança foi gradativa do Sábado verdadeiro para o Domingo.
Foi também forçada e sem qualquer base nas Escrituras.
Veja o que disse o Cardeal Gibbons, arcebispo de Baltimore e primaz da Igreja Católica nos Estados Unidos:
“Podereis ler a Bíblia de Gênesis ao Apocalipse, e não encontrareis uma única linha que autorize a santificação do Domingo. As escrituras ordenam a observância religiosa do Sábado, dia que nós nunca observamos.”
Faith of our fathers, Pg. 89, 1896.
Nunca foi da vontade de Deus que sua Santa Lei fosse revogada e reescrita, embora esses atos humanos já fossem previstos tanto no Novo, como no Velho Testamento:
“Eu sei que, depois da minha partida, entre vós penetrarão lobos vorazes, que não pouparão o rebanho. E que, dentre vós mesmos, se levantarão homens falando coisas pervertidas para arrastar os discípulos atrás deles.”
Atos 20.29-30
“Todo aquele que nega o Filho, esse não tem o Pai; aquele que confessa o Filho tem igualmente o Pai. Permaneça em vós o que ouvistes desde o princípio. Se em vós permanecer o que desde o princípio ouvistes, também permanecereis vós
no Filho e no Pai.”
I João 2.23-24
“Proferirá palavras contra o Altíssimo, magoará
os santos do Altíssimo, e cuidará em mudar os tempos e a Lei; e os santos lhe serão entregues por um tempo, dois tempos e metade de um tempo.”
Daniel 7.25
“O exército lhe foi entregue, com o sacrifício diário, por causa das transgressões; e deitou por terra a verdade; e o que fez prosperou.”
Daniel 8:12.
Artigo extraído do livro Sábado, o selo de Deus, pelo Site Bíblia e a Ciência
  de autoria de Peter P. Goldschmidt, capítulo 5. 

▲ TOPO DA PÁGINA